O teatro de Griselda Gambaro: novas leituras sobre antigos enfrentamentos / Griselda Gambaro’s Theater: New Perspectives on Old Clashes

Laureny Aparecida Lourenço da Silva

Resumo


Resumo: Na peça Del sol naciente (1984), de Griselda Gambaro, a personagem Suki desarticula o discurso do dominador através de suas atitudes, tanto nos diálogos quanto nas rubricas da peça. Ela toma para si a fala da reflexão e faz com que o poder instituído, no caso o guerreiro Obán, saia – literalmente – de cena antes do final da peça. O poder opressor cai. Suki se desfaz de seus simulacros de gueixa – estereótipo esperado da mulher oriental – e se veste de Suki, somente dela mesma, sem nenhum atributo socialmente imposto. Ela junta-se aos semi-seres, os “semi” no sentido de meio, de pouco, de quase nada, que a sociedade criou (e continua criando) e, junto a eles, encontra seu verdadeiro corpo, seu verdadeiro lugar. Chamo a este desmantelamento de Suki de grotesco desarticulador pelo fato de a personagem conseguir desarticular, de forma sábia e serena, todos os elementos socialmente opressores. Através de suas falas irônicas e questionadoras, ela desafia e enfrenta o poder instituído, desarticulando o discurso dominador.

Palavras-chave: Griselda Gambaro; Grotesco desarticulador; Teatro latino-americano.

Abstract: In the play Del sol naciente (1984), of Griselda Gambaro, the character Suki dismantles the dominant discourse through her attitudes, both in the dialogues as in the play items. She takes it upon herself to speak of reflection and makes the power set up in case the Oban warrior, exit – literally – the scene before the end of the play. The oppressive power falls. Suki disposes of her geisha semblance - expected stereotype of oriental woman – and dresses as self, only herself, without any socially imposed attribute. She joins the semi-beings, “semi” meaning half being, almost nothing, that society has created (and continues to create) and, with them, finds her true body, her true place. I call this dismantling of Suki grotesque because the character manages to dismantle, wisely and quietly all socially oppressive elements. Through her ironic and questioning speeches, and she challenges and defies the established power, dismantling the dominant discourse.

Keywords: Griselda Gambaro; Grotesque dismantle; Latin American theater.


Palavras-chave


Griselda Gambaro; Grotesque dismantle; Latin American theater.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução Yara Frateschi Vieira. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

BRANDÃO, Izabel. A Vênus Negra: poder e resistência na representação do corpo grotesco feminino em duas autoras contemporâneas. In: CONGRESSO DA ABRAPUI, III, 2012. Atas... Florianópolis: UFSC, 2012.

CASTELLVÍ de MOOR, Magda. El drama pronominal entre “Yo-Tú/ Vos-Usted” en el discurso de Del sol naciente de Griselda Gambaro. In: PELLETTIERE, Osvaldo (Org.). Reflexiones sobre el teatro latinoamericano del siglo veinte. Buenos Aires: Galerna, 1989. p. 111-122.

DE TORO, Fernando. Griselda Gambaro o la desarticulación semiótica del lenguaje. In: MAZZIOTTI, Nora (Org.). Poder, deseo y marginalización. Aproximaciones a la obra de Griselda Gambaro. Buenos Aires: Puntosur, 1989. p. 41-53.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade III: o cuidado de si. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e revisão José Augusto Guilhon Albuquerque. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e revisão José Augusto Guilhon Albuquerque. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999a.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade II: o uso dos prazeres. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e revisão de José Augusto Guilhon Albuquerque. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e revisão de José Augusto Guilhon Albuquerque 20. ed. Petrópolis: Vozes, 1999b.

GAMBARO. Do sol nascente. Tradução de Prosolina Alves Marra. In: RAVETTI, Graciela; ROJO, Sara. Antologia bilingue de dramaturgia de mulheres latino-americanas. Belo Horizonte: Armazém das Ideias, 1996.

HUTCHEON, Linda. Teoria e política da ironia. Tradução de Julio Jeha. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000.

KRISTEVA, Julia. Poderes de la perversión. 5. ed. Buenos Aires: Siglo XXI, 2004.

MONTERO, Rosa. A louca da casa. Tradução Paulina Wacht e Ari Roitman. 2. ed. Rio de Janeiro: Agir, 2008.

OLCOZ, Nieves Martínez de. Cuerpo y resistencia en el reciente teatro de Griselda Gambaro. Revista Latin American Theatre Review. Kansas, v. 28, n. 2, p.7-18, Spring 1995.

PELLETTIERI, Osvaldo. Una historia interrumpida. Buenos Aires: Galerna, 1997.

RAVETTI, Graciela; ROJO, Sara. Comentário: Do sol nascente”. In: ______. Antologia bilingue de dramaturgia de mulheres latino-americanas. Belo Horizonte: Armazém das Ideias, 1996.

RUSSO, Mary. O grotesco feminino: risco, excesso e modernidade. Tradução Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

TARANTUVIEZ, Susana. La escena del poder: el teatro de Griselda Gambaro. Buenos Aires: Corregidor, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.26.1.67-85

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Laureny Aparecida Lourenço da Silva



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.