O ódio: “uma potência não igualável”: representação do mal político em Aprender a rezar na era da técnica / Hate: “An Unequaled Power”: Representation of Political Evil in Aprender a Rezar na Era da Técnica

Marcelo Franz

Resumo


Resumo: A ficção de resistência, fundamentada na experiência do trauma e na percepção do primado do mal como práxis política, continua tendo atualidade e universalidade. Com suas tramas um tanto distópicas, situadas num espaço-tempo indefinido, mas que propositalmente evocam as experiências do período dos totalitarismos da Europa na primeira metade do século XX, os livros da série “O reino”, de Gonçalo M. Tavares, apontam para a atemporalidade desses problemas. Propomo-nos a observar, na análise de Aprender a rezar na era da técnica, nuances e detalhes da concretização disso, numa aproximação com os conceitos de violência de Estado, de Walter Benjamin, e de “biopolítica”, de Giorgio Agamben.

Palavras-chave: mal; Gonçalo M. Tavares; Aprender a rezar na era da técnica; violência de estado; biopolítica.

Abstract: The fiction of resistance, based on the trauma experience and in the perception of the primacy of evil as political práxis remains current and universal. The books of the series “O reino”, written by Gonçalo M. Tavares, show the timelessness of these problem with their somewhat dystopic plots, in an indefinite space-time that purposefully evoke the experiences of the period of totalitarianisms in Europe in the first half of the 20th century. In the analysis of Aprender a rezar na era da técnica, we propose to observe some nuances and details of this occurrence, bringing it closer to the concepts of state violence, by Walter Benjamin, and “biopolitics”, by Giorgio Agamben.

Keywords: evil; Gonçalo M. Tavares; Aprender a rezar na era da técnica; state violence; biopolitics.


Palavras-chave


evil; Gonçalo M. Tavares; Aprender a rezar na era da técnica; state violence; biopolitics; mal; violência de estado; biopolítica.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. de Henrique Burigo. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. Trad. Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008. (Homo sacer, v. 3).

BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Trad. Suely Bastos. Porto Alegre: L&PM, 1989.

BENJAMIN, Walter. Para uma crítica da violência. In: ______. Escritos sobre mito e linguagem. Trad. Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34; Duas Cidades, 2013. p. 121-156.

FARIA, Ângela Beatriz Carvalho. A grande barbárie é a infidelidade do homem à sua própria humanidade – a propósito de Jerusalém, de Gonçalo Mendes Tavares. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIC, 11., 2008, São Paulo. Anais... São Paulo: ABRALIC, 2009. Disponível em: http://www.abralic.org.br/eventos/cong2008/AnaisOnline/simposios/pdf/001/ANGELA_FARIA.pdf. Acesso em: 6 jul. 2015.

FOUCAULT, Michel. A governamentalidade. In: ______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1978. p. 277-293.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

STEINER, George. No castelo do Barba Azul: algumas notas para a redefinição da cultura. Lisboa: Relógio d’Água, 1992.

TAVARES, Gonçalo Manuel. Aprender a rezar na era da técnica: posição no mundo de Lenz Buchmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

TAVARES, Gonçalo Manuel. Gonçalo Manuel Tavares – Imagem da Palavra – Parte 2. 12 jul. 2013. Entrevista. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=UA13VVdk2K4. Acesso em: 6 jul. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.27.1.109-125

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Marcelo Franz



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.