Bem-aventurados os que podem impunemente praticar o mal: “A causa secreta”, de Machado de Assis / Blessed are Those Who Can Do Evil Without Being Punished: “A Causa Secreta” by Machado de Assis

André Luis Rodrigues

Resumo


Resumo: O artigo dedica-se à leitura do conto “A causa secreta”, de Machado de Assis, buscando discernir alguns dos “níveis de realidade” (Italo Calvino) presentes na narrativa. A crueldade, a agressividade e a maldade são, por assim dizer, decantadas pelo escritor na figura de Fortunato, que pode exercê-las sob o disfarce do altruísmo e, dada a sua condição social, sem qualquer receio de castigo ou sanção, mas também se deixam entrever, modificadas para além de qualquer reconhecimento imediato e com consequências muito diversas, em vários aspectos da vida e das ações humanas formalizadas no conto. É assim que podem ser divisadas, com base no conceito freudiano de “pulsão de morte”, na origem da curiosidade de Garcia, que é também compartilhada pelos leitores, ou na própria criação e fruição estética, em que estão envolvidos escritor e leitor.

Palavras-chave: conto; crueldade; A causa secreta; Machado de Assis.

Abstract: This article aims at reading ‘A causa secreta’, by Machado de Assis, pursuing the apprehension of some ‘levels of reality’ (Italo Calvino) that can be found in the story. Cruelty, aggressiveness and evil are ‘decanted’ by the writer in Fortunato’s character, who can be cruel and wicked under the disguise of altruism and, due to his social position, unworried about punishment. However, they can also be seen, changed beyond recognition and with different consequences, in several aspects of life and human acts formalized by the writer in the narrative. Based on Freud’s concept of the death instinct, they can also be seen in the origin of Garcia’s curiosity and in the aesthetical creation and enjoyment, with which writer and reader are involved.

Keywords: short story; cruelty; A causa secreta; Machado de Assis.


Palavras-chave


short story; cruelty; A causa secreta; conto; crueldade; A causa secreta; Machado de Assis.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Garnier, 1988.

ASSIS, Machado de. Várias histórias. Rio de Janeiro: Garnier, 1994.

BATAILLE, Georges. O erotismo. 3. ed. Trad. João Bénard da Costa. Lisboa: Antígona, 1988.

CALVINO, Italo. Les niveaux de la réalité em littérature. In: ______. La machine littérature. Trad. Michel Orcel; François Wahl. Paris: Éditions du Seuil, 1984. p. 85-100.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. O mal radical em Freud. 4. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

GOMES, Eugênio. O microrrealismo de Machado de Assis. In: ______. Machado de Assis. Rio de Janeiro: Liv. São José, 1958. p. 52-62.

VILLAÇA, Alcides. Machado de Assis, tradutor de si mesmo. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 51, p. 3-14, jul. 1998.

ZOLA, Émile. Thérèse Raquin. 2. ed. Trad. Joaquim Pereira Neto. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.27.1.271-286

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 André Luis Rodrigues



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.