O jeito de Antonio Carlos Viana matar lagartas / The Way Antonio Carlos Viana Kills Caterppilars

Josalba Fabiana Santos

Resumo


Resumo: Analisaremos o conto “Cara de boneca”, do livro Jeito de matar lagartas (2015), do escritor Antonio Carlos Viana. Como uma das personagens é comparada a uma boneca, daí o título da narrativa, será em torno dessa imagem que o presente trabalho será constituído. A boneca é um brinquedo e um duplo por excelência, duplo de um ser humano. No entanto, no conto em questão, existe uma inversão, pois é um ser humano que se torna boneca. Esse processo pelo qual passa seu Lilá, a personagem a qual nos referimos, facilita o seu uso e o seu posterior descarte. Após apresentarmos algumas definições de boneca, discutiremos a fixação de seu Lilá como boneca a partir do conceito de rostidade de Deleuze e Guattari. E, finalmente, discutiremos a relação entre boneca, brincadeira, jogo e escrita nos valendo do pensamento de Agamben e Bataille.

Palavras-chave: Antonio Carlos Viana; “Cara de boneca”; boneca; brincadeira; mal.

Abstract: We will analyze the short story “Cara de boneca”, from the book Jeito de matar lagartas (2015), by the writer Antonio Carlos Viana. As one of the characters is compared to a doll, hence the title of the narrative, it will be around this image that the present work will be constituted. The doll is a toy and a double par excellence, double of a human being. However, in the story in question, there is a reversal, because it is a human being who becomes a doll. This process which Lilá goes true, the character to which we refer, facilitates its use and its subsequent discarding. After presenting some definitions of doll, we will discuss the fixation of Lilá as a doll from the concept of the faciality of Deleuze and Guattari. And finally, we will discuss the relation between doll, playtime, game and writing using the thought of Agamben and Bataille.

Keywords: Antonio Carlos Viana; “Cara de boneca”; doll; playtime; evil.


Palavras-chave


Antonio Carlos Viana; “Cara de boneca”; doll; playtime; evil; boneca; brincadeira; mal..

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O país dos brinquedos: reflexões sobre a história e sobre o jogo. In: AGAMBEN, Giorgio _____. Infância e história: Destruição da experiência e origem da história. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005. p. 79-107.

BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Trad. Suely Bastos. Porto Alegre: L&PM, 1989.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. Luiz Orlandi e Roberto Machado. Lisboa: Relógio D’Água, 2000.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Ano zero – rostidade. In: DELEUZE, Gilles et al. _____. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Trad. Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012. v. 3. p. 35-68.

ECO, Umberto (Org.). História da beleza. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2004.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

GIL, José. Prefácio. In: DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. Luiz Orlandi e Roberto Machado. Lisboa: Relógio D’Água, 2000. p. 9-29.

HOUAISS, Antonio. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Objetiva, 2009. 1 CD-ROM.

ISER, Wolfgang. O jogo do texto. In: LIMA, Luiz Costa. A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Trad. Luiz Costa Lima. 2. ed. Rio de Janeiro: 1979. p. 105-118.

ROSSET, Clément. O real e seu duplo: ensaio sobre a ilusão. Trad. José Thomaz Brum. Porto Alegre; São Paulo: L&PM, 1988.

VIANA, Antonio Carlos. Cara de boneca. In: VIANA, Antonio Carlos _____. Jeito de matar lagartas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. p. 45-49.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.27.1.287-302

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Josalba Fabiana Santos



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.