Literatura e pintura: relações possíveis em Pathé-Baby, de António de Alcântara Machado / Literature and Painting: Possible Relations in Pathé-Baby, by António de Alcântara Machado

Lucas da Cunha Zamberlan

Resumo


Resumo: O artigo objetiva construir relações narrativo-pictóricas na obra Pathé-Baby, do escritor modernista António de Alcântara Machado. Para tanto, utilizamos um aporte teórico que principia pela escolha de autores que contribuem para esse debate de uma forma diacrônica, como Litchtenstein e Gonçalves, mas também de críticos de arte atrelados ao Modernismo e seus antecedentes, como Aumont, Serullaz e Fauchereau. A partir dos resultados obtidos, compreendemos, de um lado, de que forma as potências literariamente imagéticas de Pathé-Baby, indissociáveis do cinema, estabelecem vínculos com a pintura impressionista e, notadamente, com as vanguardas europeias; de outro, como um produto cultural, elaborado em linguagem verbal, constrói, a partir de suas especificidades estéticas, um intercâmbio fecundo com seu contexto artístico permeado de experimentalismos e atitudes renovadoras. Desse modo, avaliamos a natureza plural da narrativa em questão e sua capacidade de representar um mundo marcado por intensas transformações.

Palavras-chave: Pathé-Baby; António de Alcântara Machado; literatura; pintura.

Abstract: This article aims to build narrative-pictorial relations in the work Pathé-Baby, by the modernist writer António de Alcântara Machado. To that end, we use a theoretical framework that include authors who contribute to this debate from a diachronic perspective, such as Litchtenstein and Gonçalves, as well as art critics linked to Modernism and its antecedents, such as Aumont, Serullaz, and Fauchereau. From the results achieved we understand how the visual powers of Pathé-Baby, inseparable from cinema, establish ties with the Impressionist painting and especially with European vanguards. We also comprehend how a cultural product elaborated in verbal language builds from its aesthetic specificities a fruitful interchange with its artistic context, permeated by experimentalisms and renovating attitudes. Thus, we evaluate the plural nature of this narrative and its capacity to represent a world marked by intense transformations.

Keywords: Pathé-Baby; António de Alcântara Machado; literature; painting.


Palavras-chave


Pathé-Baby; António de Alcântara Machado; literature; painting; literatura; pintura.

Texto completo:

PDF

Referências


ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

AUMONT, Jacques. Lumière, “o último pintor impressionista”. In: ______. O olho interminável: cinema e pintura. São Paulo: Cosac & Naify, 2004. p. 25-46.

BALLET mécanique. Direção de Fernand Léger e Dudley Murphy. Produção de André Charlot. Paris: Synchro-Ciné, 1924.

BALZI, Juan José. Impressionismo. São Paulo: Claridade, 2009.

CHIPP, Herschel Browning. Teorias da arte moderna. Tradução de Waltensir Dutra. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

FAUCHEREAU, Serge. O Cubismo: uma revolução estética: nascimento e expansão. Tradução de Marcela Vieira e Julia Vidile. São Paulo: Estação Liberdade, 2015.

GONÇALVES, Aguinaldo. Ut pictura poesis: uma questão de limites. Revista USP, São Paulo, n. 3, p. 177-184, 1989.

HUMPHREYS, Richard. Futurismo. Tradução de Luiz Antônio Araújo. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

LÉGER, Fernand. Funções da pintura. Tradução de Eduardo Barão. São Paulo: Nobel, 1989.

LICHTENSTEIN, Jacqueline. A pintura. Tradução de Magnólia Costa. São Paulo: Editora 34, 2005. v. 7: o paralelo das artes.

MACHADO, António de Alcântara. Pathé-Baby: edição fac-similar comemorativa dos 80 anos da Semana de Arte Moderna (1922-2002). Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Garnier, 2002.

SCHWARTZ, Jorge. Vanguarda e cosmopolitismo. São Paulo: Perspectiva, 1983.

SERULLAZ, Maurice. O Impressionismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1989.

TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda europeia & Modernismo brasileiro: apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

UNE partie de campagne. Direção e produção de Jean Renoir. Paris: Panthéon Production, 1936.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.27.3.219-235

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Lucas da Cunha Zamberlan



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.