Sobre o caderno de Janmari e a sobrevida das linhas — de fuga / On the notebook of Janmari and the afterlife of lines — of flight

Adriana Bolite Frant

Resumo


Resumo: O presente artigo busca investigar algumas propostas teórico-artísticas de Fernand Deligny, articulando o seu pensamento com o de Jacques Derrida. Para tanto, pretende-se abordar o caderno de Janmari, uma criança acolhida pela rede criada por Deligny em Cevenas, que, apesar ser uma criança muda e autista, ainda assim possuía, segundo Deligny, a mão fértil em linhas. O gesto escritural de Janmari é retomado a partir da leitura operada pelo próprio Deligny, que vê aí uma correspondência entre estas linhas com as linhas de mesmo feitio produzidas pelo chefe dos índios Nambiquara em seu encontro com Lévi-Strauss, de acordo com seu relato em “lição de escrita”. Em suma, este artigo busca pensar as consequências políticas e ontológicas de tomarmos os rastros de gestos de povos ameríndios e de crianças autistas como propulsores de uma outra noção de escrita.
Palavras-chave: linha de errância; linha de fuga; gesto; escrita; Fernand Deligny.

Abstract: This article aims to investigate some of the theoretical and artistic proposals of Fernand Deligny, articulating his line of thought with that of Jacques Derrida. To that end, I intend to approach Janmari’s notebook, a child welcomed by the network created by Deligny in the Cévennes, who, despite being a dumb and autistic child, was considered a skillful handwriter by Deligny. Janmari’s scriptural gesture is approached based on the reading of his lines, proposed by Deligny himself. He sees a correspondence between these lines and the lines of the same kind produced by the chief of the Nambiquara Indians in his encounter with Levi-Strauss, according to his account in “Writing lesson”. In short, this article attempts to address the political and ontological consequences of taking the traces of gestures of Amerindian peoples and autistic children as triggers to another notion of writing.
Keywords: wander line; line of flight, gesture, writing; Fernand Deligny.


Palavras-chave


wander line; line of flight, gesture, writing; Fernand Deligny

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. The Use of Bodies. Redwood City, CA: Stanford University Press, 2015. (Homo Sacer IV, 2)

BARTHES, Roland. Como viver junto. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BASTIDE, Bernard. Correspondance François Truffaut-Fernand Deligny. 1895 – Mille Huit Cent Quatre-Vingt-Quinze, Paris, v. 42, p. 77-110, 2004. Disponível em: https://journals.openedition.org/1895/281. Acesso em: abr. 2018.

BORGES, Jorge Luis. Obras completas: 1952-1972. Rio de Janeiro: Globo, 1999. v. 2.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac & Naify, 2015.

CE gamin, là (Fernand Deligny & Renaud Victor, 1975). Youtube. Publicado por Straubinger Fundazioak, 18 maio 2013 . Vídeo (54 min.), son., p&b. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=i20VWKO9Sdk&t=2276s. Acesso em: abr. 2018.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.

DELIGNY, Fernand Voix et voir. Recherches, n. 18, 1975, p. 7-17. Disponível em: http://www.editions-recherches.com/revue/extraits/extrait_18.pdf. Acesso em abr. 2018.

DELIGNY, Fernand. O aracniano. São Paulo: N-1 Edições, 2015.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1999.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

DERRIDA. Jacques. Torres de Babel. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006.

DURAND, Gizéle. Journal de Janmari. Paris: Éditions L’Arachnéen, 2016. Disponível em: https://www.cemea.asso.fr/IMG/pdf/Deligny-Journal_de_Janmari-L_Arachneen_avril_2013.pdf. Acesso em: abr. 2018.

GLOWCZEWSKI, Barbara. Devires totêmicos: cosmopolítica dos sonhos. Tradução de Jamille Pinheiro e Abrahão de Oliveira Santos. São Paulo: N-1 Edições, 2015.

GUATTARI, Félix. Caosmose. Rio de Janeiro: Editora 34, 2012.

INGOLD, Tim. Lines: A Brief History. London: Routledge, 2007.

KRTOLICA, Igor. La “Tentative” des Cévennes: Deligny et la question de l’instituition. Chimères, n. 72, p. 73-97, 2010.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. São Paulo: Anhembi, 1957.

LIN, Jacques. La Vie de radeau: le réseau Deligny au quotidien. Paris: Le Mot et le Reste, 2007.

MIGUEL, Marlon. À la marge hors-champ: l’humain dans la pensée de Fernand Deligny. 2016. 617 f. Tese (Doutorado em Arts Plastiques et Philosophie) – École Doctorale Esthétique, Sciences et Technologie des Arts, Université Paris 8, Paris; Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

MIGUEL, Marlon. Guerrilha e resistência em Cévennes: a cartografia de Fernand Deligny e a busca por novas semióticas deleuzo-guattarianas. Revista Trágica, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 57-71, 2015.

PELBART, Peter Pál. Linhas erráticas. In: ______. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. São Paulo: N-1 Edições, 2013. p. 299-333.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.28.2.69-84

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Adriana Bolite Frant

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.