Derivas, nomadismos e perambulações urbanas: Lugar público, de José Agrippino de Paula, em diálogo com as artes / Drifts, nomadisms and urban perambulations: Lugar público, by José Agrippino de Paula, in dialogue with the arts

Michel Mingote Ferreira de Azara

Resumo


Resumo: José Agrippino de Paula, cujo PanAmérica (1967) despontou como referência importante do movimento da Tropicália, ao trazer para a literatura o universo da cultura de massa e do mundo pop, lançara, dois anos antes, um livro inquietante e totalmente radicado no espaço urbano, intitulado Lugar público (1965). Os personagens, em constante trânsito pela cidade, caminham sem rumo certo, o que leva a cidade a ser configurada como um labirinto acêntrico, sem ponto de partida e nem ponto de chegada. Em seus movimentos paradoxais, eles reinventam o espaço urbano e apresentam novas formas de reapresentar e narrar o espaço público. Dessa forma, propomos um diálogo entre o romance de De Paula e algumas manifestações artísticas tais como a dança de Merce Cunningham e Pina Bausch, o Situacionismo, o grupo de arquitetos Archigram e a pintura de Mondrian.
Palavras-chave: espaço urbano; José Agrippino de Paula; literatura brasileira contemporânea; dança; arquitetura.

Abstract: José Agrippino de Paula – whose work PanAmérica (1967) emerged as an important reference of the Tropicália movement, bringing the universe of mass culture and pop world to literature – had published, two years befose, a disturbing book, entitled Lugar público (1965), which was completely grounded in urban spaces. The characters, constantly in transit around the city, walk aimlessly, resulting in a city that is configured as an a-centric labyrinth, without a point of departure or point of arrival. In their paradoxical movements, they reinvent the urban space and present new ways of re-presenting and narrating the public space. Thus, we propose a dialogue between De Paula’s novel and some artistic manifestations, such as the dance of Cunningham and Pina Bausch, Situationism, the group of Archigram architects and the painting of Mondrian.
Keywords: urban space; José Agrippino de Paula; contemporary Brazilian literature; dance; architecture.


Palavras-chave


Literatura comparada; Arte contemporânea; Espaço urbano

Texto completo:

PDF

Referências


BERENSTEIN, Paola Jaques (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Tradução de Epharim Ferreira Alvez. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. v. 1: artes de fazer.

COLLOT, Michel. La Pensée-paysage. Arles: Actes Sud; École Nationale Supérieure du Paysage, 2011.

CONSTANT, Benjamin Nieuwenhuys. La Nueva Babilonia. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2009.

DEBORD, Guy. Teoria da deriva. In: BERENSTEIN, Paola Jaques (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. http://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/04.048/585. Acesso em: 25 nov. 2017.

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o barroco. São Paulo: Papirus, 1991.

DELEUZE, Gilles. A imanência: uma vida. Tradução de Alberto Pucheu e Caio Meira. [S.l.]: [s.n.], 1995. Disponível em: http://www.letras.ufrj.br/ciencialit/terceiramargemonline/numero11/xiii.html. Acesso em: 25 nov. 2017.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução de Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.

GIL, José. Movimento total: o corpo e a dança. São Paulo: Iluminuras, 2002. (Coleção Políticas da Imanência)

GIL, José. O imperceptível devir da imanência: sobre a filosofia de Deleuze. Lisboa: Relógio d’Água, 2008.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1999.

JENCKS, Charles. Mouvements modernes en architecture. Bruxelles: Mardaga, 1973.

KAFKA, Franz. O castelo. Tradução de Modesto Carone. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

LASCH, Christopher. O mínimo eu: sobrevivência psíquica em tempos difíceis. São Paulo: Brasiliense, 1986.

PAULA, José Agrippino de. Lugar público. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

PEYRONIE, André. Labirinto. In: BRUNEL, Pierre (Org.). Dicionário de mitos literários. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998. p. 555-581.

ROSENFELD, Anatol. Reflexões sobre o romance moderno. In: ______. Texto e contexto. São Paulo: Perspectiva, 1996. v. I, p. 75-97.

SILVA, Marcos Solon Kretli da. Redescobrindo a arquitetura do Archigram. Revista Arquitextos, [S.l.], ano 4, 2004. Não paginado. Disponível em: http://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/04.048/585. Acesso em: 15 nov. 2017.

SIMMEL, Georg. As grandes cidades e a vida do espírito (1903). Mana, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 577-591, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/mana/v11n2/27459.pdf. Acesso em: 15 jul. 2017.

VASCONCELOS, Maurício. José Agrippino de Paula. SIBILA – Revista de Poesia e Crítica Literária, [S.l.], 31 mar. 2010. Crítica. Não paginado. Disponível em: http://sibila.com.br/critica/jose-agrippino-de-paula/3504. Acesso em: 27 set. 2017.

VIANA, Marcelo Andrade. Estilhaçamentos espelhados: o narrador, os espaços da narrativa e a cidade em Lugar público, de José Agrippino de Paula. 2012. 115 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/ECAP-8UXJBB. Acesso em: 27 set. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.28.2.15-34

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Michel Mingote Ferreira de Azara

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.