Homologias formais entre espaço natural e linguagem literária: estudo sobre Os sertões

Marcos Rogério Cordeiro

Resumo


Resumo: Este artigo é dedicado ao estudo de Os sertões de Euclides da Cunha com o objetivo de analisar e interpretar como o autor criou uma linguagem apropriada para representar e expressar o espaço natural. Parte-se da idéia de que Euclides identificou uma semelhança entre os modos de formação e transformação das formas naturais e os plasmou como modos de formação e transformação da linguagem literária, encontrando, assim, uma maneira de mimetizar a linguagem da natureza.

Palavras-chave: literatura; ciência; mimese.

Résumé: Cet article est dédié à l’étude de Os sertões de Euclides da Cunha ayant par but analyser et interpréter comment l’auteur a crée un langage approprié pour représenter et exprimer l’espace naturel. On part de l’idée que Euclides a identifié une ressemblance entre les moyens de formation et de transformation des formes naturelles et les a platré comme moyens de formation et de transformation du langage littéraire, trouvant, ainsi, une manière de mimer le langage de la nature.

Mots-clés: littérature; science; mimèse.


Palavras-chave


literatura; ciência; mimese; littérature; science; mimèse.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Olímpio de Souza. História e interpretação de Os sertões. São Paulo: Edart, 1960.

ARISTÓTELES. Física. Madrid: Gredos, 1995.

ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Abril, 1973. (Coleção Os pensadores).

ARMELLA, Virginia Aspe. El concepto de técnica, arte y producción en la filosofía de Aristóteles. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.

BERNUCCI, Leopoldo M. A imitação dos sentidos: prógonos, contemporâneos e epígonos de Euclides da Cunha. São Paulo: Edusp, 1995.

CUNHA, Euclides da. Os sertões. In: COUTINHO, Afrânio (Org.). Obra completa. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1966. v. 2.

GOETHE, Johann Wolfgang. Máximas y reflexiones. In: CANSINOS-ASSÉNS, Rafael (Org.). Obras completas. Trad. Rafael Cansinos Asséns. Madrid: Aguilar, 1957. v. 1, p. 303-427.

GOETHE, Johann Wolfgang. Teoria de los colores. In: CANSINOS-ASSÉNS, Rafael (Org.). Obras completas. Trad. Rafael Cansinos Asséns. Madrid: Aguilar, 1957. v. 1, p. 440-664.

HUMBOLDT, Alexander von. Cosmos: sketch of physical description of universe. Baltimore: John Hopkins University Press, 1997. 2 v.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

LIMA, Luiz Costa. Terra ignota: a construção de Os sertões. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

LINS, Ivan. História do positivismo no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1964.

ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. 7. ed. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: INL, 1980. 5 v.

SCHELLING, Friedrich von. Système de l’idéalisme transcendantal. Paris: Pléiade, 1987.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

VELOSO, Cláudio William. Aristóteles mimético. São Paulo: Discurso Editorial, 2004.

ZILLY, Berthold. A guerra como painel e espetáculo: a história encenada em Os sertões. Revista História, Ciências e Saúde, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 13-37, jul.-out. 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.15.1.33-46

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2007 Marcos Rogério Cordeiro



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.