Espaço literário, percepção e perspectiva

Paulo Astor Soethe

Resumo


Resumo: O artigo fundamenta a abordagem do espaço literário como elemento composicional particularmente atento à percepção do entorno pelas personagens. Define espaço literário e revisita, sob esse aspecto, o motivo da travessia no romance Grande sertão: veredas.

Palavras-chave: espaço literário; percepção; literatura e ética; Guimarães Rosa.

Resumen: El artículo fundamenta el abordaje del espacio literario como elemento composicional particularmente atento a la percepción del entorno por los personajes. Define espacio literario y analisa una vez más, bajo ése aspecto, el motivo de la travesía en la novela Grande sertão: veredas.

Palabras-clave: espacio literário; percepción; literatura y ética; Guimarães Rosa.


Palavras-chave


espaço literário; percepção; literatura e ética; Guimarães Rosa; espacio literário; percepción; literatura y ética.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSERT, Bodo. Der Raum in der Erzählkunst. Wandlungen der Raumdarstellung in der Dichtung des 20. Jahrhunderts. 1973. 300 f. Tese (Doutoramento) – Universidade Tübingen, 1973.

BRANDÃO, Luis Alberto. Breve história do espaço na teoria da literatura. Cerrados, Brasília, n. 19, p.115-134, 2005.

BRANDÃO, Luis Alberto. Tablados. Rio de Janeiro: 7Letras, 2004.

COSTA, Marta Morais da. (A) Claráguas ou a simbologia do elemento aquático em

Grande sertão: veredas. Estudos Brasileiros, v. 3, n. 4, p. 231-258, 1977.

GALVÃO, Walnice Nogueira. Metáforas náuticas. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, v. 41, p. 123-130, 1996.

HILLEBRAND, Bruno. Mensch und Raum im Roman. Studien zu Keller, Stifter, Fontane. Mit einem einführenden Essay zur europäischen Literatur. München, 1971.

KOEHLER, Jaqueline. Lugar sertão se divulga: é onde a cidade carece de fechos. (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

KUSCHEL, Karl- Josef. Im Spiegel der Dichter. Mensch, Gott und Jesus in der Literatur des 20. Jahrhunderts. Düsseldorf: Patmos, 1997.

MANDRY, Literatur ohne Moral. Literaturwissenschaft und Ethik im Gespräch. Münster: LIT, 2003.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

ROCHE, Mark William. Die Moral der Kunst. Über Literatur und Ethik. Beck, 2002.

ROSA, João Guimarães. Ficção completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994. v. 2.

SOETHE, Paulo Astor. Sobre a sátira: contribuições da teoria literária alemã na década de 60. Fragmentos, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. 7-27, jan.-jun. 1998.

SOETHE, Paulo Astor. Thomas Mann e Guimarães Rosa: montanha e sertão do tamanho do mundo. In: KESTLER et al. Estudos anglo-germânicos em perspectiva. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras da UFRJ, 2002. p. 29-41.

SPAEMANN, Robert. Felicidade e benevolência: ensaio sobre ética. Trad. Paulo Astor Soethe. São Paulo: Loyola, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.15.1.221-229

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2007 Paulo Astor Soethe



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.