Estudos literários no Brasil: frestas para uma crítica da experiência / Literary Studies in Brazil: Windows for a Critique of Lived Experience

Ligia Gonçalves Diniz

Resumo


Resumo: Neste artigo, apresento uma análise de abordagens contemporâneas da crítica literária brasileira, com vistas à abertura do campo a uma abordagem que se centre na experiência afetiva de leitura. A história da teoria e crítica literária brasileira das últimas décadas pode ser contada, em boa parte, pela tensão entre a defesa de uma literatura mimética ou social e uma produção mais voltada à forma e aos “segredos” da linguagem, sobrando pouco espaço para uma leitura de imaginação. Procuro pensar, assim, se a produção acadêmica contemporânea está de alguma forma preocupada, ou abre espaço para se pensar a literatura a partir de seu público real e potencial: leitores não profissionais e leitores em formação.

Palavras-chave: crítica literária; imaginação; leitura; experiência estética.

Abstract: In this paper, I present an analysis of contemporary approaches to literary criticism in Brazil, aiming to open the field to an approach centred on the affective experience of reading. The history of Brazilian literary studies has been known to oscillate between the defense of a mimetic or socially driven literature and the tendency to praise literary form and the “secrets” of literary language, leaving little room for an approach that centers on the imagination as triggered by fiction and poetry. I aim to look upon the contemporary critic production in search for ways of thinking about literature that have in mind real and potential readers, those that are not professional and that are in training.

Keywords: literary criticism; imagination; reading; aesthetic experience.


Palavras-chave


crítica literária; imaginação; leitura; experiência estética; literary criticism; imagination; reading; aesthetic experience.

Texto completo:

PDF

Referências


AUGUSTO de Lima, R. Autoficção e experiência em O pai da menina morta, de Tiago Ferro. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, v. 57, p. 1-14, 2019.

BINES, Rosana Kohl. Assombrações da infância com Boltanski e Benjamin. Alea: Estudos Neolatinos, v. 17, p. 227-245, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1517-106X/172-227.

BINES, Rosana Kohl. Por que não fechar os livros de Rawet?. In: BINES, Rosana Kohl; CHIARELLI, Stefania; MATA, Anderson da (org.). Rawet em Diálogo. Campinas: Pontes, 2019, p. 15-38.

BOSI, Alfredo. Entrevista sobre crítica literária. In: CORDEIRO, Sergio et al. (org.). A crítica literária brasileira em perspectiva. Cotia: Ateliê Editorial, 2013, p. 307-314.

CAMPOS, Augusto de. Introdução à 2. ed. In: CAMPOS, Augusto de; PIGNATARI, Décio; CAMPOS, Haroldo de. Teoria da poesia concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. Cotia: Ateliê Editorial, 2006, p. 13-18.

CAMPOS, Haroldo de. Por uma poética sincrônica. A arte no horizonte do provável. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1977, p. 205-224.

CEVASCO, Maria Elisa. Formas trabalhando formas: a crítica literária segundo Roberto Schwarz. In: CORDEIRO, Sergio et al. (org.). A crítica literária brasileira em perspectiva. Cotia: Ateliê Editorial, 2013, p. 265-298.

DEL SARTO, Ana; RÍOS, Alicia; TRIGO, Abril (org.). The Latin American Cultural Studies Reader. Durham, London: Duke University Press, 2004.

DINIZ, Ligia G.; NAKAGOME, Patricia (org.). Dossiê Leitura e Experiência. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 57, p. 1-9, 2019. Doi: https://doi.org/10.1590/2316-4018571.

LIMA, Luiz Costa. A praga do beletrismo. Eutomia, v. 1, n. 4, p. 1-9, 2009. Disponível em: http://www.repositorios.ufpe.br/revistas/index.php/EUTOMIA/article/view/1805/pdf. Acesso em: 4 mar. 2014.

LIMA, Luiz Costa. Frestas: a teorização em um país periférico. Rio de Janeiro: Contraponto, Editora PUC-Rio, 2013.

LIMA, Luiz Costa. Mímesis: desafio ao pensamento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

MATA, Anderson Luís Nunes da. Ficções: Machado de Assis, personagem de Silviano Santiago. In: DALCASTAGNÈ, Regina; LICARIÃO, Bertonni; NAKAGOME, Patrícia (org.). Literatura e resistência. Porto Alegre: Zouk, v. 1, 2018, p. 161-171.

MOREIRAS, Alberto. The Exhaustion of Difference: the politics of Latin American cultural studies. Durham, London: Duke University Press, 2001. Doi: https://doi.org/10.1215/9780822380597.

MOTA, Lia Duarte. Um corpo de leitura. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 57, p. 1-9, 2019. Doi: https://doi.org/10.1590/2316-40185715.

MOTA, Lia Duarte. Uma poética da ferida aberta: leitura-resistência em João Gilberto Noll. In: PORTO, Ana Paula Teixeira; PEREIRA, Cilene Margarete; DEFILIPPO, Juliana Gervason (org.). Leituras da Literatura Brasileira Atual (1990-2018). Rio de Janeiro: Multifoco, v. 1, 2018, p. 164-185.

MOTTA, Leda Tenório da. Sobre a crítica literária brasileira no último meio século. Rio de Janeiro: Imago, 2002.

NODARI, Alexandre. A literatura como antropologia especulativa. Revista da Anpoll, v. 38, 2015, p. 75-85. Doi: https://doi.org/10.18309/anp.v1i38.836.

PÉCORA, Alcir. A musa falida. Peixe Elétrico, n. 1, 2015, p. 38-66.

PÉCORA, Alcir. Impasses da literatura contemporânea. O Globo, Rio de Janeiro, 23 abr 2011. Disponível em: http://blogs.oglobo.globo.com/prosa/post/impasses-da-literatura-contemporanea-por-alcir-pecora-376085.html. Acesso em: 23 jun. 2016.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas literaturas: escolha e valor na obra crítica de escritores modernos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PUCHEU, Alberto. Dois críticos, para que servem? O amante da literatura. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2010, p. 79-90. Doi: https://doi.org/10.1590/S1517-106X2010000200005.

PUCHEU, Alberto. Pelo colorido, para além do cinzento (quase um manifesto). Pelo colorido, para além do cinzento (A literatura e seus entornos interventivos). Rio de Janeiro: Azougue. 2007, p. 10-26.

PUCHEU, Alberto. Uma tese sobre a crítica literária brasileira (por uma crítica poética). Apoesia contemporânea. Rio de Janeiro: Azougue, 2015, p. 155-182.

RESENDE, Beatriz. Estudos literários, estudos nacionais, estudos culturais: reflexões em diálogo. Semear, n. 10, 2004. Não paginado. Disponível em: http://www.letras.puc-rio.br/unidades&nucleos/catedra/revista/10Sem_08.html. Acesso em: 2 jul. 2016.

ROCHA, João Cezar de Castro. Considerações sobre a crítica literária. Celeuma, v. 2, n. 4, p. 24-43, 2014. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.2318-7875.v2i4p24-43.

ROCHA, João Cezar de Castro. Crítica literária: em busca do tempo perdido? Chapecó: Argos, 2011.

RODRIGUES, Sérgio. A crítica de mal com a literatura. Todo Prosa, 2010. Disponível em: http://todoprosa.com.br/a-critica-de-mal-com-a-literatura/. Acesso em: 5 jan. 2016.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SCHOLLHAMMER, Karl Erik. Além do visível: o olhar da literatura. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

SCHOLLHAMMER, Karl Erik. Realismo afetivo: evocar realismo além da representação. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 39, p. 129-148, 2012. Doi: https://doi.org/10.1590/S2316-40182012000100008.

SCHWARZ, Roberto. As ideias fora do lugar. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 5. ed. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2000, p. 9-32. (Coleção Espírito Crítico)

STEVENS, Wallace . Imagination as Value. The Necessary Angel: Essays on Reality and the Imagination. New York: Alfred A. Knopf, 1951, p. 131-156.

SÜSSEKIND, Flora. A crítica como papel de bala. In: CORDEIRO, Sergio et al. (org.). A crítica literária brasileira em perspectiva. Cotia: Ateliê Editorial, 2013, p. 299-306.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.29.3.189-208

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ligia Gonçalves Diniz

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.