O efêmero e o fait divers na crônica de João do Rio / The Ephemeral and fait divers in João do Rio's Chronicles

Gilda Vilela Brandão

Resumo


Resumo: Este artigo examina a posição de João do Rio (1881-1921) a partir da visão que ele próprio tinha de seu ofício e de sua época. Baseada em crônicas extraídas dos volumes Cinematógrafo: (crônicas cariocas) (1909), Vida vertiginosa (1911), Psicologia urbana (1911), As religiões no Rio (1951) e A alma encantadora das ruas (1952), mostro que – em meio a uma configuração urbana polarizada entre o utopos e o distopos –, João do Rio, na tentativa de apreender esses loci polarizados, aciona dois modos de apresentação inovadores: o efêmero (Baudelaire, 1988) e o fait divers (Barthes, 1970). Para definir o gênero crônica, parto de Gilberto Amado (1956), Luiz Edmundo (1958) e Antonio Candido (1992). As considerações de Florestan Fernandes (1960), Afonso Arinos de Melo Franco (1973) e Nicolau Sevcenko (1983) são essenciais para o entendimento do contexto histórico da época.

Palavras-chave: João do Rio; crônica; efêmero; fait divers.

Abstract: The purpose of this paper is to examine the position of João do Rio (1881-1921) based on the way himself viewed his work and his time. By studying the volumes Cinematographo: (crônicas cariocas) (1909), Vida vertiginosa (1911), Psicologia urbana (1911), As religiões no Rio (1951) e A alma encantadora das ruas (1952) I demonstrate that – amidst a polarized urban configuration between utopos and distopos – João do Rio, aiming to incorporate these polarized loci, activates two innovative modes of representation: ephemeral (Charles Baudelaire, 1988) and fait-divers (Roland Barthes, 1970). In order to situate the essay as a genre, I use, as theoretical foundation, studies by Gilberto Amado (1956), Luiz Edmundo (1958) and Antonio Candido. (1992). Writers Florestan Fernandes (1960), Afonso Arinos de Melo Franco (1973) and Nicolau Sevcenko (1983) propel a discussion on understanding the historical context of the time.

Keywords: João do Rio; chronicle; ephemeral; fait-divers.


Palavras-chave


João do Rio; crônica; efêmero; fait divers; chronicle; ephemeral.

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, Gilberto. João do Rio. In: Mocidade no Rio e primeira viagem à Europa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956. p. 44-65.

BARRETO, Lima. Os heróis. In: ______. Os Bruzundungas (sátira). São Paulo: Brasiliense, 1956, p. 106.

BARTHES, Roland. Estrutura da notícia. In: ______. Crítica e verdade. Tradução de Leyla Perrone-Moysés. São Paulo: Perspectiva, 1970. p. 57-67.

BAUDELAIRE, Charles. O pintor da vida moderna. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Tradução de Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BROCA, Brito. A vida literária – 1900. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1960. p. 277-281.

CANDIDO, Antonio. A vida ao rés-do-chão. In: ______. A crônica, seu gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. São Paulo: Unicamp; Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1992. p. 13-22.

CANDIDO, Antonio. Radicais de ocasião. In: ______. Teresina etc. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1980. p. 83-94.

DIMAS, Antonio. Tempos eufóricos - análise da Revista Kosmos - 1904-1909. São Paulo: Ática, 1983.

EDMUNDO, Luiz. João do Rio. In: ______. De um livro de memórias. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1958. p. 561-567, v. II.

FERNANDES, Florestan. Obstáculos extra-econômicos à industrialização do Brasil. In: ______. Mudanças sociais do Brasil. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1960. p. 53-83.

FRANCO, Afonso Arinos de Melo. Rodrigues Alves: apogeu e declínio do presidencialismo. Rio de Janeiro: José Olympio; São Paulo: Universidade de São Paulo, 1973. p. 306-360, v.1, livro IV, cap. segundo.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 2. ed. Tradução de Célia Neves e Alderico Toríbio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

MACHADO DE ASSIS, José Maria. Aquarelas. In: ______. Balas de estalo & crítica. São Paulo: Global, 1997. p. 138-156.

PRADO, Antonio Arnoni. Mutilados da belle-époque: Notas sobre as reportagens de João do Rio. In: SCHWARZ, Roberto (org.). Os pobres na literatura. São Paulo: Brasiliense, 1988. p. 68-72.

RIO, João do. A alma encantadora das ruas. Rio de Janeiro: Simões, 1952a.

RIO, João do. As religiões no Rio. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1952b.

RIO, João do. Cinematógrafo: (crônicas cariocas). Porto: Chardron, 1909.

RIO, João do. Psicologia urbana. (crônicas). Rio de Janeiro: Garnier, 1911b.

RIO, João do. Rosário da ilusão. Lisboa: Sociedade Editora; Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana/ Livraria Francisco Alves, 1921.

RIO, João do. Vida vertiginosa. Rio de Janeiro: Garnier, 1911a.

RODRIGUES, João Carlos. João do Rio: catálogo bibliográfico 1899-1921. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura/Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, 1994.

SANT’ANA, Affonso Romano. Esaú de Jacó. In: ______. Análise estrutural de romances brasileiros. 4. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1977. p. 117-152.

SEVCENKO, Nicolau. A literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SLOTERDIJK, Peter. L’utopie a perdu son innocence. Magazine littéraire, Paris, n. 387, p. 54-57, mai. 2000.

SÜSSEKIND, Flora. Cinematógrafo de letras: literatura, técnica e modernização no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.29.2.103-118

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Gilda Vilela Brandão

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.