Sobre a dificuldade de nomear a produção do presente: Rancière e Laddaga e os regimes das artes / On the Difficulty of Naming a Production of the Present: Rancière and Laddaga and the Regimes of the Arts

Ieda Magri

Resumo


Resumo: Este artigo propõe uma reflexão sobre algumas formas de pensar e nomear a produção artístico-literária do presente a partir do texto “Em que tempo vivemos?” de Jacques Rancière. Assim, buscamos respostas às implicações de se pensar o tempo em que vivemos como um tempo pós. Um tempo que, para Rancière, precisa ser visto como não-homogêneo, um tempo em que se produz rupturas e intervalos, fazendo deixar de coincidir o tempo global e o tempo individual da pessoa. Para Rancière, o nosso tempo pós, no que diz respeito ao modo de ler a história da arte, ainda é o tempo do Regime Estético, que sucedeu outros dois Regimes, o Ético e o Poético ou Representativo. Reinaldo Laddaga, argentino radicado nos EUA, discorda de Rancière e vê ruptura onde este vê continuidade. Assim, para Laddaga, depois do Regime Estético, teríamos entrado no que ele chama de Regime Prático das Artes. Essa discussão nos faz ver o que esses termos representam em contraposição à ideia de Modernismo e Pós-modernismo.

Palavras-chave: literatura contemporânea; modernidade; pós-modernidade; contemporâneo; regimes das artes; Rancière; Laddaga.

Abstract: We propose a reflection on some ways of thinking and naming artistic-literary production of the present from the text “In what time do we live?”, by Jacques Rancière. Thus, we seek answers to the implications of thinking about the time in which we live as a post time. A time that, for Rancière, must be seen as non-homogeneous, a time in which ruptures and intervals occur, making the global time and individual time not matching once again. For Rancière, our post time, as far as the way of reading art history is concerned, is still the time of the Aesthetic Regime, which succeeded other two Regimes, the Ethical and the Poetic or Representative. Reinaldo Laddaga, an Argentinean who settled in the USA, disagrees with Rancière and sees rupture where he sees continuity. Thus, for Laddaga, after the Aesthetic Regime, we would have entered what he calls the Practical Regime of the Arts. This discussion makes us see what these terms represent in contrast to the idea of Modernism and Postmodernism.

Keywords: contemporary literature; modernity; postmodernity; contemporary; regimes of the arts; Rancière; Laddaga.


Palavras-chave


literatura contemporânea; modernidade; pós-modernidade; contemporâneo; regimes das artes; Rancière; Laddaga; contemporary literature; modernity; postmodernity; contemporary; regimes of the arts.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

CONTRERAS, Sandra. En torno al realismo y otros ensayos. Rosário: Nube Negra ediciones, 2018.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Tradução de Vera Casa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

KNORR CETINA, Karin. Transitions in knowledge societies. In: BENRAFEL, Eliezer; STERNBERG, Itzak (ed.). Identity, Culture and Globalization. Amsterdam: Brill, 2001.

KNORR CETINA, Karin; BRUGGER, Urs. The Market as an Object of Attachment: Exploring Postcolonial Relations in Financial Markets. Canadian Journal of Sociology, Edmonton, v. 25, n. 2, p. 141-168, 2000.

LADDAGA, Reinaldo. Espectáculos de realidad: Ensayo sobre la narrativa latinoamericana de las dos últimas décadas. Rosario: Beatriz Viterbo Editora, 2007.

LADDAGA, Reinaldo. Estética da emergência: a formação de outra cultura das artes. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

LADDAGA, Reinaldo. Estética de laboratório: estratégias das artes do presente. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

LUDMER, Josefina. Aquí América latina: Una especulación. Buenos Aires: Eterna Cadencia Editora, 2010.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Tradução de Mônica Costa Neto. São Paulo: Editora 34, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. Em que tempo vivemos? Tradução de Donaldson M. Garschagen. Revista Serrote, São Paulo, n. 16, p. 203-222, mar. 2014.

RANCIÈRE, Jacques. O dissenso. Tradução de Paulo Neves. In: NOVAES, Adauto. A crise da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. Tradução de Ivone C. Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

RANCIÈRE, Jacques. Política da literatura. Tradução de Renato Pardal Capistrano. A!, Rio de Janeiro, v. 5, n. 5, p. 110-131, jan./jul. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.29.3.229-248

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ieda Magri

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.