Escrever a vida, corte oblíquo / Writing Life: Oblique Cut

João Guilherme Dayrell

Resumo


Resumo: O presente artigo parte da constatação do filósofo Emanuele Coccia de que a biografia constitui a base cultural do Ocidente, o que implica a crença na plena coincidência entre lei e vida. A partir de um debate envolvendo a filósofa Hannah Arendt ampliaremos os alcances da supracitada paridade para evidenciar como nela se inscreve a dialética natureza e cultura e, por fim, reivindicaremos o “corte oblíquo” identificado por Silviano Santiago nas obras O amanuense Belmiro, de Cyro dos Anjos, e Água viva, de Clarice Lispector, como possível alternativa à citada lógica. Isto pois, em ambos os textos, como mostraremos, temos questionadas as condições da biografia, do cristianismo, do humanismo e, por fim, do próprio romance, da própria literatura.

Palavras-chave: biografia; Clarice Lispector; Cyro dos Anjos; vida; literatura.

Abstract: This article takes as starting point the Emanuele Coccia’s finding that the biography is the cultural base of the West, which implies a belief in full coincidence between law and life. From a debate involving the philosopher Hannah Arendt we will extend the implications of this parity to show how the dialectic nature and culture it’s present in it. Finally we will reclaim the “oblique cut” identified by Silviano Santiago in the works O amanuense Belmiro by Cyro dos Anjos and Água viva by Clarice Lispector as an alternative to said logic. This because in both texts have questioned the biography, christianity, humanism and novel/literature’s conditions.

Keywords: biography; Clarice Lispector; Cyro dos Anjos; life; literature.


Palavras-chave


biography; Clarice Lispector; Cyro dos Anjos; life; literature.

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, Cyro dos. O amanuense Belmiro. Belo Horizonte: Livraria Garnier, 2002.

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer. O poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Burigo. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

AGAMBEN, Giorgio. Ideia da prosa. Tradução de João Barrento. Lisboa: Cotovia, 1999.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BENJAMIN, Walter. O narrador. In: ______. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras Escolhidas, 1).

COCCIA, Emanuele. O mito da biografia ou sobre a impossibilidade da teologia política. Outra Travessia, Florianópolis, n. 14, p. 7-21, 2. sem. 2012.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Devir-intenso, devir-animal, devir-imperceptível. In: ______. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2008. v. 4.

DERRIDA, Jacques. Seminario. La bestia y el soberano. Tradução de Cristina de Peretti e Delmiro Rocha. Buenos Aires: Manantial, 2010. v. I: 2001-2002.

DERRIDA, Jacques. Seminario. La bestia y el soberano. Tradução de Luis Ferrero, Cristina de Peretti e Delmiro Rocha. Buenos Aires: Manantial, 2011. v. II: 2002-2003.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988. v. I.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. O uso dos prazeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984. v. II.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. O cuidado de si. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985. v. III.

HEIDEGGER, Martin. Sobre o humanismo. Tradução de Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro, 2009.

HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os Pensadores).

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance. São Paulo: Editora 34, 2000.

NODARI, Alexandre. Fabricar o humano. Sopro. Panfleto político-cultural. Florianópolis, n. 50, maio 2011.

ROMANDINI, Fabián Javier Ludueña. La comunidad de los espectros. Buenos Aires: Mino y D’Avila Editores, 2010. v. I: Antropotecnia.

SANTIAGO, Silviano. A vida como literatura. O amanuense Belmiro. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem numa série de cartas. Tradução de Roberto Schwarz e Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.26.1.157-175

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 João Guilherme Dayrell



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.