Cartografar variedades de língua: código de linguagem e posicionamento

Bruno Deusdará, Décio Rocha, Poliana Coeli Costa Arantes

Resumo


Este artigo interroga verdades instituídas a respeito da noção de variedade linguística, propondo uma discussão que parte da perspectiva discursiva, em especial da noção de código de linguagem, que, segundo Maingueneau (2001), afasta-se de uma imagem monolítica de língua, apresentando-se como mais um dispositivo de construção de posicionamento(s) no campo discursivo, lidando com uma mescla de línguas em sua pluralidade de registros como modo de apropriação da linguagem. Como método, o estudo está pautado pela cartografia, reconhecendo sua produtividade na análise de um texto que reúne características do discurso literário e explicita sua afinidade com o tema da variação linguística. Os resultados alcançados evidenciam a impossibilidade de dissociação entre os usos linguísticos e o(s) posicionamento(s) que esses usos ajudam a instituir.

Palavras-chave


código de linguagem; posicionamento; cartografia; Patativa do Assaré.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

COLLING, L. O que perdemos com os preconceitos? CULT – Revista Brasileira de Cultura, São Paulo, Bregantini, n. 202, jun. 2015. Disponível em: http://revistacult.uol.com.br/ home/2015/06/o-que-perdemos-com-os-preconceitos/. Acesso em: 5 set. 2016.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs. Tradução de A. L. de Oliveira, A. G. Neto e C. P. Costa. São Paulo: Ed. 34, 2007. v. 1.

DUARTE, V. M. do N. Variações linguísticas. Brasil Escola, [s.d.]. Disponível em: http://brasilescola.uol.com.br/gramatica/variacoes-linguisticas.htm. Acesso em: 15 ago. 2016.

HORA, D. da; TELLES, S.; MONARETTO, V. N. O. português brasileiro: uma língua de metátese? Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 42, n. 2, p. 178-196, set. 2007.

MAINGUENEAU, D. Discurso literário. Tradução de Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2006.

MAINGUENEAU, D. O contexto da obra literária. Tradução de M. Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MAINGUENEAU, D.; COSSUTA, F. L’analyse des discours constituants. Langages, Paris, Larousse, v. 29, n. 117, p. 112-125, 1995.

NERY, A. Variações linguísticas: o modo de falar do brasileiro. UOL Educação, 26 mar. 2007. Pesquisa escolar. Disponível em: http://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/ variacoes-linguisticas-o-modo-de-falar-do-brasileiro.htm. Acesso em: 1 ago. 2016.

NIETZSCHE, F. Sobre verdade e mentira no sentido extramoral. In: ______. Obras incompletas. Seleção de Gérard Lebrun. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

PASSOS, E.; BARROS, R. B. de. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 17-31.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; TEDESCO, S. Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2014.

PATATIVA DO ASSARÉ. Inspiração nordestina. São Paulo: Hedra, 2006.

PINHEIRO, S. Patativa do Assaré: entre o oral e o escrito. Diadorim, Rio de Janeiro, v. 1, p. 135-149, 2006.

ROCHA, D.; DEUSDARA, B. Práticas de linguagem e produção de subjetividade: dimensões interdisciplinares dos discursos midiáticos. Revista Intercâmbio, São Paulo, v. XXIV, p. 165-180, 2011.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, Ed. da UFRGS, 2007.

ROMAGNOLI, R. C. A cartografia e a relação pesquisa e vida. Psicologia & Sociedade, Associação Brasileira de Psicologia Social, v. 21, n. 2, p. 166-173, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v21n2/v21n2a03.pdf. Acesso em: 1 ago. 2016.

ROSSI, A.; PASSOS, E. Análise institucional: revisão conceitual e nuances da pesquisa-intervenção no Brasil. Epos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 156-181, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epos/v5n1/09.pdf. Acesso em: 4 jan. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2238-3824.21.2.49-67

Apontamentos

  • Não há apontamentos.