Variação no uso de conectores sequenciadores temporais em gêneros textuais narrativos produzidos em entrevistas sociolinguísticas

Maria Alice Tavares

Resumo


 Este texto apresenta uma análise de uma variável discursiva, a sequenciação temporal de eventos, tomando como formas variantes os conectores e, e então. Os dados foram extraídos de narrativas de experiência pessoal e narrativas habituais produzidas em 24 entrevistas sociolinguísticas do banco de dados VARSUL, de Florianópolis (SC). O objetivo deste estudo é averiguar se esses gêneros narrativos, que podem ser diferenciados estilisticamente, influenciam o uso dos conectores e, e então. Os resultados mostram que , que tende a ser relacionado, pelos falantes, a contextos de interação informais, é favorecido na narrativa de experiência pessoal, um gênero que geralmente desperta maior envolvimento emocional e, assim, estimula a adoção de estilos informais. Em contraste, é desfavorecido na narrativa habitual, um gênero que tende a despertar menor envolvimento emocional, o que pode fazer com que o falante adote estilos menos informais. Os conectores e e então, estilisticamente neutros, são favorecidos na narrativa habitual. Este estudo trouxe evidências de que o controle de gêneros textuais pode ser bastante útil para a obtenção de conhecimentos mais acurados sobre a variação discursiva.


Palavras-chave


conectores sequenciadores temporais; entrevista sociolinguística; narrativa de experiência pessoal; narrativa habitual.

Texto completo:

PDF

Referências


CARRANZA, I. E. Low-narrativity narratives and argumentation. Narrative Inquiry, John Benjamins, v. 8, n. 2, p. 287-317, 1998.

ECKERT, P. Style and social meaning. In: RICKFORD, J. R.; ECKERT, P. (Ed.). Style and sociolinguistic variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. p. 119-126.

LABOV, W. The anatomy of style-shifting. In: RICKFORD, J. R.; ECKERT, P. (Ed.). Style and sociolinguistic variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. p. 85-108.

LABOV, W. Ordinary events. In: FOUGHT, C. (Ed.). Sociolinguistic variation: critical reflections. Oxford: Oxford University Press, 2004. p. 31-43.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Tradução de M. Bagno, M. M. P. Scherre e C. R. Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008.

LABOV, W. The language of life and death: the transformation of experience in oral narrative. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

MACAULAY, R. K. S. The question of genre. In: RICKFORD, J. R.; ECKERT, P. (Ed.). Style and sociolinguistic variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. p. 78-82.

MARTIN, J. R.; ROSE, D. Genre relations: mapping culture. London: Equinox, 2008.

MILROY, L.; GORDON, M. Sociolinguistics: method and interpretation. Oxford: Blackwell, 2003.

MONDORF, B. Genre effects in the replacement of reflexives by particles. In: DORGELOH, H.; WANNER, A. (Ed.). Syntactic variation and genre. Berlin: De Gruyter Mouton, 2010. p. 219-245.

SILVA, V. L. P. P. da. Gêneros e tipos de texto: aproximações e distinções. Diacrítica, Braga, v. 24, p. 471-489, 2010.

RIESSMAN, C. K. Beyond reductionism: narrative genres in divorce accounts. Journal of Narrative and Life History, Lawrence Erlbaum Associates, v. 1, n. 1, p. 41-68, 1991.

RIESSMAN, C. K. Narrative analysis. Newbury Park, CA, London: SAGE Publications, 1993.

RIESSMAN, C. K. Narrative methods for the human sciences. London: SAGE, 2008.

SANKOFF, D.; Tagliamonte, S. A.; Smith, E. Goldvarb X: a multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics. 2005. Disponível em: http://individual.utoronto.ca/tagliamonte/goldvarb.html. Acesso em: 4 out. 2015.

SILVA, G. M. O.; MACEDO, A. V. T. Análise sociolinguística de alguns marcadores conversacionais. In: MACEDO, A. V. T.; RONCARATI, C. N.; MOLLICA, M. C. (Org.). Variação e discurso. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 11-49.

TAGLIAMONTE, S. A. Analysing sociolinguistic variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

TAVARES, M. A. A gramaticalização de E, AÍ, DAÍ e ENTÃO: estratificação/variação e mudança no domínio funcional da sequenciação retroativo-propulsora de informações – um estudo sociofuncionalista. 2003. 307 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

TAVARES, M. A. Gramática emergente: recorte de uma construção gramatical. In: SOUZA, E. R. (Ed.). Funcionalismo linguístico: análise e descrição. São Paulo, Contexto: 2012. p. 33-51.

TAVARES, M. A. Variação estilística e gênero textual: o caso dos gêneros textuais produzidos no macrogênero entrevista sociolinguística. In: GÖRSKI, E. M.; COELHO, I. L.; SOUZA, C. N. (Org.). Variação estilística: reflexões teórico-metodológicas e propostas de análise. Florianópolis: Insular, 2014. p. 203-223.

TAVARES, M. A. Mapeando textos de diferentes gêneros em entrevistas sociolinguísticas: o caso do banco de dados VARSUL. Veredas, Juiz de Fora, v. 19, n. 2, p. 176-194, 2015.

TRAVIS, C. E.; LINDSTROM, A. M. Different registers, different grammars? Subject expression in English conversation and narrative. Language Variation and Change, Cambridge University Press, v. 28,

n. 1, p. 103-128, mar. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2238-3824.21.2.113-130

Apontamentos

  • Não há apontamentos.