Gramaticalização do verbo danar como marcador aspectual: um legado latino

Sueli Maria Coelho, Thaís Franco de Paula

Resumo


Apoiado teoricamente nos pressupostos da Linguística Cognitiva e da Gramática de Construções, este texto se propõe a discutir a hipótese de que a construção aspectual formada de V1danar + (prep) + V2infinitivo tem raízes latinas, dado que construções sintáticas semelhantes já eram identificadas no século I da Era Cristã. Os resultados alcançados demonstraram que tal construção emergiu com a função aspectual no século XX, mas que ela resulta de um processo de mesclagem das duas construções latinas que a precederam historicamente, das quais herdou traços sintáticos e semânticos.


Palavras-chave


construção aspectual inceptiva; relação de herança; mesclagem conceitual.

Texto completo:

PDF

Referências


BYBEE, J. Morphology: a study of the relation between meaning and form. Amsterdam, Philadelphia: John Benjamins, 1985.

BYBEE, J. Usage-based theory and grammaticalization. In: HEINE, B.; NARROG, H. (Ed.). The Oxford handbook of grammaticalization. New York: Oxford University Press, 2012. p. 77-83. Disponível em: http://www.oxfordhandbooks.com/view/10.1093/oxfordhb/ 9780199586783.001.0001/oxfordhb-9780199586783-e-6. Acesso em: 23 ago. 2016.

BYBEE, J.; PERKINS, R.; PAGLIUCA, W. The evolution of grammar: tense, aspect, and modality in the languages of the world. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

COELHO, S. M. A gramaticalização das formas verbais (a)garrar, danar, desandar e desatar para expressão das categorias aspectuais incoativa, cursiva e iterativa na língua portuguesa. Revista Virtual de Estudos da Linguagem, [S.l.], v. 12, n. 22, p. 1-24, mar. 2014. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/d0af66dd5263e9f207bb40c3db196505. pdf. Acesso em: 20 jul. 2016.

COELHO, S. M. Estudo diacrônico do processo de expansão gramatical e lexical dos itens ter, haver, ser, estar e ir na língua portuguesa. 2006. 321 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

COUTINHO, I. de L. Pontos de gramática histórica. 6. ed. rev. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969.

CUNHA, A. G. da. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2. ed. rev. aum. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.

ESTEVES, L. Paredes. Alma de Poeta, [entre 2000 e 2008]. Disponível em: http://www.almadepoeta.com/lauraestevesprosa.htm. Acesso em: 8 abr. 2010.

FARIA, E. Gramática superior da língua latina. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1958.

FAUCONNIER, G. Mappings in thought and language. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

FAUCONNIER, G.; TURNER, M. Blending as a central process of grammar. Versão expandida. [S.l.]: [s.n.], c1998. Não paginado. Disponível em: http://markturner.org/centralprocess.WWW/centralprocess.html. Acesso em: 17 set. 2016.

GOLDBERG, A. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

GRECO, A. O São Paulo goleava até dormir no ponto e levar susto do Coritiba. Estadão, 28 jul. 2011. Esporte. Blog. Disponível em: http://esportes.estadao.com.br/blogs/antero-greco/o-sao-paulo-goleava-ate-dormir-no-ponto-e-levar-susto-do-coritiba/. Acesso em: 28 jul. 2011.

HARBSMEIER, C. Wilhelm von Humboldts Brief an Abel Rémusat und die philosophische Grammatik des Altchinesischen. Stuttgart: Erich Fromman, 1979. (Grammatica Universalis, 17).

HEINE, B.; CLAUDI, U.; HÜNNEMEYER, F. Grammaticalization: a conceptual framework. Chicago: University of Chicago Press, 1991.

HOPPER, P. On some principles of grammaticalization. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (Org.). Approaches to grammaticalization. Amsterdam: John Benjamins, 1991. p. 17-35.

KÖVECSES, Z. Metaphor: a practical introduction. 2. ed. New York: Oxford University Press, 2010.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metáforas da vida cotidiana. São Paulo: Mercado das Letras, 2002.

LEVERETT, F. P. (Ed.). A new and copious lexicon of the Latin language. Compiled chiefly from the Magnum totius latinitatis lexicon of Facciolati and Forcellini and the German works of Scheller and Luenemamn. ed. fac-sim. London: Richard James Kennett; Boston: John H. Wilkins, 1842. Disponível em: https://archive.org/details/1837newcopiousle00leveuoft. Acesso em: 15 jun. 2016.

MACHADO, J. P. Dicionário etimológico da língua portuguesa: com a mais antiga documentação escrita e conhecida de muitos vocábulos estudados. 4. ed. Lisboa: Livros Horizonte, 1987.

MEU lado ateu e as contradições da Bíblia! Parte 2 – texto de Leiteiro. Over Mundo, 2007. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2007.

NASCENTES, A. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Francisco Alves: Acadêmica, 1933.

PAULA, T. F. de. Estudo do processo de gramaticalização do verbo danar para marcação de aspecto no português brasileiro. 2014. 91 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

PAULA, T. F. de; COELHO, S. M. The metaphor in the grammaticalization process of the verb danar to express inceptive aspect with extension of the action in Brazilian Portuguese. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 15, p. 453-473, 2015.

RAVIZZA, J. P. Gramática latina. 9. ed. Niterói: Escolas Profissionais Salesianas, 1940.

SAID ALI, M. Gramática histórica da língua portuguesa. 8. ed. rev. atual. São Paulo: Companhia Melhoramentos; Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 2001.

TALMY, L. Force dynamics in language and cognition. Cognitive Sciences, Cognitive Science Society, v. 12, n. 1, p. 49-100, 1988.

TALMY, L. Toward a cognitive semantics. Cambridge, MA: The MIT Press, 2000. 2 v.

TENUTA, A. M. Uma breve introdução à teoria dos espaços mentais e da teoria da mesclagem. In: HERMONT, A. B.; ESPÍRITO SANTO, R. S. do; CAVALCANTE, S. M. S. (Org.). Linguagem e cognição: diferentes perspectivas – de cada lugar um outro olhar. Belo Horizonte: PUC-Minas, 2010. p. 85-103.

TOMASELLO, Michael. Constructing a language: a usage-based theory of language acquisition. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2003.

TRAVAGLIA, L. C. O aspecto verbal no português: a categoria e sua expressão. Uberlândia: Imprensa Universitária, 1985.

TRAVAGLIA, L. C. Uma gramaticalização em cadeia para indicação de aspecto. In: VITRAL, L.; COELHO, S. (Org.). Estudos de processos de gramaticalização em português: metodologias e aplicações. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010, p. 105-137.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2238-3824.21.2.21-48

Apontamentos

  • Não há apontamentos.