Jorge Andrade e os clássicos gregos: miscelâneas em Pedreira das Almas

Tereza Víriginia Ribeiro Barbosa, Marina Pelluci Duarte Mortoza

Resumo


A literatura dramática brasileira, de forma geral, reflete uma
tensão latente no que diz respeito à retomada da cultura greco-latina.
Os clássicos evocam uma condição subalterna da qual nos queremos
livrar. Não obstante, o vínculo é inescapável. Esse impasse resultou
amiúde em obras relevantes e bastante originais. Em Pedreira das
Almas, Jorge Andrade, filho da grande erudição europeia e igualmente
da norte-americana, recria o passado a partir das diretrizes fundamentais
da cultura helênica, a saber, a obsessão pelo autorreconhecimento, a
liberdade frente à criação, os recursos da retórica antiga aplicados não
somente à linguagem mas, sobretudo, ao pensamento – a composição de personagens em quiasma, por exemplo – e a concepção da tragédia como movimento de transformação para uma cultura.


Palavras-chave


Jorge Andrade; classical tradition; re-creation; Antigone.

Texto completo:

PDF

Referências


AESCHYLUS. Seven Against Thebes. Tradução de I. Torrance. London: Bloomsbury, 2007.

ANDRADE, J. A moratória. Rio de Janeiro: Agir, 1975.

ANDRADE, J. História narrada em ciclo teatral. Estado de S. Paulo, São Paulo, p. 12, 23 out. 1970. Entrevista. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

ANDRADE, J. Marta, a árvore e o relógio. São Paulo: Perspectiva, 1986a.

ANDRADE, J. Pedreira das Almas: e, O telescópio. Rio de Janeiro: Agir, 1986b.

ANDRADE, O. de. O manifesto antropófago. In: TELES, G. M. Vanguarda européia e modernismo brasileiro: apresentação dos principais poemas, manifestos, prefácios e conferências vanguardistas, de 1857 até hoje. Petrópolis: Vozes, 1977. p. 266-271.

ARANTES, L. H. M. Do primado do texto à ideia de autonomia cênica: os diretores de Jorge Andrade. In: PARANHOS, K. R.; LIMA, E. W.; COLAÇO, V (Org.). Cena, dramaturgia e arquitetura: Instalações, encenações e espaços sociais. Rio de Janeiro: 7Letras, 2014. p. 91-109.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de A. M. Valente. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

AZEVEDO, E. R. et al. (Org.). Jorge Andrade 90 anos: (re)leituras. São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária, Teatro da Universidade de São Paulo, Fapesp, 2012. v. 1: A voz de Jorge.

DELEUZE, G. Qu’est-ce que l’acte de création?, 1987. Vídeo. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.

EURÍPIDES. As Fenícias. Tradução de D. Schüler. Porto Alegre: L&PM, 2005.

EURIPIDES. Euripidis fabulae: phonissae. Edição de G. Murray. Oxford: Clarendon Press, 1913. v. 3.

FARIA, J. R. A dramaturgia de Jorge Andrade. In: ______ (Org.). O teatro na estante: estudos sobre dramaturgia brasileira e estrangeira. São Paulo: Ateliê Editorial, 1998. p. 143-162.

FAUSTINO, M. Coletânea 2. Rio de Janeiro: Edições GRD, 1964.

GONÇALVES, D. Prefácio. In: ANDRADE, J. Marta, a árvore e o relógio. São Paulo: Perspectiva, 1986.

GRAHAM, D. W. (Ed.) The Complete Fragments and Selected Testimonies the Major Presocratics. Cambridge: University Press, 2010.

HOLANDA, C. B. de; PONTES, P. Gota d’água. São Paulo: Círculo do Livro, 1975.

HÖRNER, E. Em defesa da Constituição: a guerra entre rebeldes e governistas (1838-1844). 2010. 376f. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2010.

JEPPESEN, S. Pedreira das Almas: Jorge Andrade’s Brazilian Antigone. In: INTERNATIONAL CONFERENCE “GREEKS AND ROMAN ON LATIN AMERICAN STAGE”, 2014, London. Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2015.

KING, R. Making Things Better: The Art of Changing Things (Aristotle, “Metaphysics” Θ 2). Phronesis, n. 43, p. 63-83, 1998. DOI: https://doi. org/10.1163/15685289860517801

LEITE, V. N. O passado alimentando o porvir: discussões em torno do drama moderno brasileiro a partir de Pedreira das Almas (1957/1970), de Jorge Andrade. 2007. 128f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2007.

LIDDELL, H. G.; SCOTT, R. A Greek-English Lexicon. Oxford: Clarendon Press, 2003.

MACIEL, D. A. V. Considerações sobre a dramaturgia nacional-popular: do projeto a uma tentativa de análise. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 25, p. 23-36, 2005. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2017.

MAKIN, S. (Ed.). Aristotle: Metaphysics. Oxford: Clarendon Press, 2006. Book Θ.

NUÑEZ, C. F. P. O Brasil passado a limpo – revisão histórica e ficcionalidade na dramaturgia de Jorge Andrade. In: MALEVAL, S. (Org.). Estudos galegos-brasileiros. Rio de Janeiro: HP Comunicação, UERJ, 2003, p. 473-500.

PLATONE. Platone, tutte le opere. Edição de E. Maltese. Roma: Grandi Tascabili Economici Newton, 1997.

POLITIS, V. Aristotle and the Metaphysics. London, New York: Routledge, 2004.

PRADO, D. de A. O teatro brasileiro moderno. São Paulo: Perspectiva, 2008.

ROSENFELD, A. O mito e o herói no moderno teatro brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 1982.

SANT’ANNA, C. Metalinguagem e teatro: a obra de Jorge Andrade. São Paulo: Perspectiva, 2012.

SÓFOCLES. Antígona. Tradução de M. H. R. Pereira. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2010.

SOPHOCLES. Sophoclis fabulae: Antigone. Edição de H. Lloyd-Jones. Oxford: Oxford University Press, 1990. p. 181-238. DOI: https://doi. org/10.1093/actrade/9780198145776.book.1




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2238-3824.22.1.5-27

Apontamentos

  • Não há apontamentos.