Herberto Helder: corpografia simbólica, simbologia corporal

Erick Gontijo Costa

Resumo


Este texto investiga a obra do autor português Herberto Helder, mais especificamente os seus poemas, sob a perspectiva da experiência de escrita, enfocando as seguintes noções em seus textos: leitura, tradução, nascer da escrita poética, corpo e paisagem. Partindo da articulação entre escrita e vida na obra de Herberto Helder e tendo como referenciais teóricos a filosofia, a psicanálise e alguns ensaístas portugueses, analisam-se o corpo e a paisagem que se constituem nas escrita e tradução poéticas como “campo de imanência”, conceito extraído do pensamento de Gilles Deleuze, e não tanto como representações de realidades que antecedam a obra.


Palavras-chave


experiência; leitura; tradução; corpo; paisagem.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Ideia da Prosa. Lisboa: Edições Cotovia, 1999.

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso. Tradução de Léa Novaes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BLANCHOT, Maurice. A parte do fogo. Tradução de Ana Maria Scherer. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

COELHO, Eduardo Prado. A poesia ensina a cair. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2010.

COSTA, Erick Gontijo. Acurar-se da escrita - Maria Gabriela Llansol. 2014. Tese (Doutorado em Literatura Comparada) – Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

DELEUZE, Giles; GUATARI, Félix. Imanência e desejo. In: ______. Kafka: por uma literatura menor. Belo Horizonte, São Paulo: Autêntica, 2014.

DELEUZE, Gilles. L’imanence: une vie... Tradução de Erick Gontijo Costa e João Rocha. Philosophie, Paris, n. 47, p. 3-7, set. 1995.

FREUD, Sigmund. Além do princípio de prazer. In: Freud online. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2015.

HELDER, Herberto. A faca não corta o fogo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2008.

HELDER, Herberto. A morte sem mestre. Porto: Porto Editora, 2014. (A)

HELDER, Herberto. As Magias – alguns exemplos: poemas mudados para o português. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010. (A)

HELDER, Herberto. Do mundo. In: ______. A faca não corta o fogo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2008. p. 120-133.

HELDER, Herberto. O bebedor noturno – poemas mudados para o português. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010. (B)

HELDER, Herberto. Os passos em volta. Porto: Porto Editora, 2014. (B)

HELDER, Herberto. Photomaton & Vox. Porto: Porto Editora (Assírio & Alvim), 2013.

HELDER, Herberto. Poemacto. In: ______. A faca não corta o fogo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2008. p. 12-17.

HELDER, Herberto. Poemas canhotos. Porto: Porto Editora, 2015.

HELDER, Herberto. Servidões. In: ______. Poemas completos. Porto: Porto Editora, 2014. p. 619-711. (C)

KAFKA, Franz. Essencial Franz Kafka. Tradução de Modesto Carone. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 10: a angústia. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

LOPES, Silvina Rodrigues. A inocência do devir – Ensaio a partir de Herberto Helder. Viseu: Edições Vendaval, 2003.

MANDIL, Ram. Os efeitos da letra – Lacan leitor de Joyce. Rio de Janeiro/Belo Horizonte: Contra-Capa Livraria/Faculdade de Letras da UFMG, 2003.

SILVA, João Amadeu Oliveira Carvalho da. A poesia de Herberto Helder – Do contexto ao texto: uma palavra sagrada na noite do mundo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2359-0076.36.55.79-95

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Centro de Estudos Portugueses
ISSN 1676-515X (impressa) / ISSN 2359-0076 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

.