“Novo Cancioneiro”: Historicidade de uma polifonia

António Pedro Pitta

Resumo


O artigo situa a iniciativa de edição de “Novo Cancioneiro” na dinâmica de afirmação do neorrealismo em Portugal e refere as circunstâncias em que os volumes foram sendo publicados entre 1941 e 1942, inscrevendo a iniciativa e as circunstâncias na complexidade de um movimento que ocorreu em Portugal embora tenha dimensão europeia e mundial.


Palavras-chave


“Novo Cancioneiro”; neorrealismo; arte; Entre-guerras.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.

ANDRADE, João Pedro de. “Novo Cancioneiro”. In: COELHO, Jacinto Prado (Dir.). Dicionário de Literatura. Porto: Livraria Figueirinhas, 1971. v. II.

ANDRADE, João Pedro de. Poemas, de Mário Dionísio e Sol de Agosto, de João José Cochofel. Novo Cancioneiro, Coimbra, 1941. Seara Nova, n. 725, 5 jul. 1941.

BACELAR, Armando. Para a história do neo-realismo. Relembrando Fernando Namora. Diário de Lisboa, Lisboa, 14 fev. 1989.

BADIOU, Alain. O Século. Aparecida SP: Editora Ideias e Letras, 2007.

CABRAL, Alexandre. Memórias de um resistente. 2. ed. Porto: Editorial Inova, 1970.

COCHOFEL, João José. Iniciação estética seguido de Críticas e crónicas. Lisboa: Editorial Caminho, 1992.

DIAS, Luís Augusto Costa. O “Vértice” de uma renovação cultural. Imprensa periódica na formação do Neo-Realismo (1930-1945). 2011. Tese (Doutorado em História da Cultura) - Faculdade de Letras, Coimbra, 2011.

DIONÍSIO, Mário. Prefácios. 1948-1989. Lisboa: Casa da Achada-Centro Mário Dionísio, 2014.

DIONÍSIO, Mário. A propósito de Jorge Amado. O Diabo, n. 164, 14 nov. 1937.

FERREIRA, José Gomes. A memória das palavras. Lisboa: Portugália Editora, 1965. p. 220.

GRAMSCI, Antonio. Escritos políticos. Lisboa: Seara Nova, 1977. v. II, p. 246-247.

KONDER, Leandro. Os marxistas e a arte. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular. 2013.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Contributo à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2006.

MONTEIRO, Adolfo Casais. Joaquim Namorado – “Aviso à navegação”, poemas. Novo Cancioneiro, Coimbra, 1941.

MURALHA, Sidónio. “Beco”, poemas. Lisboa, 1941. Seara Nova, n. 750, 27 dez. 1941.

RODRIGUES, Armindo. Um poeta recorda-se. Memórias de uma vida. Lisboa: Edições Cosmos, 1998. p. 176.

SANTOS, Arquimedes da Silva. Fim de “Novo Cancioneiro” e segredo de um livro. In Edição global e fac-similada de Novo Cancioneiro. Lisboa: althum.com., 2010.

SARAIVA, Arnaldo. Augusto dos Santos Abranches, escritor e agitador em Portugal, em Moçambique e no Brasil. Paúl: Junta de Freguesia, 2013.

TORRES, Alexandre Pinheiro (Prefácio, organização e notas). Novo Cancioneiro. Lisboa: Editorial Caminho, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2359-0076.37.57.79-96

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Centro de Estudos Portugueses
ISSN 1676-515X (impressa) / ISSN 2359-0076 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

.