Hic ego dux milesque bonus: As Armas de Eros na Elegia Romana

Alexandre Agnolon

Resumo


O presente artigo tem como objetivo principal discutir a representação de Eros na elegia romana a partir de exemplos tomados de poetas como Tibulo, Propércio e Ovídio. Buscar-se-á demonstrar que a imago do deus entre os poetas elegíacos romanos serve tanto para figurar, alegoricamente, a própria poesia elegíaca e o sofrimento amoroso, pois que o deus figura a militia amoris e a seruitium amoris, como para representar o éthos da persona loquens elegíaca. Nesse sentido, Eros, bem como a incorporação, em dimensão poética, de imagens de natureza bélica, é expediente programático, já que mediante estratégia visualizante os poetas elegíacos figuravam princípios retórico-poéticos do gênero.


Palavras-chave


Eros; elegia; poética; retórica; sofrimento amoroso.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, A. Sincerity and the Roman Elegists. Classical Philology, Chicago, v. 45, n. 3, p. 145-160, 1950.

CATULLUS, TIBULLUS, PERUIGILIUM VENERIS. The poems of Gaius Valerius Catullus. Translated by F.W. Cornish; Tibullus, by J.P. Postgate; and Pervigilium Veneris, by J.W. Mackail. Cambridge, Mass.; London: Harvard University Press: W. Heinemann, 1995.

CATULO. O livro de Catulo. Tradução, introdução e notas de J. A. Oliva Neto, São Paulo: EDUSP, 1996.

[CÍCERO]. Retórica a Herênio. Tradução e introdução Ana Paula Celestino Faria e Adriana Seabra. São Paulo: Hedra, 2005.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Tradução de Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

THE GREEK ANTHOLOGY. With an english translation by W. R. Paton, in five volumes; Cambridge: Harvard University Press/ London: William Heinemann, v. I-II and V, 1960; v. III, 1958; v. IV, 1956.

GRIMAL, P. O amor em Roma. Tradução de Hildegard Fernanda Feist. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Edição bilíngue. Estudo e tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2007.

HORÁCIO. Odes e epodos. Tradução e nota de Bento Prado de Almeida Ferraz; introdução de Antonio Medina Rodrigues; organização de Anna Lia Amaral de Almeida Prado. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LAPA, M. R. Das origens da poesia lírica em Portugal na Idade Média. Lisboa: Edição do Autor, 1929.

MARTINS, P. Elegia Romana: construção e efeito. São Paulo: Humanitas, 2009.

OVÍDIO. Amores; Medimina faciei femineae; Ars amatoria; Remedia amoris. Edidit brevique adnotatione critica instruxit E. J. Kenney, Scriptorum Classicorum Bibliotheca Oxoniensis, Oxonii e Typographeo Clarendoniano, 1989.

OVÍDIO. Os remédios do amor, Os cosméticos para o rosto da mulher. Tradução, introdução e notas de Antônio da Silveira Mendonça. São Paulo: Nova Alexandria, 1994.

PANOFSKY, E. Significado nas artes visuais. Tradução de Maria Clara F. Kneese e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2007.

PROPÉRCIO. Elegias de Sexto Propércio. Organização, Introdução, Tradução e Notas de Guilherme Gontijo Flores. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

PROPÉRCIO. Elegies. Edited and translated by G. P. Goold. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1990.

QUINTILIANO. Institutio oratoria. With an English translation by H. E. Butler, Cambridge, MA: Harvard University Press/ London: William Heinemann, books I-III, 1996; books IV-VI, 1995; books VII-IX, 1996; books X-XII, 1998.

VERGÍLIO. Eneida. Tradução e notas de Odorico Mendes; apresentação de Antonio Medina; estabelecimento do texto, notas e glossário Luiz Alberto Machado Cabral. Cotia, SP: Ateliê Editorial; Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2005.

VEYNE, P. A elegia erótica romana: o amor, a poesia e o ocidente. Trad. Milton Meira do Nascimento e Maria das Graças de Souza Nascimento. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3636.12.1.117-130

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Alexandre Agnolon



Nuntius Antiquus
ISSN 2179-7064 (impressa) / ISSN 1983-3636 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.