Treslendo a citação (República): De Platão a Homero

Rafael Guimarães Tavares Silva

Resumo


A citação é normalmente entendida como prática discursiva por meio da qual é possível estabelecer um diálogo entre diferentes textos e contextos, em tom polêmico ou harmônico, apto a suscitar novas ideias e desenvolvimentos teóricos. A fim de problematizar essa noção básica, retomo algumas das teses de Bakhtin acerca de certa compreensão dialógica da linguagem – em sua crítica contumaz aos modelos linguísticos então vigentes, de base psicológica ou estruturalista. Na sequência, proponho novas considerações sobre as formas mais recorrentes de citação – oferecendo um breve catálogo das mesmas – e avanço alguns juízos sobre textos que se valem da prática da citação, em paráfrase ou em remissão direta ao discurso de outrem, para elaborar suas próprias ideias. Para isso revisito alguns casos clássicos dessa tradição – Homero e Platão, sobretudo em sua tensa relação, tal como delineada na República –, pretendo concluir voltando-me para certas leituras contemporâneas a fim de acenar para a possibilidade de uma “ética da leitura” que, por meio de uma “prática da leitura”, respeite o texto de outrem nas suas especificidades textuais e contextuais. É certo que um respeito absoluto a essas especificidades é impossível, mas gostaria de sugerir que qualquer ética – e uma “ética da leitura” não poderia ser diferente – só tem alguma chance de se dar efetivamente nos limites dessa impossibilidade mesma.


Palavras-chave


Citação; Bakhtin; Filosofia da linguagem; Platão; Homero

Texto completo:

PDF

Referências


ASSUNÇÃO, T. R. Aquiles e Ulisses no livro III da República de Platão. In:

COLÓQUIO PLATÔNICO: POLITEÍA, III, 3., 2007, Rio de Janeiro (artigo inédito).

ASSUNÇÃO, T. R. Melhores pedaços de carne e taças cheias: o banquete homérico sob o signo da coragem em República V (468 d2-3 e 468 e1). In: COLÓQUIO PLATÔNICO: POLITEÍA, V, 5., 2010, Rio de Janeiro (artigo inédito).

BAKHTIN, M. [VOLOCHINOV]. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1995.

BAKHTIN, M. Toward a Methodology for the Human Sciences. In: _____. Speech Genres and Other Late Essays. Translated by Vern M. McGee. Edited by Caryl Emerson and Michael Holquist. Austin: University of Texas Press, 1986. p. 159-172.

BAKHTINE, M. Esthétique et théorie du roman. Paris: Gallimard, 1978.

BAKHTINE, M. Problèmes de la poétique de Dostoïevski. Paris: L’Âge d’Homme, 1970.

BENNINGTON, G. Derridabase. In: BENNINGTON, G.; DERRIDA, J. Jacques Derrida. Paris: Éditions du Seuil, 1991. p. 5-292.

BORGES, J. L. Pierre Menard, autor del Quijote. In: _____. Ficciones. Madrid: Alianza Editorial Madrid, 1971. p. 47-60.

COMPAGNON, A. O trabalho da citação. Tradução de Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

DESTRÉE, P.; HERRMANN, F.-G. (Ed.). Plato and the Poets. Leiden; Boston: Brill, 2011.

HAVELOCK, E. Preface to Plato. Cambridge; London: Belknap Press of Harvard University Press, 1963.

HOMER. Homeri Opera in Five Volumes. Oxford: Oxford University Press, 1920.

HOMERO. Ilíada. Tradução e prefácio de Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2013.

HOMERO. Odisseia. Tradução e prefácio de Frederico Lourenço. São Paulo: Peguin Classics; Companhia das Letras, 2011.

JAEGER, W. Paideía: a formação do homem grego. Tradução de Artur M.

Parreira. 6. ed. São Paulo: WMF; Martins Fontes, 2013.

LEVIN, S. The Ancient Quarrel Between Philos ophy and Poetr y Revisited: Plato and the Greek Literary Tradition. Oxford: Oxford University Press, 2001.

MURRAY, P. Plato on Poetry. Preface, introduction, and commentary in English with text in Greek. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

PLATÃO. A república de Platão. Obras I. 2. ed. Organização e tradução de Jacó Guinsburg, notas de Daniel Rossi Nunes Lopes. São Paulo: Perspectiva, 2014.

PLATÃO. A república. Introdução, tradução e notas de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

PLATO. Platonis Opera. Ed. John Burnet. Oxford: Oxford University Press, 1903.

SILVA, R. G. T. Lendo a citação (Críton, 43d1-44b5): “Vou-me embora pra fértil Phthía...”. Nuntius Antiquus, Belo Horizonte, v. 11, n. 1, p. 173-194, 2015.

ZAPPEN, J. The Rebirth of Dialogue: Bakhtin, Socrates, and the Rhetorical Tradition. New York: State University of New York Press, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3636.13.1.205-226

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nuntius Antiquus
ISSN 2179-7064 (impressa) / ISSN 1983-3636 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.