Política na sala de aula: uma proposta interdisciplinar a partir da Antiguidade

Priscilla Gontijo Leite, Lucas Consolin Dezotti

Resumo


Diversas palavras do nosso vocabulário político são originárias da Antiguidade Clássica – democracia, aristocracia, oligarquia, tirania – e são utilizadas com frequência no cotidiano. Contudo, o ensino sobre o entendimento dessas noções apresenta falhas, pois está muitas vezes centrado numa abordagem conceitual, não numa perspectiva histórica, deixando de demonstrar para os alunos que esses conceitos foram formulados em um determinado período da história humana – a saber, na Antiguidade. Assim, pautando-se na promoção de uma abordagem que valorize o aspecto histórico para o entendimento de conceitos, foi elaborado o projeto Prolicen “Vocabulário político da antiguidade: reflexões para o exercício da cidadania”, objeto deste texto. Aqui vamos relatar como a perspectiva interdisciplinar, que agrega conhecimentos de História e Letras Clássicas, foi essencial para o desenvolvimento do projeto, cujo resultado principal foi a elaboração de material didático com trechos de fontes antigas (Heródoto, Aristóteles, Políbio e Tito Lívio), visando facilitar a utilização dessas fontes por professores da educação básica e superior. O grande diferencial do trabalho é a apresentação bilíngue dos textos (grego ou latim e português), provendo acesso ou despertando interesse para as línguas do passado, provando que a Antiguidade não está tão distante de sua realidade.


Palavras-chave


ensino; política; letras clássicas; história antiga.

Texto completo:

PDF

Referências


ADRADOS, F. R. La democracia ateniense. Madrid: Alianza Editorial, 1975.

ARISTÓTELES. Constituição dos atenienses. Tradução de Delfim Ferreira Leão. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

ARISTÓTELES. Política. Tradução de Danusia Oliveira Ferreira. [2017]. Não publicado.

ARISTÓTELES. Política. Tradução de António Campelo Amaral e Carlos Gomes. Lisboa: Vega, 1998.

ARNASON, J. P.; RAAFLAUB, K. A.; WAGNER, P. (Eds). The Greek Polis and the Invention of Democracy: A Political-Cultural Transformation and Its Interpretation. Oxford: Wiley-Blackweel, 2013. DOI: https://doi.org/10.1002/9781118561768.

BAILLY, A. Le grand Bailly: dictionnaire de grec-français. Paris: Hachette, 2000.

BENVENISTE, É. O vocabulário das instituições indo-européias. Tradução de Denise Bottmann e Eleonora Bottmann. Campinas: Unicamp,1995. v. 2.

BRANDÃO, J. L.; OLIVEIRA, F. de. História de Roma. Das origens à morte de Cesar. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2015.

CHANTRAINE, P. Dictionnaire étymologique de la langue grecque. Histoire des mots. Paris: Éditions Klincksieck, 1968.

CHEVITARESE, A. L.; CORNELLI, G.; SILVA, M. A. de O. (Orgs.). A tradição clássica e o Brasil. Brasília: Archai-UNB/Fortium, 2008.

DABDAB TRABULSI, J. A. Participation directe et démocratie grecque: une histoire exemplaire? Besançon: Presses universitares de Franche- Comté, 2006.

FINLEY, M. I. Democracia: antiga e moderna. Tradução de Waldéa Barcellos e Sandra Bedran. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

GERNET, L. Anthropologie de la Grèce Antique. Paris: Champs Flammarion, 1982a.

GERNET, L. Droit et institutions en Grèce Antique. Paris: Champs Flammarion, 1982b.

GERNET, L. Recherches sur le développement de la pensée juridique et morale en Gréce: Étude sémantique. Paris: Albin Michel, 2002.

GUARINELLO, N. L. História Antiga. São Paulo: Contexto, 2013.

HERÓDOTO. História. Introdução e tradução de Mário da Gama Cury. 2. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1988.

MITCHELL, T. Democracy’s Beginning: the Athenian Story. New Haven: Yale University Press, 2015.

OBER, J. The Rise and Fall of Classical Greece. New Jersey: Princeton University Press, 2015. DOI: https://doi.org/10.1515/9781400865550.

POLÍBIO. História. Tradução de Mário da Gama Cury. 2. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1996.

POLÍBIO. História. Tradução de Bruno Ramalho de Figueirêdo. [2017]. Não publicado.

PSEUDO-XENOFONTE. A constituição dos atenienses. Tradução do grego, introdução, notas e índices de Pedro Ribeiro Martins. Coimbra: IUC, 2012.

SILVA, L. L. T. da; GONÇALVES, J. W. O ensino de História Antiga: algumas reflexões. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 28., 2015, Florianópolis. Anais eletrônicos... Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2017. DOI: https://doi.org/10.5433/2238-3018.2015v21n1p135.

SILVA, S. C. Aspectos do ensino de História Antiga no Brasil: algumas reflexões. Alétheia: revista de estudos sobre Antiguidade e Medievo, Jaguarão, v. 1, p. 145-155, jan.-jul. 2010.

VEYNE, P. Acreditavam os gregos nos seus mitos? Ensaios sobre a imaginação constituinte. Tradução de Horácio Gonzalez e Milton Meira Nascimento. São Paulo: Brasiliense, 1984.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3636.13.1.123-147

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nuntius Antiquus
ISSN 2179-7064 (impressa) / ISSN 1983-3636 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.