Sophia na Grécia, evocando Fernando Pessoa

Maria António Hörster, Maria de Fátima Silva

Resumo


Este artigo foca-se na análise de dois poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen – “Em Hydra” e “Cíclades” –, um e outro partindo de uma vivência da Grécia insular, sugestiva de uma evocação de Fernando Pessoa. Estes são poemas que exprimem um “diálogo” interessante entre dois poetas paradigmáticos da contemporaneidade portuguesa.


Palavras-chave


Sophia de Mello; Grécia; luz; paisagem; cultura; Fernando Pessoa; poeta de Lisboa.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRESEN, M. Revelação de um espólio. Jornal das Letras, Oeiras, n. 1052, p. 7, jan/fev. 2011. Entrevista.

ANDRESEN, S. M. B. Antologia. Edição aumentada, com prefácio de Eduardo Lourenço. Lisboa: Moraes Editores, 1975.

ANDRESEN, S. M. B. Dia do mar. Lisboa: Edições Ática, 1974.

ANDRESEN, S. M. B. Obra poética. Editado por Carlos Mendes de Sousa. Lisboa: Assírio & Alvim, 2015.

ANDRESEN, S. M. B. Poesia I. Coimbra: Edição da Autora, 1944.

CECCUCCI, P. Trazer o real para a luz: o olhar e o ouvido voltado para os seres e as coisas na poética de Sophia. Revista Colóquio/Letras, Lisboa, n. 176, p. 15-27 jan./jun. 2011.

COELHO, A. L. No mundo de Sophia. Público, Lisboa, 21 jun. 2009. Caderno P2, p. 4-7.

COELHO, E. P. O real, a aliança e o excesso na poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen. In: _____. A palavra sobre a palavra. Porto: Portucalense: 1972. p. 225-250.

COELHO, E. P. Sophia, a lírica e a lógica. Revista Colóquio/Letras, Lisboa, n. 57, p. 20-35, 1980.

HÖRSTER, M. A. Para uma história da recepção de Rainer Maria Rilke em Portugal (1920-1960). Lisboa: FCB/FCT/MCT, 2001.

LANCIANI, G. Sophia de Mello Breyner Andresen: o labirinto da palavra. Revista Colóquio/Letras, Lisboa, n. 176, p. 9-14, 2011.

LOURENÇO, E. Para um retrato de Sophia. In: ANDRESEN, S. M. B. Antologia, I-VII. Lisboa: Moraes Editora, 1978.

MARTINHO, F. J. B. Sophia lê Pessoa. Persona, Porto, n. 7, p. 26-29, 1982.

MOURA, A. Sophia de Mello Breyner Andresen fala-nos de poesia e de arte. Diário Popular, v. 25, n. 4, p. 5, 1957.

MOURÃO-FERREIRA, D. Sophia de Mello Breyner Andresen. Na publicação de No tempo dividido. In: ______. Vinte poetas contemporâneos. 2. ed. revista e ampliada. Lisboa: Ática, 1980. p. 173-177.

NUNES, M. L. Vida de versos. Jornal das Letras, Oeiras, n. 1052, p. 6-7, jan.-fev. 2011.

PASSOS, M. A. Sophia de Mello Breyner Andresen: “Escrevemos poesia para não nos afogarmos no cais...”. Jornal das Letras, Oeiras, n. 26, p. 2-5, 16 fev. 1982.

ROSA, A. R. A presença e a ausência em Sophia de Mello Breyner Andresen. In: ______. Incisões oblíquas: estudos sobre poesia portuguesa contemporânea. Lisboa: Caminho: 1987. p. 15-20.

TOMÉ, L. F. Sofia de Mello Breyner termina o livro de poesia “estilo manuelino”. Diário de Notícias, n. VI-VII, 20 dez. 1987. Caderno Cultura.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3636.13.1.59-84

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nuntius Antiquus
ISSN 2179-7064 (impressa) / ISSN 1983-3636 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.