Machado de Assis, retratista

Victor da Rosa

Resumo


Resumo: Neste artigo, busca-se analisar alguns aspectos da ficção de Machado de Assis a partir da noção de pose, que é sugerida pelas discussões em torno da fotografia no século XIX: “salão de poses” era o nome que se dava aos estúdios fotográficos que surgiram logo após a invenção do daguerreotipo, em 1839. Para isso, o artigo parte de um debate de certa crítica machadiana em torno de outro gênero da fotografia e da arte, a paisagem, assim como da conclusão de Silvio Romero segundo a qual Machado seria um “mau retratista”, procurando mostrar os valores em questão nessas análises. Finalmente, o artigo discute a maneira como o autor privilegia em sua literatura a investigação do salão e da “sociabilidade”, expressão tomada de empréstimo da obra de Georg Simmel, assim como do coquetismo e das formas da aparência, a partir da análise de personagens como o Conselheiro Aires e contos como “Teoria do Medalhão”.

Palavras-chave: Machado de Assis; pose; retrato; fotografia.

Abstract: This paper intends to analyze some aspects of Machado de Assis’ fiction drawing on the notion of pose, which was suggested by the discussions on Photography in the 19th century: “poses hall” was the name given to the photographic studios that emerged right after the invention of the daguerreotype, in 1839. The paper discusses Machado’s critique on landscape, a genre of Photography and Art, as well as Silvio Romero’s conclusion that Machado was a “bad portraitist”, highlighting the value of such analyses. Finally, we try to show how the author privileged the investigation of the hall and the “sociability”, as defined by Georg Simmel, as well as coquetismo [“coquetry”] and other forms of appearance. We also attempt to analyze these aspects from the point of view of characters including Conselheiro Aires and short stories such as “Teoria do Medalhão” [“Theory of the Medallion”].

Keywords: Machado de Assis; pose; portrait; photography.


Palavras-chave


Machado de Assis; pose; portrait; photography.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. Machado de Assis (1939). In: ASSIS, M. Obra completa em quatro volumes. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008. v. 1. p. 45-48.

ASSIS, M. Obra completa em quatro volumes. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008. v. 1.

BARTHES, R. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Tradução de Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BARTHES, R. O neutro. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BASTIDE, R. Machado de Assis, paisagista. In: ASSIS, M. Obra completa em quatro volumes. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008. v. 1. p. 34-45.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOSI, A. Raimundo Faoro leitor de Machado. In: ______. Brás Cubas em três versões. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DIXON, P. O chocalho de Brás Cubas: uma leitura das Memórias póstumas. São Paulo: Nankin / EdUSP, 2009.

FABRIS, A. A invenção da fotografia: repercussões sociais. In: ______. Fotografia: usos e funções no século XIX. São Paulo: EdUSP, 2008.

FREYRE, G. José de Alencar: renovador das letras e crítico social. In: ALENCAR, José de. Romances ilustrados de José de Alencar. 8 v. Rio de Janeiro: José Olympio, 1951.

HARDMAN, F. F. Trem-fantasma: a ferrovia Madeira-Mamoré e a modernidade na selva. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

KOUTSOUKOS, S. S. M. Negros no estúdio fotográfico: Brasil, segunda metade do século XIX. Campinas: Editora Unicamp, 2010.

MORETTI, F. Signos e estilos da modernidade: ensaio sobre a sociologia das formas literárias. Tradução de Maria Beatriz de Medina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

ROMERO, S. Machado de Assis: estudo comparativo de literatura brasileira. Rio de Janeiro: Laemmert, 1897.

SIMMEL, G. El individuo y la libertad: ensayos de crítica de la cultura. Traducción y prólogo de Salvador Mas. Barcelona: Ediciones Peninsula, 1985.

STRÄTER, T. Olhares fotográficos cruzando-se n’“O espelho”: Machado de Assis e Guimarães Rosa. In: FANTINI, M. (Org.). Machado e Rosa: leituras críticas. São Paulo: Cotia / Ateliê Editorial, 2010.

TURAZZI, M. I. Poses e trejeitos: a fotografia e as exposições na era do espetáculo (1839-1889). Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

WAIZBORT, L. As aventuras de Georg Simmel. São Paulo: Curso de Pós-graduação em Sociologia da USP/ Editora 34, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2358-9787.27.2.185-202

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Victor da Rosa

O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira
ISSN 0102-4809 (impressa) / ISSN  2358-9787 (eletrônica)

License

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.