O que dizer da Paixão? A ampliação do sentido em G.H., de Lispector / What Can We Say About Passion? The Enlargement of the Sense in Lispector’s G.H.

Fernando Moreira, Julia Guimarães, Paula Huven, Flávia Moreira, Livia Bacelete

Resumo


Resumo: A partir de um mergulho na escrita esboçada, composta por fragmentos, em A Paixão Segundo G.H., discutimos, sob o ponto de vista da semiótica peirciana, a expansão de sentido em Lispector por meio do que ela mesma chamou de Travessia do Oposto. Ao tornar-se mais abstrata linguisticamente, a autora consegue atingir e descrever sensações de forma a tocar intimamente seu interlocutor. A base semiótica explica, teoricamente, as aproximações da escritora à qualidade dos objetos, colocando em protagonismo fenômenos densos e difíceis de serem descritos, por sua própria natureza, como é o caso do conceito de primeiridade, ligado à instância das sensações. Para isso, percorre-se o caminho de um simulacro do concreto ao abstrato, priorizando, assim, a expansão dimensional do que é passível de fazer sentido.

Palavras-chave: Lispector; Peirce; semiótica; paixão; primeiridade.

Abstract: The sketchy writing, composed of fragments, in A Paixão Segundo G.H. motivated the present discussion about the expansion of meaning in Lispector’s by what she called the ‘Crossing of the Opposite’, from the point of view of Peirce’s theory. By becoming more abstract linguistically, the author is able to reach out and describe sensations in order to intimately touch her interlocutor. The semiotics explains the approaches of the Brazilian writer to the quality of the objects, putting in prominence the dense problem that is to describe the phenomenon, due to its own nature. That is the case of the concept of firstness, linked to the instance of sensations. In order to do this, we walk the path of a simulacrum, from the concrete to the abstract, prioritizing the dimensional expansion of what is liable to make sense.

Keywords: Lispector; Peirce; semiotics; passion; firstness.


Palavras-chave


Lispector; Peirce; semiótica; paixão; primeiridade; Lispector; Peirce; semiotics; passion; firstness.

Texto completo:

PDF

Referências


FLOCH, Jean-Marie. Alguns conceitos fundamentais em semiótica geral. In: Documentos de Estudo do Centro de Pesquisas Sociossemióticas. Tradução de Analice Dutra Pilar. Revisão de Ana Cláudia de Oliveira e Eric Landowski. São Paulo: Centro de Pesquisas Sociossemióticas, 2001.

FRONCKOWIAK, Ângela. O ato de narrar. In: Clarice Lispector: a narração do indizível. Porto Alegre: Artes e Ofícios: EDIPUC, 1998.

GREIMAS, A. J. Da imperfeição. São Paulo: Estação das Letras e Cores. 2017.

LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

NUNES, Benedito (coord.). Nota Filológica. In: LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H - Edição Crítica. Florianópolis: Editora da UFSC, 1988.

NUNES, Benedito. Leitura de Clarice Lispector. São Paulo: Quíron, 1973.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio. Campinas: Unicamp, 2002.

SÁ, Olga de. A escritura de Clarice Lispector. Petrópolis: Vozes, 1979.

SÁ, Olga de. Clarice Lispector: a travessia do oposto. São Paulo: Annablume, 1993.

SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Editora Braziliense, 1983.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2358-9787.28.3.223-238

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Fernando Moreira, Julia Guimarães, Paula Huven, Flávia Moreira, Livia Bacelete

O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira
ISSN 0102-4809 (impressa) / ISSN  2358-9787 (eletrônica)

License

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.