Tecnologias digitais, ação comunicativa e ética do discurso em redes sociais / Digital technologies, communicative action and ethics of the speech in social networks

Úrsula Cunha Anecleto

Resumo


RESUMO: As tecnologias digitais contribuíram para o surgimento de uma nova sociedade interconectada, favorecendo a criação de redes de comunicação, que ampliaram as participações do sujeito em diversos espaços públicos. Nesse sentido, a interação passou também a estruturar-se por nova ética e outras estéticas, que levassem em conta necessidades comunicativas das pessoas, suas lógicas argumentativas e pretensões de validade do discurso. Nessa perspectiva, este artigo tem como objetivo apresentar análise teórico-conceitual sobre a ética do discurso como fundamento para a ação comunicativa nas interações em redes sociais tecnológicas. Teoricamente, ancora-se nos estudos sobre racionalidade comunicativa, ética do discurso e esfera pública (HABERMAS, 1889, 1990, 2007, 2012), e redes sociais (RECUERO, 2009; ARAÚJO, 2016; PRIMO, 2005; FRANCO, 2012; BUZATO, 2016). Metodologicamente, apresenta-se a partir de uma análise hermenêutica, tendo como enfoque pressupostos interpretativo-críticos (HABERMAS, 1982, 2006, 2010). Como contribuição, o estudo aponta que a comunicação em rede, fundamentada em princípios éticos, proporciona ao sujeito participação em esferas públicas, de forma livre e democrática, alicerçadas no diálogo, na reestruturação dos papéis comunicativos e na emancipação discursiva, a partir da formação de uma identidade pós-convencional.

PALAVRAS-CHAVE: redes sociais; ação comunicativa; ética do discurso.

 

ABSTRACT: Digital technologies have contributed to the emergence of a new interconnected society, favouring the creation of communication networks, which extended the participation of the subject in various public spaces. In this sense, the interaction also happened to be structured from new ethics and other and aesthetics, which took into account people's communicative needs, their argumentative logics and pretensions of discourse validity. In this perspective, this article aims at presenting theoretical-conceptual analysis on discourse ethics as the basis for communicative action in the interactions through technological social networks. Theoretically, it is based in the studies on communicative rationality, discourse ethics and public sphere (HABERMAS, 1889, 1990, 2007, 2012), and social networks (ARAÚJO, 2009; ARAÚJO, 2016, PRIMO, 2005; FRANCO, 2012; BUZATO, 2016). Methodologically, it is based on a hermeneutical analysis, grounded on interpretative-critical assumptions (HABERMAS, 1982, 2006, 2010). As a contribution, the study points out that network communication, based on ethical principles, provides participation in public spheres, in a free and democratic way, based on dialogue, on the restructuring of communicative roles and on discursive emancipation, from the formation of a postconventional identity.

KEYWORDS: social networks; communicative action; ethics of the discourse.


Palavras-chave


redes sociais; ação comunicativa; ética do discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


ANECLETO, U. C. Ação linguístico-comunicativa e práticas discursivas em esferas públicas na sociedade em rede. Revista A cor das letras, v. 16, p. 23-39, 2015. Disponível em: http://periodicos.uefs.br/index.php/acordasletras. Acesso em: 20 mar. 2017.

ARAÚJO, J. Reelaboração de gêneros em redes sociais. In: ARAÚJO, J; LEFFA, V. Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender? São Paulo: Parábola Editorial, 2016. p. 49-64.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. 14 ed. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

BRAGA, A. F. Habermas e a questão do realismo moral. In: MONTENEGRO, C. R.; GÓMEZ, M. N. Discursos habermasianos. Rio de Janeiro: IBICT, 2010. p. 449-468.

BRENNAND, E. G. de G.; BRENNAND, E. J. de G. Arquiteturas cognitivas e informacionais no contexto das dinâmicas sociais contemporâneas. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 316-323, set. 2010. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/viewFile/3268/2892. Acesso em: 22 set. 2017.

BUZATO, M. Três concepções para o estudo de redes sociais. In: ARAÚJO, J; LEFFA, V. Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender? São Paulo: Parábola Editorial, 2016. p. 33-48.

CASAGRANDE, C. A. Educação, Intersubjetividade e aprendizagem em Habermas. Ijuí (RS): Editora Unijuí, 2009.

FRANCO, I. Redes sociais e a EAD. In: Fredric, M.; Formiga, M. (Orgs.). Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson, v. 2, 2012. p. 116-124.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Tradução Guido de Almeida. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

HABERMAS, J. Pensamento pós-metafísico: estudos filosóficos. Tradução Nachmetaphysisches Denken, Philosophische Ayfsätze. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

HABERMAS, J. Racionalidade e comunicação. Tradução Paulo Rodrigues. Lisboa: Edições 70, 1996.

HABERMAS, J. Técnica e ciência como ideologia. Lisboa: Edições 70, 2006.

HABERMAS, J. Entre naturalismo e religião: estudos filosóficos. Rio de janeiro: Tempo Brasileiro, 2007.

HABERMAS, J. Jürgen Habermas: obras escolhidas. Volume I. Tradução Lumir Nahodil. Lisboa: Edições 70, 2010.

HABERMAS, J. Teoria do agir comunicativo: racionalidade da ação e racionalização social. Vol. 1. Tradução Paulo Astor Soethe. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

HABERMAS, J. Jürgen Habermas: obras escolhidas. Volume II. Tradução Lumir Nahodil. Lisboa: Edições 70, 2014.

PRIMO, A. Conflito e cooperação em interações mediadas por Computador. Contemporânea: Revista de Comunicação e Cultura, v. 3, n. 1, p. 38-74, jun. 2005. Disponível em: http://www.ufrgs.br/limc/PDFs/conflito.pdf. Acesso em: 16 dez. 2017.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RECUERO, R. Discurso mediado por computador nas redes sociais. In: ARAÚJO, J.; LEFFA, V. Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender? São Paulo: Parábola Editorial, 2016. p. 17-32.

SILVA, J. C. Filosofia da linguagem: Habermas, Apel e a ética da linguagem. Disponível em: https://educacao.uol.com.br/disciplinas/filosofia/filosofia-da-linguagem-7-habermas-apel-e-a-etica-na-linguagem.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em: 21 mar. 2017.

TEIXEIRA, M. S. Ética do Discurso em Jürgen Habermas: a Importância da Linguagem para um Agir Comunicativo. Revista Opinião Filosófica, Porto Alegre, v. 07; nº. 02, p. 304-315, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3652.11.2.304-317

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
ISSN 1983-3652 (eletrônica)

Belo Horizonte - Minas Gerais (Brasil)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.