Tecnologias digitais, biologia do conhecer e pesquisa-ação no ensino de línguas / Digital technologies, biology of cognition and action-research in language teaching

Rodrigo Camargo Aragão, Iky Anne Fonseca Dias

Resumo


RESUMO:Neste artigo tomamos como base a experiência de uma professora-pesquisadora de inglês em uma pesquisa-ação para pensarmos sobre como práticas de ensino-aprendizagem de línguas com tecnologias digitais e o processo de reflexão na pesquisa nos fornecem elementos que fortalecem transformações no fazer pedagógico dessa professora. À luz do pensamento sistêmico da Biologia do Conhecer (MATURANA, 2001), argumentamos que a professora-pesquisadora transformou sua prática pedagógica em conjunto com outros elementos do sistema em que ela se encontra à medida que emoções e relações humanas são favoráveis para isso. Com uso de metodologia de pesquisa qualitativa, pesquisamos as transformações na rede sistêmica no curso da pesquisa-ação e as representações sobre a experiência da professora-pesquisadora, por meio de registros em áudio das reuniões de planejamento, relatórios, colagem visual e entrevista. A discussão dos resultados pretende trazer contribuições para o campo da formação de professores e do ensino de línguas mediado pelas tecnologias digitais. Os resultados indicam que a professora-pesquisadora reflete e inova sua prática embasada em mudanças nas suas emoções ao se sentir mais confiante com o seu trabalho e fluindo em rede com outros pontos do sistema, como mudanças nas ações e emoções de seus estudantes, o que retroalimentou o processo de transformação ocorrido na pesquisa-ação. A partir da discussão dos resultados, indicamos, em acordo com outras pesquisas na literatura, que o potencial de tecnologias digitais para o ensino e aprendizagem de línguas não está propriamente nelas, mas, nas ações, emoções e redes de relações colaborativas que podem ser propiciadas com elas.

PALAVRAS-CHAVE: tecnologias digitais; biologia do conhecer; pesquisa-ação; ensino-aprendizagem de línguas.

 

ABSTRACT:By looking at the experience of an English teacher-researcher during an action-research study, we consider how teaching/learning practices with digital technologies alongside with the reflection prompted by the research make available to us different phenomena that strengthen transformations within the teacher-researcher practice. In the light of the Biology of Cognition’s systems thinking (MATURANA, 2001), we argue that the teacher-researcher transformed her pedagogical practice in line with other phenomena of the system she is embedded in, and as emotions and human relations are favorable for it. With the use of the qualitative methodology, we approach the transformations within the systemic network and the representations of the experience by the teacher-researcher with the use of audio recordings of our meetings, written reports, a visual collage and an interview. The discussion of the results aims at bringing contributions to the field of teacher education and to language teaching mediated by digital technologies. Results indicate that the teacher-researcher reflects and innovates her practice grounded on changes in her emotions as she feels more confidence in her work and by flowing with changes in other threads of the system, such as changes in her students’ emotions and actions. It feed backed her process of transformation during the action-research. Based upon the results discussed, we indicate, in accordance with other research in the literature, that the potential of digital technologies to the teaching/learning of languages are not in the technologies themselves, but in the actions, emotions and the network of collaborative and open relations that may be afforded by them.

KEYWORDS: digital technologies; biology of cognition; action-research; teaching-learning of languages.


Palavras-chave


tecnologias digitais; biologia do conhecer; pesquisa-ação; ensino-aprendizagem de línguas

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, R. C. Cognição, Emoção e Reflexão na Sala de Aula: por uma abordagem sistêmica do ensino/aprendizagem de inglês. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, p. 101-122, 2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982005000200005. Acesso em: 30 mai. 2018.

ARAGÃO, R. Emoções e pesquisa narrativa: transformando experiências de aprendizagem. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p. 295-320, 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982008000200003. Acesso em: 30 mai. 2018.

ARAGÃO, R. C. Crenças, Cognição e Emoção no Ensino e na Aprendizagem de Línguas. In: SILVA, K. A. (Org.). Crenças, Discursos & Linguagem. Campinas: Pontes, 2010, p. 167-194.

ARAGÃO, R. C. Complexidade e Emoções no Desenvolvimento de Habilidades Orais em Inglês. Belo Horizonte, MG. Projeto de pesquisa. Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.

ARAGÃO, R. C.; DIAS, I. A. Redes Sociais na Internet e Aprendizagem de Línguas. Pontos de Interrogação: Revista de Crítica Cultural, Santa Catarina, v. 4, p. 87-98, 2014.

ARAGÃO, R.; DIAS, I. A. Facebook e emoções de estudantes no uso de inglês. In: J. ARAÚJO; V. LEFFA (Org.). Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender? São Paulo, Parábola Editorial, 2016, p. 111-118.

ARAGÃO, R. C. Pesquisa e Geração de Tecnologia Educacional em Ilhéus e Itabuna. Estudos IAT, v. 2, p. 190-205, 2012.

ARAGÃO, R. Emoções e ações de professores ao falar inglês no WhatsApp. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 17, n. 1, p. 83-112, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1984-6398201610396. Acesso em: 30 mai. 2018.

ARAUJO, M. M. S. A.; BONILLA, M. H. S; PRETTO, N. L. A Cultura da Liberdade de Criação e o Cerceamento Tecnológico e Normativo: potencialidades para autoria na educação. Educação Temática Digital, Campinas-SP, v. 18, p. 43-59-59, 2016.

BONILLA, M. H. S.; PRETTO, N. L. Movimentos colaborativos, tecnologias digitais e educação. Revista Em Aberto - INEP, v. 28, p. 23-40, 2015. Disponível em: http://www.publicacoes.inep.gov.br/portal/download/1322. Acesso em: 12 nov. 2017.

DIAS, I. A.; ARAGÃO, R. C. Multiletramentos, Facebook e ensino de inglês na escola pública. Calidoscópio, São Leopoldo-RS, v. 12, n. 3, p. 380-389, 2014. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/cld.2014.123.12. Acesso em: 30 mai. 2018.

ESTEBAN, M. P. S. Tradições na pesquisa qualitativa. In: ESTEBAN, M. P. S (Org.). Pesquisa Qualitativa em Educação. Rio de Janeiro: McGraw Hill, 2010. p. 12-38.

FARIA, H. O. Socializando e aprendendo: a incorporação da rede social Orkut ao ensino de língua inglesa – UFMG. 2010. Dissertação (Mestrado Linguística Aplicada) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/LETR-8TBPUY. Acesso em: 10 nov. 2017.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

MATURANA, H.; VARELA, F. A Árvore do Conhecimento. São Paulo: Palas Athena, 2001.

MATURANA, H. Uma Abordagem da Educação Atual na Perspectiva da Biologia do Conhecimento. In: MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998. p. 11-35.

MATURANA, H. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

MELLO, H; DUTRA D. P.; JORGE, M. Action research as a tool for teacher autonomy. D.E.L.TA., v. 24, n. esp., p. 513-528, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502008000300007. Acesso em: 10 nov. 2017.

MICCOLI, L. Ensino e aprendizagem de inglês: experiências, desafios e possibilidades. Campinas: Pontes Editores, 2010.

OLIVEIRA, A. L. A. M. A pesquisa-ação colaborativa e a prática docente localmente situada: dois estudos em perspectiva. Calidoscópio, v. 10, n. 1, p. 58-64, 2012. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/cld.2012.101.06. Acesso em: 08 out. 2017.

PAIVA, V. L. M. O. Letramento digital através de narrativas de aprendizagem de língua inglesa. Revista Crop, São Paulo, v. 12, p. 1-20, 2007. Disponível em: http://200.144.182.130/revistacrop/images/stories/edicao12/v12a01.pdf. Acesso em: 13 out. 2017.

PRETTO, N. L. O desafio de educar na era digital: Educações. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 24, n. 1, p. 95-118, 2011. Disponível em: www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rpe/v24n1/v24n1a05.pdf. Acesso em: 11 nov. 2017.

PRIMO, A. Interação mediada por computador. Porto Alegre: Sulina, 2007.

QUARTIERO, E. M.; BONILLA, M. H. S; FANTIN, M. Projeto UCA: entusiasmos e desencantos de uma política pública. Salvador: Edufba, 2015. v. 1. 241p.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009. Disponível em: http://www.redessociais.net/cubocc_redessociais.pdf. Acesso em: 16 jun. 2017.

RIBEIRO, A. E. Novas tecnologias para ler e escrever. Belo Horizonte: RHJ, 2012.

SIBILIA, P. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

VELOSO, M. M. S. A; BONILLA, M. H. S. O professor e a autoria em tempos de cibercultura: a rede da criação dos atos de currículo. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, p. 20-26, 2018.

VELOSO, M. M. S. A.; BONILLA, M. H. S. Práticas ciberculturais e a autoria do professor: as redes de criação educativas no cotidiano da escola. Revista Docência e Cibercultura, Rio de Janeiro, v. 1, p. 80-97, 2017.

VELOSO, M. M. S. A autoria do professor no contexto da cibercultura: redes da criação no cotidiano da escola. 2014. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal da Bahia.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3652.11.2.135-159

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
ISSN 1983-3652 (eletrônica)

Belo Horizonte - Minas Gerais (Brasil)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.