Sociedade da informação e linguagem: as novas tecnologias e o caminho para a construção de palavras e sentidos / The society of information and language: new technologies and ways to the construction of words and meanings

Vinícius Oliveira Braz Deprá

Resumo


RESUMO: A partir da sociedade pós-industrial, houve o delineamento de um novo paradigma social advindo da Sociedade da Informação, identificado especialmente pelas novas tecnologias e pelo impacto que a informação suscitou nos mais variados meios sociais. Nesse passo, quais seriam as relações existentes entre a Sociedade da Informação e o desenvolvimento da linguagem? Esse problema conduz a pesquisa, que buscará inicialmente contextualizar a sociedade da informação, para, em seguida, associá-la com os elementos da linguagem. Posteriormente, será analisado o relativismo linguístico e a ideia trabalhada por George Orwell em seu livro “1984”. Em seguida, fala-se sobre a Sociedade da Informação, novas tecnologias e o advento de novas palavras e sentidos. Para tanto, utiliza-se o método de abordagem dedutivo. O método de procedimento será o monográfico. Quanto à técnica, utiliza-se a documentação indireta (pesquisa bibliográfica). Ao final, o estudo permitiu indicar que existe uma relação direta e indissociável entre a Sociedade da Informação e o desenvolvimento da linguagem, especialmente pelas integrações globais das novas tecnologias. Além disso, a adoção de novos símbolos linguísticos é necessária para acompanhar a velocidade da tecnologia e da informação, diante da expansão de novas palavras e novos sentidos. Com isso, constatou-se que a Sociedade da Informação se constitui em um vasto campo para o desenvolvimento, marcado pela mobilidade linguística e pelos novos horizontes de palavras e sentidos.

 

PALAVRAS-CHAVE: sociedade da informação; linguagem; novas tecnologias; construção de palavras e sentidos.

 

ABSTRACT: After the post-industrial society, there was the design of a new social paradigm arising from the Society of Information, especially identified by new technologies and the impact that the information raised in various social media. In this step, which would be the relationship between the information society and the development of language? This problem leads to research that will initially seek to contextualize the society of information, to then associate it with the language elements. After, the linguistic relativism will be analyzed, as the idea worked by George Orwell in his book "1984". Then, it talks about the Society of Information, new technologies and the advent of new words and meanings. For this, it uses the deductive method of approach. The method of procedure will be the monographic one. As for the technique, the indirect documentation (literature) will be used. Finally, the study concluded that there is a direct and inseparable link between the Information Society and the development of language, especially the global integration of new technologies. Moreover, the adoption of new linguistic symbols is necessary to monitor the speed of technology and information, given the expansion of new words and new meanings. In addition, it was found that the Information Society constitutes a vast field for the development, marked by the linguistic mobility and new horizons of words and meanings.

 

KEYWORDS: society of Information; language; new technologies; construction of words and meanings.


Palavras-chave


sociedade da informação; linguagem; novas tecnologias; construção de palavras e sentidos

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMO, G. La Neologia Italiana: panorama histórico, procesos de formación y nuevas tendencias en los neologismos de la prensa. In: ALVES, I. M. (Org). Neologia e neologismo em diferentes perspectivas. São Paulo: Paulistana, 2010. p. 35-61.

ADOLFO, L. G. S. Globalização e Estado Contemporâneo. São Paulo: Memória Jurídica, 2001.

ADOLFO, L. G. S. Obras privadas, benefícios coletivos: a dimensão pública do direito autoral na sociedade da informação. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Ed., 2008.

ALVES, I. M. Neologia e tecnoletos. In: ISQUERDO, A. N.; OLIVEIRA, A. M. P. P. de. (Org.) As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2.ed. Campo Grande: UFMS, 2001. p. 23-29.

ALVES, I. M. Neologismo: Criação lexical. 2. ed. São Paulo: Ática, 1994.

ASCENSÃO, J. de O. Direito da Sociedade da Informação. Vol. VII. Coimbra: Coimbra Editora, 2008.

ASH, R. The Sapir-Whorf Hypothesis. 1999. Disponível em: http://www.angelfire.com/journal/worldtour99/sapirwhorf.html. Acesso em: 26 jun. 2016.

AXT, M. Linguagem e telemática: tecnologias para inventar-construir conhecimento. In: PELLANDA, N. M. C.; PELLANDA, E. C. (Org). Ciberespaço: um hipertexto com Pierre Lévy. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2000. p. 68-79.

BASILIO, M. Formação e classes de palavras no português do Brasil. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Edusp, 1996.

BROSS, F.; PFALLER, P. The decreasing Whorf-effect: A study in the classifier systems of Mandarin and Thai. Journal of Unsolved Questions. Mainz: Johannes Gutenberg University, v. 2, n. 2, p. 19-24, jul. 2012. Disponível em: http://www.junq.info/wp-content/uploads/downloads/2012/06/Whorf-effects.pdf. Acesso em: 10 out. 2018.

CARVALHO, N. M. A Criação Neológica. In: CRUZ, A. D.; SEIDE, M. S. (Org). Revista Trama, v. 2, n. 4, p. 191-123, 2º semestre de 2006. Cândido Rondon: UNIOESTE, 2006. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/download/681/574. Acesso em: 10 out. 2018.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura. v. 01: Sociedade em rede. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CARVALHO, N. O que é neologismo. São Paulo: Brasiliense, 1984.

FAIRCHILD, K. Dystopian Language and Thought: The Sapir-Whorf Hypothesis Applied to Created Forms of English. Student research Paper 7. Greencastle: DePauw University, 2014. Disponível em: http://scholarship.depauw.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1008&context=studentresearch. Acesso em: 15 jun. 2016.

FERKISS, V. C. O homem tecnológico: mito e realidade. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1976.

GADAMER, H.-G.. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 7ª ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

GILBERT, A. et all. Whorf hypothesis is supported in the right visual field but not the left, Bethesda: US National Library of Medicine, v. 103, n. 2, p. 489–494, 2006. Disponível em: http://www.pnas.org/content/103/2/489.full.pdf. Acesso em: 10 out. 2018.

GONÇALVES, M. E. Direito da Informação – novos direitos e formas de regulação na sociedade da informação. Coimbra: Almedina, 2003.

JOHNSON, S. Interface Culture: how new technology transforms the way we create and communicate. San Francisco: Basic, 1997.

KAY, P.; KEMPTON, W. What Is the Sapir-Whorf Hypothesis? Arlington: American Anthropological Association, 1984. Disponível em: http://www1.icsi.berkeley.edu/~kay/Kay&Kempton.1984.pdf. Acesso em: 10 out. de 2018.

KUHN, T. O caminho desde A Estrutura: ensaios filosóficos, 1970-1993. São Paulo: UNESP, 2006.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 5ª Ed. São Paulo: Loyola, 2003.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

LÉVY, P. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, 1996.

LÉVY, P.; AUTHIER, Michel. As árvores de conhecimentos. São Paulo: Escuta, 1995.

LOJKINE, J. A revolução Informacional. 3ª. Edição. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

MAGLIAVACCA, L. de A. A virtualização do processo como meio de concretização do direito fundamental à razoável duração do processo na sociedade da informação. In: ADOLFO, L. G. S. (Org.). Direitos Fundamentais na Sociedade da Informação. Florianópolis: UFSC/GEDAI, 2012. p. 67-89.

MATURANA, H. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

ORWELL, G. 1984. New York: Penguin Press, 1990.

PALMER, R. Hermenêutica. Lisboa: Edições 70, 2009.

PEZZELLA, M. C. C.; CAMARGO, R. A. L. Sociedade da Informação e as Redes Sociais. Rio Grande: JURIS – Revista da Faculdade de Direito, 2009. Disponível em: https://www.seer.furg.br/juris/article/view/3208/1867. Acesso em: 10 out. 2018.

PINKER, S. Words and rules: the ingredientes of language. New York: Harper Collins, 1999.

PLONSKI, G. A. Questões tecnológicas na sociedade do (des)conhecimento. In: SANTOS, L. W. dos [et al] (Org). Ciência, tecnologia e sociedade: o desafio da interação. Londrina: IAPAR, 2004. p. 83-99.

SIMON, I.; VIEIRA, M. S.; PRETTO, N. De L. (Org.) Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: EDUFBA, 2008.

SIQUEIRA, J. C. Neologismos na Ciência da Informação. 2015. 179 f. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Filologia e Língua Portuguesa, Universidade de São Paulo: São Paulo, 2015.

TORRANO, S. D. P. Produtividade e Criatividade do Léxico: os neologismos na área da informática. Dissertação. 2010. 123 f. (Dissertação). Programa de Pós-Graduação em Filologia e Língua Portuguesa, Universidade de São Paulo: São Paulo, 2010.

TRIVINHO, E. Redes: Obliterações no fim do século. São Paulo: Annablume, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3652.11.3.89-101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
ISSN 1983-3652 (eletrônica)

Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais

Belo Horizonte - Minas Gerais (Brasil)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.