Telejornalismo além da TV: uma discussão sobre os territórios contemporâneos da notícia / Telejournalism beyond TV: a discussion about the news’s contemporary territories

Iana Coimbra

Resumo


RESUMO: Neste artigo discutimos sobre o telejornalismo contemporâneo a partir da compreensão de que, ao passar por processos de convergência, ele não se limita mais ao ambiente televisivo. À medida que é inserido no ambiente virtual, ele rompe com o território hegemônico de origem, se torna um objeto digital e busca ocupar outros espaços e plataformas, incorporando estratégias e narrativas crossmidiáticas e transmidiáticas para informar. A partir de uma abordagem teórico-conceitual, discute-se como os conteúdos telejornalísticos transformados em objetos digitais passam a se abrigar, circular e flutuar pelo Facebook, Twitter e Instagram. Destaca-se como ponto relevante encontrado no estudo o processo de transição enfrentado pela TV como um território para receber e distribuir a informação nos lares, confrontado pelo surgimento dos meios digitais, que trazem uma força contrária, e espalham esses conteúdos em espaços diversos, num agenciamento desterritorializante da notícia. Logo, os grupos de comunicação buscam alcançar o público onde ele estiver, por meio de estímulos variados, o que também modifica o indivíduo de telespectador a espectador convergente.

PALAVRAS-CHAVE: telejornalismo; territórios; convergência; redes sociais; objetos digitais.

 

ABSTRACT: In this article we discuss about contemporary telejournalism, from the understanding that, when going through processes of convergence, it is no longer limited to the television environment. As it is inserted in the virtual environment, it breaks with the hegemonic territory of origin, becomes a digital object and seeks to occupy other spaces and platforms, incorporating crossmedia and transmedia narratives to inform. From a theoretical-conceptual approach, it is discussed how the telejournalistic contents transformed into digital objects shelters, circulates and floats through Facebook, Twitter and Instagram. The transition process faced by TV as a territory to receive and distribute information in homes, confronted by the emergence of digital media, brings with it a counter force, and spread these contents in different spaces, in a deterritorializing news agency. Therefore, the communication groups seek to reach the audience where it is, by means of varied stimuli, which also modifies the viewer's individual into a convergent viewer.

KEYWORDS: telejournalism; territories; convergence; social media; digital objects.



Palavras-chave


telejornalismo; territórios; convergência; redes sociais; objetos digitais

Texto completo:

PDF

Referências


ALZAMORA, G. C. Televisão em Semiose: mídia, intermídia, transmídia. São Paulo, Anais da Compós: 2017.

ALZAMORA, G.; TÁRCIA, L. Convergência e transmídia: galáxias semânticas e narrativas emergentes em jornalismo. Brazilian Journalism Research. v. 8, n. 1, 2012.

BECKER, B. Televisão e telejornalismo: transições. Estação das letras e cores. São Paulo, 2016.

BRUNS, A. Blogs, wikipedia, second life and beyond: from production to produsage. New York: Peter Lang, 2008.

CANAVILHAS, J. Journalism in the twenty-first century: to be or not to be transmedia? In.: GAMBARATO, R. R.; ALZAMORA, G. C. (Org). Exploring transmedia journalism in the digital age. IGI Global, 2018, p. 01-14.

CANNITO, N. A TV na era digital: interatividade, convergência e novos modelos de negócio. Summus Editorial, 2010.

CARLÓN, M. En el ojo de la convergencia: los discursos de los usuarios de Facebook durante la transmissión televisiva de votación de la ley de matrimonio igualitario. In: CARLÓN, M.; FAUSTO NETO, A. (Ed.). Las políticas de los internautas: nuevas formas de participación. Buenos Aires: La Crujía, 2012, p. 173-194.

CARLÓN, M. Repensando os debates anglo-saxões e latino-americanos sobre “o fim da televisão”. In.: CARLÓN, M.; FECHINE, Y. (Org.). O fim da televisão. Confraria do vento: Rio de Janeiro, 2014, p. 11-33.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Volume 4. Editora 34: São Paulo, 1997.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia. Editora 34. São Paulo, 2004.

FECHINE, Y. Elogio à programação: repensando a televisão que não desapareceu. In.: CARLÓN, M.; FECHINE, Y. (Org.). O fim da televisão. Confraria do vento: Rio de Janeiro, 2014, p. 114-131.

FECHINE, Y.; MOREIRA, D. G. Dispositivo midiático de participação nas interações transmídias: explorando o conceito a partir das ações da Rede Globo no seriado Malhação. Galaxia. São Paulo, 2016.

FECHINE, Y.; RÊGO, S. C. R. Estratégias transmídias e construção do éthos do telejornal: o caso do Jornal da Record News. In: XXVI Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação – Compós, 2017, São Paulo. Anais da Compós 2017. São Paulo: Compós, 2017. v. 1. p. 1-15.

FINGER, C. Crossmedia e transmedia: desafios do telejornalismo na era da convergência digital. In: En Questão, Porto Alegre. V. 18, n. 2, p. 121-132, jul/dez.2012.

FINGER, C. O telejornalismo agora está no Facebook: uma narrativa da reportagem de televisão para as redes sociais. In: XL Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação -INTERCOM, 2017, Curitiba. Anais do XL INTERCOM. Curitiba: INTERCOM, 2017. p. 1-15.

FINGER, C.; SOUZA, F. C. de. Uma nova forma de ver TV no sofá ou em qualquer lugar. Revista Famecos: mídia cultura e tecnologia. Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 373-389, maio/agosto, 2012.

HUI, Y. What is a digital objetct. In: MONNIN, A.; HALPIN, H. (Ed.). Metaphilosophy 43, p. 380-395, jul. 2012.

HUI, Y.; LOVINK, G. Digital objects and metadata scheme. E-flux journal. N. 78. 2016. Disponível em: https://www.e-flux.com/journal/78/82706/digital-objects-and-metadata-schemes/. Acesso em: 09 dez. 2018.

JENKINS, H. A cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

MACHADO, A. O sujeito no ciberespaço: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1969.

PATERNOSTRO, V. Í. O texto na TV: Manual de telejornalismo. Editora Campus, Rio de Janeiro, 1999.

PAULINO, R. de C.; EMPINOTTI, M. L.; PORTO, N. Possibilidades de integração entre televisão e gadgets móveis: uma experiência de segunda tela. In: EMERIM, C.; PAULINO, R. (Org.) Ensaios sobre televisão e telejornalismo. Florianópolis: Insular, 2013, p. 63-76.

PELBART, P. P. In.: DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Volume 4. Editora 34: São Paulo, 1997, p. 05-06.

PRIMO, A. Interações mediadas e remediadas: controvérsias entre as utopias da cibercultura e a grande indústria midiática. In: PRIMO, A. (Org.). Interações em rede. Porto Alegre: Sulina, 2013, p. 13-32.

SCOLARI, C. Hipermediaciones. Elementos para una teoría de la comunicación digital interativa. Gedisa editorial. Barcelona, 2008.

SILVERSTONE, R. Por que estudar a mídia? 3ed. São Paulo: Loyola, 2002.

SILVERSTONE, R. Televisión y vida cotidiana. Trad. Alcira Bixio. Buenos Aires: Amorrortu Editores, 1996.

VEGLIS, A. From cross media to transmedia reporting in newspaper articles. Publishing Research Quarterly, v. 28, n. 4, p.313-3242012.

WILLIAMS, R. Televisão: tecnologia e forma cultural. PucMinas. Belo Horizonte, 2016.

ZOURABICHVILI, F. O vocabulário de Deleuze. Tradução André Telles. Rio de Janeiro, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3652.11.3.281-295

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
ISSN 1983-3652 (eletrônica)

Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais

Belo Horizonte - Minas Gerais (Brasil)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.