Guará, o craque que não foi: ficção e história na biografia esportiva / Guará, the Striker Who Was Not: Fiction and History in Sports Biography

Marcelino Rodrigues da Silva

Resumo


Resumo: Tendo como pano de fundo o debate mais amplo sobre as fronteiras entre a literatura e a história, o artigo pretende discutir a presença do discurso biográfico no jornalismo e na cultura esportiva brasileira. Para isso, lança mão de referências teóricas sobre a narrativa e a biografia, colhidas tanto no campo dos estudos literários quanto no dos estudos históricos. Do trabalho dos historiadores, vem a percepção do caráter narrativo das representações do passado, bem como a reflexão sobre as diferentes formas de articular as trajetórias individuais focalizadas pela biografia e as experiências coletivas visadas pela historiografia. Do campo literário, são trazidas para o debate discussões sobre a ficção e suas relações com a realidade, as ligações entre biografia e outras formas literárias e o conceito de “ficção biográfica”, por meio do qual se evidencia a dimensão ficcional das narrativas biográficas e se questiona a tradição heroica da biografia histórica. Busca-se, desse modo, construir uma perspectiva analítica a partir da qual seja possível compreender melhor os sentidos e as funções da escrita biográfica na constituição do imaginário esportivo. Como exemplo das possibilidades abertas por essa perspectiva, são brevemente analisados alguns textos de caráter biográfico sobre a trajetória de Guará, jogador do Clube Atlético Mineiro nos anos 1930 que despontou para o estrelato e teve sua ascensão dramaticamente interrompida por um violento choque com o destino.

Palavras-chave: biografia; esporte; ficção; herói; homem comum.

Abstract: This paper intends to discuss the presence of the biographical discourse in Abstract: This paper intends to discuss the status of the biographical discourse in journalism and in the Brazilian sports culture. Its background comprises the broader debate on the borders between literature and history. To that end it uses theoretical references about narrative and biography, collected both in the field of literary and historical studies. From the historians’ work arises the perception of the narrative quality in past representations; the reflection on the different forms of articulating individual trajectories, focused on by biographies, as well as the collective experiences viewed by historiography. Literary studies foster discussions about fiction and its relationships with reality, as well connections between biographies and other literary forms. Through the concept of “biographical fiction” the fictional dimension of biographical narratives is made evident, and the heroic tradition of historical biographies is questioned. Therefore, this is an attempt to construct an analytical perspective from which it would be possible to better understand the meanings and functions of biographical writing in the formation of sports imagination. As an example of the possibilities unfolded by this perspective, the author briefly analyzes biographical texts about the trajectory of Guará, a player for the Atlético Mineiro Club in the 1930s, who reached stardom and whose ascension was dramatically interrupted by a violent clash with destiny.

Keywords: biography; sports; fiction; hero; common man.


Palavras-chave


biography; sports; fiction; hero; common man; biografia; esporte; ficção; herói; homem comum..

Texto completo:

PDF

Referências


ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução de Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

BARROSO, Ary. Prefácio. In: HENRIQUES, Antônio Tibúrcio. Cabeçada fatal. Belo Horizonte: Banco Mineiro do Oeste, 1968. p. 3-5.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Coord.). Usos e abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p. 183-191.

DOSSE, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. Tradução de Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: EDUSP, 2009.

EU sou Jaguarão, o preto que tem shoot de branco. O Globo, Rio de Janeiro, 17 jun. 1931, p. 8.

HENRIQUES, Antônio Tibúrcio. Cabeçada fatal. Belo Horizonte: Banco Mineiro do Oeste, 1968.

ISER, Wolfgang. Os atos de fingir ou o que é fictício no texto ficcional. In: LIMA, Luiz Costa (Org.). Teoria da literatura em suas fontes. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. v. 2, p. 955-987.

LEÔNIDAS conta sua vida nas canchas de football. O Globo, Rio de Janeiro, 17 set. 1931, p. 8.

LEVI, Giovanni. Usos da biografia. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Coord.). Usos e abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p. 167-182.

LORIGA, Sabina. A biografia como problema. In: REVEL, Jacques (Org.). Jogos de escalas: a experiência da microanálise. Tradução de Dora Rocha. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getulio Vargas, 1998. p. 225-249.

MONLUÇON, Anne-Marie; SALHA, Agathe. Introduction. Fictions biographiques XIXe-XXIe siècles: un jeu sérieux? In: ______ (Org.). Fictions biographiques: XIXe-XXIe siècles. Toulouse: Presses Universitaires du Mirail, 2007. p. 7-32.

TAVARES, Cláudio. O romance de Guará. O Diário Esportivo, Belo Horizonte, 2 ago. 1945, p. 5.

UM DOMINGO com Guará. Alterosa, Belo Horizonte, ano 1, n. 1, p. 48-49, ago. 1939.

WHITE, Hayden. O texto histórico como artefato literário. In: WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. Tradução de Alípio Correia de Franca Neto. São Paulo: EDUSP, 1994. p. 97-116.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.26.3.157-174

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Marcelino Rodrigues da Silva



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.