Drácula: Um Flâneur na Londres Vitoriana - O Vampiro no Imaginário Vitoriano e o Ambiente da Grande Cidade do Fin-de-Siècle

Alexandre Sobreira Martins

Resumo


O romance Dracula, de Bram Stoker, oferece um reflexo de determinados valores da sociedade burguesa da era vitoriana inerentes à estrutura social do ambiente urbano da grande cidade no jin-de-siecle. Ao adotar o discurso que a literatura toma emprestado à ciência no século XIX, Dracula se estabelece como uma representação do imaginário burguês vitoriano que reflete a indiferença da multidão urbana pelos indivíduos que a compõem, indiferença que transforma essa multidão massificada no meio ideal para o florescimento do crime. Essa situação cria, também, um terreno fértil para o surgimento do romance policial, além
de refletir a necessidade, gerada por essa mesma indiferença, de o indivíduo destacar-se na multidão, promovendo, assim, seu reconhecimento através do olhar do outro.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.5.0.291-298

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 1997 Alexandre Sobreira Martins



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.