O virtual que falta ao visual: uma leitura de Lisbon Story

Ângela Cristina Salgueiro Marques

Resumo


Resumo: O filme Lisbon Story, de Wim Wenders, expõe o processo do fazer imagético e suas imbricações com o cotidiano da cidade de Lisboa. Através desse filme e de outras questões pretendo apontar que o caráter de visibilidade das imagens está carente da manifestação de sua virtualidade, ou seja, de seu potencial criativo e da força que transcende a imagem rumo à alteridade.

Palavras-chave: virtual; visual; imagem; cinema; olhar.

Abstract: The film Lisbon Story by Wim Wenders shows the process of making through images and its relationship to the everyday life of Lisbon. I intend to point out, analysing the film and other questions, that the visible character of the images is lacking the manifestation of their virtuality, that is, is lacking the creative potential and the power that transcends the image and directs itself to alterity.

Keywords: virtual; visual; image; cinema; look.


Palavras-chave


virtual; visual; image; cinema; look.

Texto completo:

PDF

Referências


BUCHKA, Peter. A energia da vida. In: Olhos não se compram: Wim Wenders e seus filmes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CARVALHO, Sérgio Lage. A saturação do olhar e a vertigem dos sentidos. Revista USP. São Paulo, n. 32, p. 126-155, dez/fev. 1996-1997.

DEBRAY, Regis. Vida e Morte da Imagem: uma história do olhar no Ocidente. Petrópolis: Vozes, 1994.

ISHAGHPOUR, Yossef. A modernidade no cinema. Novos Estudos Cebrap. São Paulo, n. 9, p. 56-61, jul. 1984.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1997.

PARENTE, André. A imagem virtual, auto-referente. Revista Imagens, Campinas, n. 3, dez. 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.8.0.186-193

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2001 Ângela Cristina Marques



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.