Da pobreza das imagens à música das palavras

Denilson Lopes

Resumo


Resumo: Podem os filmes aprender algo da literatura? Sem uma discussão teórica, o romance Onde andará Dulce Veiga? de Caio Fernando Abreu respondeu esta questão. Ele representa uma passagem do mundo do simulacro, cheio de imagens banais e jogos metatextuais, tão comuns nos anos 80, para um desejo de contar de novo estórias comuns, presente nos anos 90. Sem negar as imagens midiáticas, uma narrativa contemporânea no cinema e na literatura é redefinida pela procura de uma escritura afetiva.

Palavras-chave: cinema; literatura; Caio Fernando Abreu.

Abstract: Can movies learn anything from literature? Without a theoretical discussion, the novel Onde andará Dulce Veiga? by Caio Fernando Abreu has answered this question. It represents a passage from a world of simulacrum, full of banal images and metatextual games so common in the 80’s, to a desire of retold again ordinary stories, present in the 90’s. Without a denial of mass media images, a contemporary narrative both in cinema and in literature is redefined by the search of an affective writing.

Keywords: cinema; literature; Caio Fernando Abreu.


Palavras-chave


cinema; literature; Caio Fernando Abreu.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Caio Fernando. Os dragões não conhecem o paraíso. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

ABREU, Caio Fernando. Ovelhas negras. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 1995.

ABREU, Caio Fernando. Onde andará Dulce Veiga?. 2. reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

AVELLAR, José Carlos. O cego às avessas. Cinema, Rio de Janeiro, Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro, n.1, 1994.

BAUDRILLARD, Jean. A arte da desaparição. Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 1997.

BENJAMIN, Walter. Experiência e Pobreza. In: ______. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BERNARDET, Jean Claude. Os jovens paulistas. In: BERNARDET, Jean Claude. O desafio do cinema. São Paulo: Jorge Zahar, 1985.

COSTA, Jurandir Freire. Prefácio. In: ORTEGA, Francisco. Amizade e estética da existência. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

ERIBON, Didier. Michel Foucault e seus contemporâneos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

FERRAZ, Eucanãa. Morangos com Creme. In: MORICONI, Ítalo (Org.). Caio Fernando Abreu: palavra e pessoa. (Manuscrito, 2000.)

FOUCAULT, Michel. De l’amitié comme mode de vie. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits. Paris, Gallimard, 1994. v. 4.

GOLDING, Nan. The ballad of sexual depedency. New York: Aperture Foundation, 1986.

HALPERIN, David. Saint Foucault. Oxford: Oxford University Press, 1995.

KOESTENBAUM, Wayne. Queen’s throat. New York: Vintage, 1993.

MORENO, Antonio. A personagem homossexual no cinema brasileiro. 1995. Dissertação (Mestrado) - Unicamp, Campinas, 1995.

MORICONI, Ítalo. Caio Fernando Abreu: palavra e pessoa. (Manuscrito, 2000.)

MORIN, Edgar. As estrelas. Mito e sedução no cinema. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989.

NAZAR, Sérgio. Mais além da ilusão. In: MORICONI, Ítalo. Caio Fernando Abreu: palavra e pessoa. (Manuscrito, 2000.)

ORTEGA, Francisco. Para uma política da amizade. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

PARENTE, André. Ensaios sobre o cinema do simulacro. Rio de Janeiro: Pazulin, 1998.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Ver o invisível: a ética das imagens. In: NOVAES, Adauto (Org.). Ética. 5. reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

RAMOS, Fernão. A dama do Cine Shangai. In: LABAKI, Amir (Org.). O cinema dos anos 80. São Paulo: Brasiliense, 1991.

SILVA, Wilson da. Uma poética do desejo: o cinema de Pedro Almodóvar na transição espanhola. 1999. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São PauloK 1999.

XAVIER, Ismail. O cinema brasileiro dos anos 90. Praga. n. 9, jun. 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.8.0.213-222

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2001 Denilson Lopes



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.