Um Sexta-Feira que se chamava Dos: Adolfo Bioy Casares e a tradição das literaturas de língua inglesa / A Friday Who Was Called Dos: Adolfo Bioy Casares and the Literary Tradition in the English Language

Letícia Malloy

Resumo


Resumo: Este artigo tem o objetivo de examinar diálogos entre a tradição das literaturas de língua inglesa, os romances La invención de Morel e Plan de evasión e, notadamente, o conto “Un perro que se llamaba Dos”, do escritor argentino Adolfo Bioy Casares. Para isso, toma-se como ponto de partida o contexto de ascensão do romance inglês, em que se verificam mudanças socioculturais engendradas pelo puritanismo, pelo individualismo e pelo capitalismo nascente, e as relações entre tal contexto e o fazer literário. Além de levar em conta aspectos constantes de Robinson Crusoé, de Daniel Defoe, o estudo analisa modulações do romance inglês verificadas em Narrativa de Arthur Gordon Pym, de Edgar Allan Poe, A ilha do tesouro, de Robert Louis Stevenson, e A ilha do dr. Moreau, de H. G. Wells, para refletir sobre suas interlocuções com a narrativa de Adolfo Bioy Casares.

Palavras-chave: Adolfo Bioy Casares; tradição literária; romances de língua inglesa; romance argentino; conto argentino.

Abstract: This article situates the novels La invención de Morel and Plan de evasión and the short story “Un perro que se llamaba Dos” (1967), all by Argentine author Adolfo Bioy Casares, in relation to the rise of the English prose narrative and the novel in the UK and the US. From their beginnings, short stories, novellas, and novels register sociocultural changes engendered by puritanism, individualism, and capitalism. This article references Daniel Defoe’s Robinson Crusoe, Edgar Allan Poe’s The Narrative of Arthur Gordon Pym of Nantucket, Robert Louis Stevenson’s Treasure Island, and H. G. Wells’s The Island of Doctor Moreau in establishing a context for an analysis of the form and content of Adolfo Bioy Casares’s narrative.

Keywords: Adolfo Bioy Casares; literary tradition; novels in English; Argentine novel; Argentine short story.


Palavras-chave


Adolfo Bioy Casares; literary tradition; novels in English; Argentine novel; Argentine short story; tradição literária; romances de língua inglesa; romance argentino; conto argentino;

Texto completo:

PDF

Referências


BIOY CASARES, Adolfo. El gran Serafín. 2. ed. Buenos Aires: Emecé, 1999.

BIOY CASARES, Adolfo. La invención de Morel. 5. ed. Buenos Aires: Emecé, 1972.

BIOY CASARES, Adolfo. Obras completas de Adolfo Bioy Casares. Organização de Daniel Martino. Tradução de Sergio Molina et al. São Paulo: Globo, 2014. v. 1.

BIOY CASARES, Adolfo. Plan de evasión. 6. impr. Buenos Aires: Emecé, 2000.

BIOY CASARES, Adolfo. Resenha sobre “El jardín de senderos que se bifurcan”. Sur, Buenos Aires, n. 92, p. 60-65, maio 1942 apud LEVINE, Suzanne Jill. Guía de Adolfo Bioy Casares. Madrid: Editorial Fundamentos, 1982.

BLOCK DE BEHAR, Lisa. Nuevas versiones de un pacto fáustico. In: TORO, Alfonso de; REGAZZONI, Susanna. Homenaje a Adolfo Bioy Casares: una retrospectiva de su obra. Literatura. Ensayo. Filosofía. Teoría de la Cultura. Crítica literaria. Madrid: Iberoamericana; Frankfurt am Main: Vervuert, 2002. p. 23-39.

BREMER, Francis J. Puritanism. A Very Short Introduction. Oxford, New York: Oxford University Press, 2009.

CALVINO, Italo. “Robinson Crusoe”, o diário das virtudes mercantis. In: ______. Por que ler os clássicos. Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. p. 104-109.

COSTA LIMA, Luiz. O controle do imaginário & a afirmação do romance: Dom Quixote, As relações perigosas, Moll Flanders, Tristam Shandy. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

DEFOE, Daniel. Robinson Crusoe. Edited with an Introduction by Thomas Keymer. Oxford, New York: Oxford University Press, 2007. (Oxford World’s Classics).

DEFOE, Daniel. Robinson Crusoé. Tradução de Domingos Demasi. Rio de Janeiro: Record, 2004.

LAFON, Michel. Hoy, en esta isla. Discours de réception d’Adolfo Bioy Casares à l’Université Stendhal de Grenoble, à l’occasion de son Doctorat “honoris causa” (09 novembre 1993). Sociocriticism, Montpellier, v. VIII, 2, n. 16, p. 153-160, 1994.

LEVINE, Suzanne Jill. Guía de Adolfo Bioy Casares. Madrid: Editorial Fundamentos, 1982.

POE, Edgar Allan. A narrativa de Arthur Gordon Pym. 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2010. (Coleção Prosa do Mundo).

POE, Edgar Allan. The Narrative of Arthur Gordon Pym of Nantucket. New York: Harper & Brothers, 1838. Disponível em: https://archive.org/details/narrativgord00poerich. Acesso em: 9 set 2014.

SHAKESPEARE, William. A tempestade. In: ______. Comédias: teatro completo. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Rio e Janeiro: Agir, 2008.

SHAKESPEARE, William. The Tempest. Edição de Philip Brockbank e Peter Hollindale. London, Basingstoke: Macmillan Education, 1975. (The Macmillan Shakespeare).

STEVENSON, Robert Louis B. A ilha do tesouro. Tradução de William Lagos. Porto Alegre: L&PM, 2011.

STEVENSON, Robert Louis B. Treasure Island. New York, London: Sterling, 2004.

WATT, Ian. A ascensão do romance. Estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

WELLS, H. G. A ilha do dr. Moreau. Tradução, prefácio e notas de Braulio Tavares. Rio de Janeiro: Alfaguara, Objetiva, 2012.

WELLS, H. G. The Island of Dr. Moreau; A Possibility. New York: Stone & Kimball, 1898. Disponível em: https://archive.org/details/islandofdoctormo00welluoft. Acesso em: 9 set 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.28.3.103-119

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Letícia Malloy

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.