A terra, a tela e a letra

Susanna Busato Feitosa

Resumo


Este estudo visa elaborar uma leitura dos aspectos semióticos que organizam os espaços de significação no processo da formação cultural brasileira a partir dos processos tradutórios realizados por parte das expedições exploratórias que para os trópicos vieram. Investigam-se, assim, por meio de relações em nível paradigmático e sintagmático, as produções pictóricas dos artistas viajantes dos séculos XVII, Albert Eckhout e Frans Post, e as produções poéticas barrocas de Gregório de Matos, Manuel Botelho de Oliveira e Manuel de Santa Maria Itaparica.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA, Afonso. O lúdico e as projeções do mundo barroco. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1980.

BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. O Brasil dos viajantes. São Paulo: Fundação Oderbrecht / Metalivros, 1994.

CAMINHA, Pero Vaz de. Carta a El-Rei D. Manuel sobre o achamento do Brasil. In: Aguiar, Flávio (Org.). Com palmas medida: terra, trabalho e conflito na literatura brasileira. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo/Boitempo, 1999.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000.

ENCICLOPÉDIA DE ARTES PLÁSTICAS. www.itaucultural.org.br.

GIMENEZ, José Carlos. A presença do imaginário medieval no Brasil colonial: descrições dos viajantes. Acta Scientiarum. Maringá, v. 23, n. 1, p. 207-213, 2001.

HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). Antologia dos poetas brasileiros da fase colonial. São Paulo: Perspectiva, 1979.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do Paraíso. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

ITAPARICA, Manuel de Santa Maria. Descrição da Ilha de Itaparica. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). Antologia dos poetas brasileiros da fase colonial. São Paulo: Perspectiva, 1979, p. 141-158.

LAGO, Pedro Corrêa do. Mostra do redescobrimento, 2000, São Paulo: o olhar distante. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo; Associação Brasil 500 anos: Artes Visuais, 2000.

LIMA, Lezama. A expressão americana. Trad. Irlemar Chiampi. São Paulo: Brasiliense, 1988.

LOTMAN, Yuri. Semiótica de la cultura. Trad. Desiderio Navarro. Madri: Ediciones Cátedra, 1979.

MATOS, Gregório de. Descreve a Ilha de Itaparica com sua aprazível fertilidade, e louva de caminho ao Capitão Luís Carneiro, homem honrado e liberal, em cuja casa se hospedou. In: MATOS, Gregório de. Poemas Escolhidos. Org. José Miguel WISNIK. São Paulo: Cultrix, [s.d.]. p. 195.

MORIN, Edgar. La Méthode 4 – Les Idées. Paris: Seuil, 1991.

OLIVEIRA, Botelho de. A Ilha de Maré. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). Antologia dos poetas brasileiros da fase colonial. São Paulo: Perspectiva, 1979, p. 109-118.

PEREIRA, Marco Aurélio Monteiro; IEGELSKI, Francine. O Paraíso Terrestre: Os Campos Gerais do Paraná no relato de Auguste de Saint Hilaire. Revista de História Regional, v. 7, n. 1, p. 47-72, Verão 2002.

STADEN, Hans. A verdadeira história dos selvagens, nus, ferozes devoradores de homens. Trad. Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Dantes, 1999.

THEODORO, Janice. América barroca. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira; São Paulo: EDUSP, 1992.

THEVET, André. As singularidades da França Antártica. Trad. Eugênio Amado. São Paulo: EDUSP, 1978.

VENTURA, Roberto. País tropical: a natureza como pátria. Revista Remate de Males. Campinas, v. 7, p. 27-38, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.14.2.198-210

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2006 Susanna Busato Feitosa



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.