"Nascido em berço esplêndido e caído em desgraça": identidade e diáspora em O último suspiro do mouro, de Salman Rushdie

Telma Borges

Resumo


Resumo: Na literatura contemporânea o diálogo entre o centro e as margens, canônico e não - canônico reflete as profundas alterações histórico-sociais sentidas a partir da segunda metade do século vinte, mas fundamentadas em séculos de colonização e de recusa do Ocidente em aceitar o Outro. Este ensaio tem por objetivo realizar uma leitura de O último suspiro do mouro, de Salman Rushdie, a partir dos conceitos de diáspora e de identidade problematizados na narrativa juntamente com a noção de bastardia.

Palavras-chave: identidade; diáspora; bastardia.

Abstract: In contemporary literature dialogue between center and edges, canonic and noncanonic reflects the deep social and historical transformations, mainly from the second half of the twentieth century, but based on centuries of settling and refusal of the East on accepting the Other. This essay aims to carry through a reading of Salman Rushdie’s The moor’s last sigh from the concepts of diaspora and identity in the narrative with the bastardy notion.

Keywords: identity; diáspora; bastardy.


Palavras-chave


identidade; diáspora; bastardia; identity; diáspora; bastardy.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Maria Fernanda de. Cervantes no romantismo português: cavaleiros andantes, manuscritos encontrados e gargalhadas moralíssimas. Lisboa: Editorial Estampa, 1997. (Coleção Leituras, 8).

BENJAMIN, W. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio P. Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 197-221.

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. In: Cadernos do Mestrado/Literatura. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1994. [Traduzido por um grupo de alunos de pós-graduação em Literatura Brasileira do Instituto de Letras da UERJ, e revisto por Johannes Kretschmer].

BHABHA, Homi. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila et al. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998. (Coleção Humanitas).

COHN-SHERBOK, Dan. Judaísmo. Lisboa: Edições 70, 1999. (Coleção Religiões do Mundo).

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 14. ed. Trad. Lígia M. Pondé Vassallo. Petrópolis: Vozes, 1987.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Organização de Liv Sovik. Trad. Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed. Trad. Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

MOURÃO, José Augusto. Tradição oral e literatura bíblica. Revista da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Identidade, tradição e memória, Lisboa, n. 9, p. 163-175, 1996.

RAMOS, José Augusto Martins. Judaísmo e mediterrâneo: espaço, identidade e fronteiras. In: VENTURA, Maria da Graça Mateus (Org.). O Mediterrâneo ocidental: identidades e fronteira. Lisboa: Colibri, 2002. p. 65-83.

RUSHDIE, Salman. Sonho de um retorno glorioso. Folha de S. Paulo, São Paulo, 7 jan. 2001, p. 5. Caderno Mais.

RUSHDIE, Salman. O último suspiro do mouro. Trad. Paulo Henriques Britto. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

RUSHDIE, Salman. Pátrias imaginárias: ensaios e textos críticos 1981-1991. Trad. Helena Tavares et al. Lisboa: Dom Quixote, 1994.

ROTH, Cecil. História dos marranos: os judeus secretos da Península Ibérica. Trad. José Saraiva. Porto: Civilização, 2001.

VERTOVEC, Steven; COHEN. Robin. Migration, diasporas and transnationalism. 1999. (Não publicado).

VERTOVEC, Steven. Three meanings of “diaspora”, exemplified among South Asian religions. 1999. (Não publicado).




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.15.1.131-142

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2007 Telma Borges



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.