Tempo e drama: do presente absoluto à simultaneidade de temporalidades / Time and Drama: From the Absolute Present Tense to the Simultaneity of Temporalities

Rodrigo Alves do Nascimento, Bruno Barreto Gomide

Resumo


Resumo: Na virada do século XIX para o século XX emergiu um tipo de dramaturgia na qual a experiência temporal dos personagens passava a ser elemento temático decisivo. Do mesmo modo, o próprio tempo se tornava um problema formal, visível e produtivo. Tal processo é patente nas peças de Ibsen, Maeterlinck e Strindberg, que romperam com a tradição neoclássica, então pautada por uma temporalidade discreta, quase invisível, em que o drama e a própria representação cênica se fechavam à experiência de um presente absoluto. Dentro desse impulso de renovação, as peças de Tchékhov – em especial As Três Irmãs – tiveram papel crucial. Como veremos, elas acomodaram na tessitura dramática uma simultaneidade de temporalidades, levaram o realismo ao seu limite e desestabilizaram a própria relação entre o tempo do texto e o tempo da cena.

Palavras-chave: tempo; drama; Anton Tchékhov; As Três Irmãs.

Abstract: At the turn of the twentieth century a new form of dramaturgy emerged in which the characters’ temporal experience became a decisive thematic element. Likewise, time itself became a formal problem that was both visible and productive. Such a process is evident in Ibsen’s, Maeterlinck’s and Strindberg’s plays, which led to decisive breakthroughs in the neoclassical theater tradition guided by a temporality in which drama and scenic representation were enclosed to the experience of an absolute present. Within this impulse of renewal, Anton Chekhov’s plays – The Three Sisters in particular – had a crucial role. As we shall see, these plays accommodated simultaneity of temporalities in their dramatic threat. Furthermore, such pieces also brought realism to its limits and destabilized the very relation between the time of the text and the time of the scene.

Keywords: time; drama; Anton Chekhov; The Three Sisters.


Palavras-chave


tempo; drama; Anton Tchékhov; As Três Irmãs; time; drama; Anton Chekhov; The Three Sisters.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Poética. Organon. Política. Constituição de Atenas. Tradução de Baby Abrão. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

BARRY, J. Dramatic Structure: the shaping of experience. Berkeley: University of California Press, 1970.

BIRKENHAUER, T. O tempo do texto no teatro. Cena, Porto Alegre, n. 11, p. 1-15, 2012.

GLASS, V. Antonio Candido inaugura biblioteca do MST e fala da força da instrução. Carta Maior, São Paulo, 8 ago. 2006. Disponível em: https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Movimentos-Sociais/Antonio-Candido-inaugura-biblioteca-do-MST-e-fala-da-forca-da-instrucao/2/11075. Acesso em: 11 fev. 2019.

KATÁEV, V. B. If Only We Could Know: An Interpretation of Chekhov. Chicago: Ivan R. Dee, 2002.

KRACAUER, S. History: The Last Things Before the Last. Oxford: Oxford University Press, 1969.

KUNTZ, H. Belo animal (morte do). In: SARRAZAC, J-P. (org.). Léxico do Drama Moderno e Contemporâneo. São Paulo: Cosac & Naify, 2005. p. 41-43.

MAETERLINCK, M. Os Cegos. Tradução de Lara Biasoli Moler, p. 3-11.

PAVIS, P. Dicionário de Teatro. São Paulo: Editora Perspectiva, 2008.

PRIGOGINE, I. The End of Certainty. Nova York: Free Press, 1997.

ROSENFELD, A. O teatro épico. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004.

ROUBINE, J-J. Introdução às Grandes Teorias do Teatro. São Paulo: Jorge Zahar Editor, 2000.

STEWART, W. Time Structure in Drama: Goethe’s Sturm Und Drang Plays. Amsterdam: Editions Rodopi, 1978.

SZONDI, P. Teoria do Drama Burguês. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

SZONDI, P. Teoria do Drama Moderno. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

TCHÉKHOV, A. A Gaivota / Tio Vânia. Tradução de Gabor Aranyi. São Paulo: Veredas, 2003.

TCHÉKHOV, A. A Gaivota. Tradução de Rubens Figueiredo. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

TCHÉKHOV, A. Ivánov. Tradução de Arlete Cavaliere e Eduardo Tolentino de Araújo. São Paulo: Edusp, 1998.

TCHÉKHOV, A. Três Irmãs/ O Jardim das Cerejeiras. Tradução de Gabor Aranyi. São Paulo: Veredas, 2006.

TURNER, C. J. G. Time in Chekhov’s Tri Sestry. Canadian Slavonic Papers. Abingdon, v. 28, n. 1, p. 64 -79, mar. 1986.

UBERSFELD, Anne. L’École du Spectateur. Paris: Éditions Sociales, 1981.

UBERSFELD. Para ler o teatro. São Paulo: Editora Perspectiva, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.29.1.73-89

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Rodrigo Alves do Nascimento, Bruno Barreto Gomide

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.