História, utopia e contranarrativa da nação em Angels in America

Isabella Santos Mundim

Resumo


Resumo: Este artigo visa analisar Angels in America, a Gay Fantasia on National Themes, do dramaturgo norte-americano Tony Kushner. Kushner, neste que é seu trabalho de maior impacto, retoma eventos e figuras da história recente de seu país, com foco na crise que a epidemia de AIDS desencadeia, o descaso do governo Reagan em relação às minorias que a epidemia vitima e a consequente devastação que acomete a comunidade gay da época. Nessa perspectiva, o trabalho de Kushner supera o mero registro e aponta para acontecimentos e pessoas ausentes do relato dominante. Para além da versão oficial, emerge aí uma contranarrativa da nação, comprometida com a construção de uma memória dos Estados Unidos a partir do viés da margem e da exclusão.

Palavras-chave: Tony Kushner; dramaturgia norte-americana contemporânea; contranarrativa da nação.

Abstract: This article analyses Angels in America, a gay fantasia on national themes, by the American dramatist Tony Kushner. In what many believe to be his major work, Kushner weaves the lives of fictional and historical characters into a web of social, political, and sexual revelations, focusing on the discovery of AIDS, the disregard with which politicians marginalized its early spread and the impact of the disease on the gay community. As it is, Kushner’s work rethinks the recent past and portrays alternatives absent from the dominant reports. Moving beyond the official version of events, Angels in America is thus a counter-narrative, one where the master narrative implodes on itself, one where new stories arise out of the ashes of that explosion.

Keywords: Tony Kushner; contemporary American theater; national narrative and counter-narrative.


Palavras-chave


Tony Kushner; dramaturgia norte-americana contemporânea; contranarrativa da nação; contemporary American theater; national narrative and counter-narrative.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da história. In: ______. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1987. (Obras escolhidas, v. 1). p. 222-232.

BHABHA, Homi K. Introdução a Nation and Narration. In: ROUANET, M. H. (Org.). Nacionalidade em questão. Rio de Janeiro: Instituto de Letras-UERJ, 1997. p. 1-59.

BREEN, T. H. A era Reagan. In: BREEN, T. H.; DIVINE, Robert A. et al. (Org.). América, passado e presente. Rio de Janeiro: Nórdica, 1992. p. 717-740.

BURKE, Peter. Abertura: a Nova História, seu passado e seu futuro. In: BURKE, Peter. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992. p. 7-37.

CADDEN, Michael. Strange Angel: The Pinklisting of Roy Cohn. In: GEIS, Deborah R.; KRUGER, Steven F. (Org.). Approaching the Millennium: Essays on Angels in America. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1997. p. 78-89.

CARR, E. H. Que é história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

KUSHNER, Tony. Angels in America, a Gay Fantasia on National Themes. New York: Theatre Communications Group, 1995.

SHEWEY, Don. Tony Kushner’s Sexy Ethics. Disponível em: http://www.donshewey.com/ theater_articles/tony_kushner.html. Acesso em: 30 jun. 2009.

SHILTS, Randy. O prazer com risco de vida. Rio de Janeiro: Record, 1987.

SINDER, Valter. A reinvenção do passado e a articulação de sentidos: o novo romance histórico. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 14, n. 26, p. 253-264, 2000.

SONTAG, Susan. AIDS and its Metaphors. In: ______. Illness as Metaphor; and AIDS and its Metaphors. New York: Farrar, Straus & Giroux, 1989. p. 89-183.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.19.1.169-179

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2009 Isabella Santos Mundim



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.