Anomia no patíbulo: desaparições da legalidade dramática em “O verdugo”, de Hilda Hilst / Anomie in the Gallows: Disappearances of Dramatic Legality in “O Verdugo”, by Hilda Hilst

Ivan Delmanto

Resumo


Resumo: O ensaio analisa a peça de Hilda Hilst, “O verdugo”, e procura revelar, nas modificações realizadas pela autora sobre os modelos originais do drama moderno e do teatro épico europeus, que a obra pode ser melhor compreendida a partir do conceito de “profecia”, de Walter Benjamin. O texto de Hilda figura, no contexto histórico do regime militar brasileiro, uma antecipação das estratégias de violência estatal que marcariam um trauma coletivo na formação histórica do país. Tais estratégias do regime fizeram conviver a dominação legal com práticas de tortura e de desaparecimento de opositores, e estão sedimentadas no tecido formal da dramaturgia de “O verdugo”.

Palavras-chave: dramaturgia; teatro brasileiro; Hilda Hilst; teoria crítica.

Abstract: We analyze Hilda Hilst’s play, “O verdugo”, and seek to reveal the modifications made by the author to the original models of European modern drama and epic theater. In this way, the play can be better understood from Walter Benjamin’s concept of “prophecy”. Hilda’s text, within the historical context of the Brazilian military regime, is an anticipation of the violence strategies developed by the State that would mark a collective trauma in the country historical formation. Such regime strategies have brought about legal domination with practices of torture and forced disappearance of opponents and are sedimented in the formal structure of “O verdugo”’s dramaturgy.

Keywords: dramaturgy; Brazilian theater; Hilda Hilst; critical theory.


Palavras-chave


dramaturgia; teatro brasileiro; Hilda Hilst; teoria crítica; dramaturgy; Brazilian theater; critical theory.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, W. Paralipomena e varia à terceira versão. In: ______. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Porto Alegre: L&PM, 2013. p. 145-153.

DIDI-HUBERMAN. G. Ante el tiempo. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2011.

HILST, H. Da prosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HILST, H. Hilda Hilst: Suas peças vão acontecer, 1969. [Entrevista cedida a] Regina Helena. In: DINIZ, C. (org.). Fico besta quando me entendem. Entrevistas com Hilda Hilst. São Paulo: Globo, 2013. p. 25-27.

HILST, H. O verdugo. In: Teatro completo. São Paulo: Globo, 2008.

KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes. São Paulo: Discurso Editorial; Barcarolla, 2009.

NAPOLITANO, M. 1964: História do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2018.

PÉCORA, A. Hilda menor: teatro e crônica. In: BUSATO, S; REGUERA, M. A. (org.). Em torno de Hilda Hilst. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2015. E-book.

PINHEIRO, A. S. Guerrilha na Amazônia: uma experiência no passado, o presente e o futuro. DefesaNet, 2005. Disponível em: http://www.defesanet.com.br/toa/noticia/5193/TOA---GUERRILHA-NA-AMAZONIA--A-Experiencia-dos-Anos-70-Parte-2/. Acesso em: 20 dez. 2018.

RODRIGUES, E.; ROJO, S. A eminência da morte na dramaturgia de Hilda Hilst: A possessa e O verdugo. In: BUSATO, S.; REGUERA, M. A. (org.). Em torno de Hilda Hilst. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2015. E-book.

ROSENFELD, A. Hilda Hilst: poeta, narradora, dramaturga. In: HILST, Hilda. Fluxo-floema. São Paulo: Perspectiva, 1970. p. 7-10.

ROSENFELD, A. Prismas do teatro. São Paulo: Perspectiva, 1993.

SAFATLE, V. Do uso da violência contra o Estado ilegal. In: TELLES, E.; SAFATLE, V. O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.

SANTOS. M. L. F. Orfeu emparedado. Hilda Hilst e a perversão dos gêneros. 2010. 145f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

SZONDI, Peter. Teoria do drama burguês. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.29.1.197-214

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ivan Delmanto

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.