Contratradições inventadas: crise e fantasmas da Teoria / Invented Countertraditions: Theory’s Crisis and Ghosts

Pedro Henrique Trindade Kalil Auad

Resumo


Resumo: Este artigo parte do conceito de tradições inventadas, cunhado por Eric Hobsbawm e Terence Ranger para pensar sobre a história da Teoria da Literatura e a crise desta que se desenvolve principalmente a partir dos anos 1980. Nesse sentido, nos debruçamos sobre o trabalho de três autores que refletiram sobre a crise, a saber, Terry Eagleton, Vincent B. Leitch e Paul H. Fry. A partir disso, pensamos sobre os postulados da crise da Teoria e suas contradições e como o discurso sobre a crise teórica é um discurso não só interessado, mas também centrado num espaço específico e que representa apenas certos modelos teóricos. Assim, percebemos que a teoria não acabou, e que ela continua assombrada por fantasmas, tendo aqui a concepção destes extraída das reflexões de Jacques Derrida.

Palavras-chave: teoria da literatura; crise; fantasmas; tradução; tradição inventada.

Abstract: Departing from the notion of invented traditions, coined by Eric Hobsbawm and Terence Ranger, this article reflects about the history of Literature Theory and its crisis that evolves mainly from the 1980s. In this sense, we focus on the work of three authors who weigh in on these subjects, namely, Terry Eagleton, Vincent B. Leitch, and Paul H. Fry. From this, we considered the postulates of the Theory crisis, its contradictions and how the discourse on the theoretical crisis is a discourse not only interested, but also centered in a specific space and represents only certain theoretical models. Thus, we realize that the Theory is not over, and that it remains haunted by ghosts, whose concept was extracted from Jacques Derrida’s perspective. 

Keywords: literary theory; crisis; ghosts; translation; invented traditions.


Palavras-chave


teoria da literatura; crise; fantasmas; tradução; tradição inventada; literary theory; crisis; ghosts; translation; invented traditions.

Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER, Judith; GUILLORY, John; THOMAS, Kendall. Preface. In: ______. (org.). What’s Left of Theory?. Nova York; Londres: Routledge, 2000, p. VIII – XI.

CARRIÈRE, Jean-Claude; ECO, Umberto. Não contem com o fim dos livros. Tradução de André Telles. São Paulo: Record, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. O liso e o estriado. In: ______. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 2008. v. 5, p. 179-214.

DERRIDA, Jacques. Espectros de Marx: o estado da dívida, o trabalho do luto e a “nova Internacional”. Tradução de Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

DERRIDA, Jacques. The Problem of Genesis in Husserl’s Philosophy. Tradução de Marian Hobson. Chicago; Londres: Chicago University Press, 2003. Doi: https://doi.org/10.7208/chicago/9780226143774.001.0001.

DURÃO, Fabio Akcelrud. Burrice acadêmico-literária brasileira. Revista da Anpoll, [S.l.], v. 1, n. 43, 2017. Doi: https://doi.org/10.18309/anp.v1i43.1053.

DURÃO, Fabio Akcelrud. Teoria (literária) americana: uma introdução crítica. Campinas: Autores Associados, 2011.

EAGLETON, Terry. Depois da teoria. Tradução de Maria Lucia Oliveira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

FRY, Paul H. Theory of Literature. New Haven: Yale University Press, 2012.

HARARI, Josué. Nostalgia and critical theory. In: KAVANAGH, Thomas M. The Limits of Theory. Stanford: Stanford University Press, 1989. p. 168-193.

HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Tradução de Celina Cardim Cavalcante. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

HUSSERL, Edmund. The Crisis of European Sciences and Transcendental Phenomenology. An Introduction to Phenomenological Philosophy. Tradução de David Carr. Evanston: Northwerstern University Press, 1970.

LEITCH, Vicent B. Living with Theory. Malden: Blackwell Publishing, 2008.

SLOTERDIJK, Peter. The Art of Philosophy: Wisdom as a Practice. Tradução de Karen Margolis. Nova York: Columbia University Press, 2010.

SOUZA, Eneida Maria de. A teoria em crise. In: ______. Critica cult. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007. p. 63-74.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Death of a Discipline. Nova York: Columbia University Press, 2003.

SÜSSEKIND, Flora. A crítica como papel de bala. In: AMARAL, Sérgio Alcides Pereira do; CORDEIRO, Rogério; SOARES, Claudia Campos; WERKEMA, Andréa Sirihal. A crítica literária brasileira em perspectiva. Cotia: Ateliê Editorial, 2013, p. 274-278




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.29.3.79-96

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Pedro Henrique Trindade Kalil Auad

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.