A resistência à empiria

Rachel Esteves Lima

Resumo


Resumo: O trabalho tem como objetivo questionar a forma como, há décadas, se vem naturalizando a mega-hipótese de que estaria ocorrendo, no meio literário, uma “crise da literatura comparada” e/ou uma “crise da crítica”, sem que tal ideia seja legitimada por pesquisas sobre as estratégias interpretativas que vêm sendo efetivamente colocadas em prática nesses campos de produção de conhecimento. Nesse sentido, pretende-se apontar para a necessidade de se promoverem investigações que historicizem as transformações por que vêm passando os estudos literários a partir de metodologias mais consistentes de levantamento e descrição de dados, visando à formação de arquivos que possam fornecer subsídios não apenas para se verificar em que medida as visões apocalípticas que insistem em denunciar a falência da faculdade do juízo e o predomínio do relativismo cultural possuem ou não pertinência, mas também para a observação e a análise dos diversos modos de leitura que concorrem pela hegemonia na universidade e nos congressos da área.

Palavras-chave: Crise da literatura comparada; metacrítica; leitura empírica do comparatismo.

Abstract: The aim of this piece is to call into question the manner in which, for decades, we have been witnessing the naturalization of a mega-hypothesis according to which there has been taking place, in the literary milieu, a “crisis of comparative literature” and/or a “crisis of criticism”, even if such a notion has not been borne out by research into the interpretive strategies effectively being put into practice in these fields of knowledge production. In this sense, we seek to point out the need for investigations that should historicize the transformations undergone by the literary studies since the implementation of more consistent methodologies for data gathering and description, which aim to put together archives that may provide support not only for those willing to ascertain to what extent the apocalyptical visions that insist on denouncing the failure of the faculty of judgement do or do not obtain, but also for the observation and analysis of the several reading modes which vie for hegemony at the university and the congresses of the area.

Keywords: Crisis of comparative literature; metacriticism; empirical reading of comparatism.


Palavras-chave


Crise da literatura comparada; metacrítica; leitura empírica do comparatismo; Crisis of comparative literature; metacriticism; empirical reading of comparatism.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Ana Luíza; CAMARGO, Maria Lúcia Barros; ANTELO, Raúl (Org.). Leituras do ciclo. Ilha de Santa Catarina/Chapecó: ABRALIC, 1999.

ANTELO, Raúl et al. Declínio da arte, ascensão da cultura. Florianópolis: ABRALIC; Letras Contemporâneas, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. Trad. Sergio Miceli et al. São Paulo: Perspectiva, 1992.

CARVALHAL, Tania Franco. Teorias em Literatura Comparada. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 2, p. 9-17, maio 1994.

CERTEAU, Michel de. A operação histórica. In: In: LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre (Org.). História: novos problemas. 3. ed. Trad. Theo Santiago. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988. p. 17-48.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 1: Artes de fazer. Trad. Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 1994.

DE MAN, Paul. A resistência à teoria. Trad. Teresa Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, s.d.

FOUCAULT, Michel; DELEUZE, Gilles. Os intelectuais e o poder. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 7. ed. Organização e trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979. p. 69-78.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história. In: ____. Microfísica do poder. 7. ed. Organização e trad. Roberto Machado. Rio de janeiro: Graal, 2006. p. 15-37.

GOETHE, Johann Wolfgang. Fausto zero (Urfaust). Trad. de Christine Röhrig. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

GORZ, André. O imaterial: conhecimento, valor e capital. Trad. Celso Azzan Jr. São Paulo: Annablume, 2005.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Império. Trad. Berilo Vargas. Rio de Janeiro: Record, 2001.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão. Trad. Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2005.

HOISEL, Íris. O debate disciplinar na Revista Brasileira de Literatura Comparada. In: VIII Congresso ABRALIC, 2002, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, 2002. Disponível em: http://www.abralic.org.br/htm/congressos/anais-eventos.htm (S5-C776). Acesso em: 08 ago. 2009.

HUTCHEON, Linda. Póetica do pós-modernismo. Trad. Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

LAZZARATO, Maurizio. As revoluções do capitalismo. Trad. Leonora Corsini. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MARQUES, Reinaldo; VILELA, Lúcia Helena (Org.). Valores: Arte, Mercado, Política. Belo Horizonte: Editora UFMG/ABRALIC, 2002.

MIRANDA, Wander Melo. Projeções de um debate. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 4, p. 11-17, 1998.

SOUZA, Eneida Maria de. A teoria em crise. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 4, p. 19-29, 1998.

VEYNE, Paul. Foucault revoluciona a história. In: ____. Como se escreve a história. 3. ed. Trad. Alda Baltar e Maria Auxiliadora Kneipp. Brasília: UnB, 1995.

WELLEK, René. A crise da Literatura Comparada. In: COUTINHO, Eduardo; CARVALHAL, Tania Franco. Literatura Comparada: textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 108-119.

YÚDICE, George. Contrapunteo estadounidense/latinoamericano de los estúdios culturales. In: MATO, Daniel (Comp.). Estudios y otras prácticas intelectuales latinoamericanas en cultura y poder. Caracas, Venezuela: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2002. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/cultura/yudice.doc. Acesso em: 08 ago. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.20.1.25-33

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2010 Rachel Esteves Lima



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.