Abismos e autorias: além de si

Piero Eyben

Resumo


Resumo: O presente ensaio pretende discutir a escritura como texto assinalado pela marca autoral, mas igualmente como um universo do desaparecimento do sujeito. Para isso, serão analisados certos fragmentos de Michel de Montaigne em seus Essais, com o intuito de, para além da já famosa polêmica sobre o sujeito na escritura ensaística do autor, glosar o (im)possível ato de escrever sobre si.

Palavras-chave: autoria; escritura; ensaio.

Abstract: The present essay intends to argue the writing as text marked for one strong authorial mark, but equally as a universe of the disappearance of the subject. For this, certain extracts of Michel de Montaigne’s Essais will be discussed, with the intention of, beyond the already famous quarrel about the subject on the essay writing of the author, arguing the (im)possible act to write on the self.

Keywords: authorship; writing; essay.


Palavras-chave


autoria; escritura; ensaio; authorship; writing; essay.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. O ensaio como forma. In: ____. Notas de literatura I. Trad. e apresentação de Jorge M. B. de Almeida. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2003. p. 15-45.

AGAMBEN, G. O fim do pensamento. A Terceira Margem: Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura, UFRJ, ano IX, n. 11, p. 157-159, 2004.

BARTHES, R. A morte do autor. In: ____. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004. p. 57-64.

BENVENISTE, É. Problèmes de linguistique générale. Paris: Gallimard, 2006. 351 p.

BLANCHOT, M. L’espace littéraire. Paris: Gallimard, 2003. 374 p.

CAVE, T. The cornucopian text: problem of writing in French Renaissance. Oxford: Oxford University Press, 2002. 390 p.

DERRIDA, J. La pharmacie de Platon. In: ____. La dissemination. Paris: Seuil, 1972. p. 75-213.

DERRIDA, J. De la grammatologie. Paris: Minuit, 1974. 447 p.

FOUCAULT, M. O que é um autor? In: ____. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Manoel Barros Motta. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006a. p. 264-298.

FOUCAULT, M. A escrita de si. In: ____. Ética, sexualidade, política. Org. Manoel Barros Motta. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006b. p. 144-162.

HEIDEGGER, M. A origem da obra de arte. In: MOOSBURGER, L. de B. A origem da obra de arte de Martin Heidegger: tradução, comentário e notas. (Dissertação de Mestrado em Filosofia). Curitiba: UFPR, 2007. p. 5-59.

LACOUE-LABARTHE, P.; NANCY, J.-L. A exigência fragmentária. A Terceira Margem: Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura, UFRJ, ano IX, n. 10, p. 67-94, 2004.

MONTAIGNE, M. de. Essais – Livre 1. Paris: Garnier-Flammarion, 1969. 443 p.

MONTAIGNE, M. de. Essais – Livre 2. Paris: Garnier-Flammarion, 1979a. 510 p.

MONTAIGNE, M. de. Essais – Livre 3. Paris: Garnier-Flammarion, 1979b. 378 p.

NANCY, J.-L. Les raisons d’écrire. In: BLANCHOT, M. et. al. Misère de la littérature. Paris: Bourgois, 1979. p. 83-96.

OVÍDIO. Metamorfoses. Trad. Paulo Farmhouse Alberto. Lisboa: Cotovia, 2007.

STAROBINSKI, J. Montaigne en mouvement. Paris: Gallimard, 2006. 595 p.

VIEIRA, T. Édipo rei de Sófocles. São Paulo: Perspectiva, 2001. 185 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.20.2.151-165

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2010 Piero Eyben



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.