“William Wilson”: o retorno do significante / “William Wilson”: The Return of the Significant

Ana Maria Agra Guimarães

Resumo


Resumo: O presente artigo busca interpretar o conto “William Wilson”, de Edgar Allan Poe, à luz da teoria do fantástico, que tem como característica principal a hesitação, transitando entre a verossimilhança e inverossimilhança e instalando no texto a ambiguidade. O texto também se apoia na psicanálise, mostrando como um significante forcluído pode retornar em forma de horror. No caso, do conto interpretado, o conceito do duplo é o elemento principal que faz surgir o desconhecimento do personagem em relação à constituição de sua própria subjetividade.

Palavras-chave: William Wilson; teoria do fantástico; psicanálise.

Abstract: This essay intends to examine Edgar Allan Poe’s “William Wilson” considering the theory of the fantastic. One of the main characteristics of this literary genre is to create a sense of hesitation due to the ambiguity generated between the tension of real and unreal within the narrative. The essay also draws on psychoanalysis to understand how the concept of forclusion may return in the shape of horror. In this tale, the concept of double is the central element that makes the character unaware in relation to the formation of his subjectivity.

Keywords: William Wilson; theory of the fantastic; psychoanalysis.


Palavras-chave


William Wilson; teoria do fantástico; psicanálise; theory of the fantastic; psychoanalysis.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Ruth. Literatura e psicanálise. Porto Alegre: Editora UFRGS, 1996.

CARDOSO, Sérgio et al. Os sentidos da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, 1984.

DOR, Joel. Introdução à Leitura de Lacan: o inconsciente estruturado como linguagem. Trad. Carlos Eduardo Reis. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FREUD, Sigmund. Inibições, sintomas e angústia. Trad. Christiano Monteiro Oiticica. Rio de Janeiro: Imago, 2001.

KRISTEVA, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Trad. Maria Carlota Carvalho Gomes. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LACAN, Jacques. O estado do espelho como formador da função do eu. In: ______. Escritos. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. p. 93-103.

POE, Edgar Allan. William Wilson. In: ______. Histórias extraordinárias. Trad. Brenno Silveira et al. São Paulo: Abril Cultural, 1981. p. 85-107.

RANCIÈRE, Jacques. L’inconscient esthetique. Paris: Galilée, 2001.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara Correa Castello. São Paulo: Perspectiva, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.22.1.119-127

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2012 Ana Maria Agra Guimarães



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.