Migrações do eu: recurso à autoficção em Sérgio Kokis / Migrations of the Self: Resource to Autofiction in Sérgio Kokis

Jacqueline Oliveira Leão

Resumo


Resumo: A partir de um enfoque comparatista, o texto propõe-se a refletir sobre o gênero autoficcional, tendo em vista a presença significativa da escrita de si, do eu na literatura contemporânea, do impulso autobiográfico e do recurso à autoficção como estratégia de criação literária. Além disso, considerando as complexidades e a não rigidez de fronteiras entre o que se entende por discurso ficcional e não ficcional, o presente estudo intenta discutir as mobilidades intersubjetivas – autoficção, memória e imaginário – e a coerência ou não de relacionar tais categorias críticas ao romance de Sérgio Kokis, A casa dos espelhos (2000). Para tal, dar-se-á maior relevo às questões acerca da identidade migrante, da fabulação, da construção do texto, da mobilidade que se aninha no conceito de autoficção, gênero híbrido capaz de “performar” a imagem do eu autoral presente no texto.

Palavras-chave: autoficção; autoria; Sérgio Kokis.

Abstract: From a comparative standpoint, the text reflects upon the autofictional genre having in mind the significant presence in contemporary literature of self-writing, the autobiographic impulse and the resource to autofiction as a strategy of literary creation. Taking into consideration the complexities and non-rigidity of boundaries between what is meant as fictional and non-fictional discourse, this study discusses the intersubjective mobilities – autofiction, memory and imaginary – and the coherence of relating such categories to Sérgio Kokis’s Funhouse. In order to do that focus is placed on issues about migrant identity, fabulation, text construction and the concept of mobility, which includes the notion of autofiction, a hybrid genre that creates a performance of the image of the authorial self present in the text.

Keywords: autofiction; authorship; Sérgio Kokis.


Palavras-chave


autoficção; autoria; Sérgio Kokis; autofiction authorship..

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Luciene Almeida de. Autoficção e literatura contemporânea. Revista Brasileira de Literatura Comparada, São Paulo, n. 12, p. 31-49, 2008.

BARBOSA, Nelson Luís Barbosa. Infinitivamente pessoal: a autoficção de Caio Fernando Abreu, o biógrafo da emoção. 2009. 401f. Tese (Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: http:// www.teses.usp.br/teses/.../8/8151/.../NELSON_LUIS_BARBOSA.pdf. Acesso: 22 out. 2012.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. Antônio Gonçalves. Lisboa: Edições 70, 1987.

BERND, Zilá (Org.). Dicionário das mobilidades culturais: percursos americanos. Porto Alegre: Literalis, 2010.

COLONNA, Vincent. L’autofiction (essai sur la fictionalisation de soi en literature). Doctorat de l’École des Hautes Études em Sciences Sociales, Paris, 1989.

COLONNA, Vincent. Autofictions & autres mythomanies littéraires. Paris: Éditions Tristram, 2004.

DOUBROVSKY, Serge. Écriture de soi et lecture de l’autre. Dijon: Éditions Universitaires de Dijon, 2002.

DOUBROVSKY, Serge. Fils. Paris: Galilée, 1977.

DOUBROVSKY, Serge. Un amour de soi. Paris: Galilée, 1982.

DOUBROVSKY, Serge; LECARME, Jacques; LEJEUNE, Philippe (Dir.). Autofictions et cie. Cahiers RITM, Université de Paris X, n. 6, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.22.3.177-189

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2012 Jacqueline Oliveira Leão



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.