Vidas célebres, vidas minúsculas: Vasari, Foucault, Michon / Famous Lives, Small Lives: Vasari, Foucault, Michon

Kelvin Falcão Klein

Resumo


Resumo: O primeiro movimento deste ensaio consiste no esboço de um percurso breve a partir da obra de Michel Foucault, rastreando o uso do significante “vidas” em alguns textos do autor francês. Dois eixos são delineados a partir daí: o primeiro deles diz respeito à leitura foucaultiana das “vidas célebres” de Giorgio Vasari; o segundo diz respeito às “vidas infames”, que Foucault rastreia nos arquivos policiais franceses. Em seguida, inicia-se um desvio em direção à literatura do século XX, considerando o envolvimento da ficção com a emergência da discursividade biográfica, sua ressonância política e o emprego crítico, mais uma vez, do significante “vidas”. Com esse contexto de fundo estabelecido, o ensaio conclui-se com uma análise de Vidas minúsculas, do escritor francês Pierre Michon.

Palavras-chave: vidas; ficção; discurso; Michel Foucault; Pierre Michon.

Abstract: The first movement of this essay is to outline a brief path from the work of Michel Foucault, tracking the use of the signifier “lives” in some texts of the French author. Two axes are delineated from there, the first one concerns Foucault’s reading of “renowed lives” by Giorgio Vasari; the second concerns the “infamous lives”, which Foucault traces from the French police files. Then begins a shift toward twentiethcentury literature, considering the involvement of fiction with the emergence of biographical discourse, its political resonance and, again, the critical use of the signifier “lives”. With this background context established, the essay concludes with a analysis of Small Lives, by French writer Pierre Michon.

Keywords: lives; fiction; discourse; Michel Foucault; Pierre Michon.


Palavras-chave


vidas; ficção; discurso; Michel Foucault; Pierre Michon; lives; fiction; discourse.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

BERG, Christian (Org.). Retours à Marcel Schwob: d’un siècle à l’autre, 1905-2005. Rennes: Presses Universitairies de Rennes, 2007.

CROWLEY, Patrick. Pierre Michon: The Afterlife of Names. Berna: Peter Lang, 2007.

DE CERTEAU, Michel. Microtécnicas e discurso panóptico: um quiproquó. História e psicanálise: entre ciência e ficção. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 151-162.

DERRIDA, Jacques. A palavra soprada. A escritura e a diferença. 4. ed. Tradução de Maria Beatriz Marques Nizza da Silva, Pedro Leite Lopes e Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 2009. p. 249-288.

FARGE, Arlette; MICHON, Pierre. Entretien. Les Cahiers de la Villa Gillet, Estrasburgo, n. 3, p. 151-164, nov. 1995.

FARGE, Arlette. Lugares para a História. Tradução de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

FOUCAULT, Michel. A vida dos homens infames. In: ______. Ditos e escritos. 2. ed. Organização, seleção de textos e revisão técnica de Manoel Barros da Motta; tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. v. IV: Estratégia, poder-saber, p. 203-222.

FOUCAULT, Michel. Diálogo sobre o poder. In: ______. Ditos e escritos. 2. ed. Organização, seleção de textos e revisão técnica de Manoel Barros da Motta; tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. v. IV: Estratégia, poder-saber, p. 253-266.

FOUCAULT, Michel. Foucault estuda a Razão de Estado. In: ______. Ditos e escritos. 2. ed. Organização, seleção de textos e revisão técnica de Manoel Barros da Motta; tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. v. IV: Estratégia, poder-saber, p. 317-322.

FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros: curso no Collège de France (1982-1983). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. O “não” do pai. In: ______. Ditos e escritos. 3. ed. Organização, seleção de textos e revisão técnica de Manoel Barros da Motta; tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. v. I: Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria, psicanálise, p. 185-201.

FOUCAULT, Michel. Apresentação. In: ______. Ditos e escritos. Organização, seleção de textos e revisão técnica de Manoel Barros da Motta; tradução de Abner Chiquieri. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014. v. IX: Genealogia da ética, subjetividade e sexualidade, p. 78.

LAPLANCHE, Jean. Hölderlin e a questão do pai. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

MICHON, Pierre. Vidas minúsculas. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.

SCHWOB, Marcel. Vidas imaginárias. Tradução de Duda Machado. São Paulo: Editora 34, 1997.

VASARI, Giorgio. Vidas dos artistas. Edição de Lorenzo Torrentino; organização de Luciano Bellosi e Aldo Rossi; apresentação de Giovanni Previtali; tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.24.3.39-52

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Kelvin Falcão Klein



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.