Cisne isolado, sujeito deslocado: Mallarmé em diálogo com Apolo, Baudelaire, Andersen e Eduardo Guimaraens / Isolated Swan, Displaced Subject: A Dialogue Between Mallarmé, Apolo, Baudelaire, Andersen and Eduardo Guimaraens

Bruno Anselmi Matangrano

Resumo


Resumo:  O presente artigo pretende traçar um breve panorama da imagem do cisne no contexto da poética simbolista, partindo, no entanto, da sua presença na literatura e na mitologia grega antiga, com a qual o simbolismo dialoga. Volta-se, então, à emblemática imagem do cisne presente no poema “Le Vierge, le vivace et le bel aujourd’hui”, de Stéphane Mallarmé (1842-1898), lido em diálogo com os poemas “L’Albatros” e “Le Cygne”, de Charles Baudelaire (1821-1867), com os sonetos “Sobre o cisne de Stéphane Mallarmé” e “O cisne e o lago”, de Eduardo Guimaraens (1892-1928), e com o conto de fadas “O patinho feio”, de Hans Christian Andersen (1805-1875), na tentativa de mostrar transformações e nuances pelas quais esse símbolo passou ao longo dos séculos, sua permanência e sua continuidade no Zeitgeist oitocentista e a relação que estabelece com a tradição.

Palavras-chave: imagem do cisne; simbolismo; Zeitgeist; mitologia.

Abstract: The present paper intends to trace a brief panorama of the swan figure in the context of symbolist poetics, albeit starting from its presence in ancient Greek literature and mythology, which symbolism dialogues with. It backtracks the emblematic swan figure found in the poem “Le Vierge, le vivace et le bel aujourd’hui”, by Stéphane Mallarmé (1842-1898), read in dialogue with the poems “L’Albatros” and “Le Cygne”, by Charles Baudelaire (1821-1867), with the sonets “Sobre o cisne de Stéphane Mallarmé” and “O cisne e o lago”, by Eduardo Guimaraens (1892-1928) and with the fairytale “The Ugly Duckling”, by Hans Christian Andersen (1805-1875), in an attempt to expose the transformations and nuances this symbol has suffered along the centuries, its permanence and continuity in the nineteenth century zeitgeist and the relation it establishes with the tradition.

Keywords: Swan figure; symbolism; Zeitgeist; mythology.


Palavras-chave


imagem do cisne; simbolismo; Zeitgeist; mitologia; Swan figure; symbolism; mythology.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSEN, Hans Christian. Contes pour les enfants. Traduit par V. Caralp. Paris: Belin-Leprieur et Morizot, 1848.

ANDERSEN, Hans Christian. Contos. Tradução de Silva Duarte. São Paulo: Paulinas, 2011.

BALAKIAN, Anna. O simbolismo. Tradução de José Bonifácio. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Tradução de Ivan Junqueira. Edição bilíngue. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

CAMPOS, Augusto de; CAMPOS, Haroldo de; PIGNATARI, Décio. Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Vários tradutores. 22. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

COMMELIN, P. Mitologia grega e romana. Tradução de Eduardo Brandão. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FONTES, Joaquim Brasil. Os anos de exílio do jovem Mallarmé. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2007.

GOMES, Álvaro Cardoso. A poética do indizível. São Paulo: Unimarco, 2001.

GUIMARAENS, Eduardo. O cisne e o lago. In: RICIERI, Francine (Org.). Antologia da poesia simbolista e decadente brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional; Lazuli, 2007. p. 134.

GUIMARAENS, Eduardo. Sobre o cisne de Stéphane Mallarmé. In: RICIERI, Francine (Org.). Antologia da poesia simbolista e decadente brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional; Lazuli, 2007. p. 132-133.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso literário. Tradução de Adail Sobral. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

MALLARMÉ, Stéphane. Œuvres complètes. Paris: Gallimard, 1974.

MALLARMÉ, Stéphane. Stéphane Mallarmé: poemas. Organização, tradução, introdução e notas de José Lino Grünewald. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

MARCHAL, Bertrand. Lecture de Mallarmé: Poésies – Igitur – Le Coup de dés. Paris: José Corti, 1985.

PLATON. Phédon: dialogue. Traduit par L. Carrau. Paris: Imprimerie et Librairie Classiques de Jules Delalain et Fils, 1877.

OTTO, Walter Friedrich. Os deuses da Grécia. Tradução de Ordep Serra. São Paulo: Odysseus, 2005.

RIBEIRO JR., Wilson Alves (Org.). Hinos homéricos. Vários tradutores. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

RICIERI, Francine (Org.). Antologia da poesia simbolista e decadente brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional; Lazuli, 2007.

SOUSA, Cruz e. Obra completa. Organização de Andrade Murici. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

VERLAINE, Paul. Œuvres poétiques complètes. Gallimard, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.24.3.127-141

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Bruno Anselmi Matangrano



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.