Fotografia deslocada e experiência estética em Mario Bellatin Misfit / Misfit Photography and Aesthetic Experience in Mario Bellatin’s Work

Karla Fernandes Cipreste

Resumo


Resumo: Este artigo analisa a narrativa de Mario Bellatin a partir da aproximação entre a produção de presença gumbrechtiana, a experiência do excesso batailleana e o punctum barthesiano, compreendidos como experiências estéticas abertas ao imprevisível e ao sem sentido da vida. Tais experiências desestabilizam a normalização de saberes e condutas ao contestar a lógica ocidental por meio do jogo entre realidade e ficção, simetria e assimetria, saúde e enfermidade, vida e morte. Uma das formas de expressão desse jogo efetua-se pelo uso de fotografias deslocadas de seus referenciais, artifício a ser ressaltado em nossa análise.

Palavras-chave: Mario Bellatin; literatura; fotografia; experiência estética.

Abstract: This paper analyzes Mario Bellatin’s narrative by approaching Gumbrechtian production of presence, Bataillean experiences of excess and Barthesian punctum, understood as aesthetic experiences open to the unexpected and the nonsense of life. Such experiences destabilize the normalization of knowledge and conducts by contesting occidental logic through a game between reality and fiction, symmetry and asymmetry, health and illness, life and death. One of the ways by which this game can be expressed is the use of photographs displaced from their referents, a noteworthy artifice to our analysis.

Keywords: Mario Bellatin; literature; photograph; aesthetic experience.


Palavras-chave


Mario Bellatin; literatura; fotografia; experiência estética; literature; photograph; aesthetic experience.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. A câmara clara. São Paulo: Edições 70, 2006.

BATAILLE, Georges. A parte maldita. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Porto Alegre: L&PM, 1987.

BELLATIN, Mario. Flores. Barcelona: Anagrama, 2004.

BELLATIN, Mario. Los fantasmas del masajista. Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2009.

BERGSON, Henri. O riso. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o Barroco. Campinas: Papirus, 1991.

ESPOSITO, Roberto. Comunidad, inmunidad y biopolítica. Barcelona: Herder Editorial, 2009a.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade, v.1. A vontade de saber. São Paulo: Graal, 2007.

FOUCAULT, Michel. El cuerpo utópico: las heterotopías. Buenos Aires: Nueva Visión Argentina, 2010.

FOUCAULT, Michel. Sexo, poder y gobierno de la identidad. Disponível em: http://www.hartza.com/fuckault.htm. Acesso em: 10 nov. 2011.

GLEISER, Marcelo. Criação imperfeita: cosmo, vida e o código oculto da natureza. Rio de Janeiro: Record, 2010.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.

PANESI, Jorge. La escuela del dolor humano de Sechuán. In: El interpretador: literatura, arte y pensamiento [on-line]. Buenos Aires, n. 20, 2005. Disponível em: http://www.elinterpretador.com.ar/20JorgePanesi-LaEscuelaDelDolorHumanoDeSechuan. html. Acesso em: 5 dez. 2012.

PAZ, Octavio. La máscara y la transparencia. In: _____. Corriente alterna. México: Editorial Siglo XXI, 1973.

PAZ, Octavio. O labirinto da solidão e post scriptum. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

PRECIADO, Beatriz. Manifiesto contra-sexual. Barcelona: Opera Prima, 2002.

SCHETTINI, Ariel. La escuela del dolor humano de Sechuán. In: El interpretador: literatura, arte y pensamiento [on-line]. Buenos Aires, n. 20, 2005. Disponível em: http://www.elinterpretador.com.ar/20ArielSchettini-LaEscuelaDelDolorHumanoDeSechuan. html. Acesso em: 5 dez. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.24.2.189-201

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Karla Fernandes Cipreste



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.