Viagens noturnas: as rotas da exclusão em Lasar Segall e Hieronymus Bosch / Overnight Trips: The Exclusion Routes of Lasar Segall and Hieronymus Bosch

João Paulo Ayub

Resumo


Resumo: A Nave dos loucos (1503-1504), de Hieronymus Bosch, e o Navio de Emigrantes (1939-1941), de Lasar Segall, registram de modo singular a fragilidade que sustenta a humana condição dos condenados ao não-lugar. As obras encontram no tema da morte a rica possibilidade de diálogo e exploração daquilo que Michel Foucault identificou, na História da Loucura, como “jogos de exclusão”. Neste trabalho, a leitura e interpretação dos quadros citados destacará a operação sub-reptícia que engendra a partilha objeto/abjeto, purificação/exclusão, sob a qual os sujeitos excluídos – seja na figura do louco, do leproso, do emigrante ou do refugiado – experimentam a morte.

Palavras-chave: Segall; Bosch; morte; purificação exclusão.

Abstract: The Ship of fools (1503-1504), Hieronymus Bosch, and the Ship of Emigrants (1939-1941), by Lasar Segall, recorded in a singular way the weakness that sustains the human condition of the damned to the non-place. The works are included on death theme the rich possibility of dialogue and exploration of what Michel Foucault identified in the History of Madness, as “exclusion of games.” In this work, the reading and interpretation of sad works highlight the surreptitious operation that generates the object / abject sharing, purification / exclusion, under which the excluded subject - whether in crazy figure, the leper, the migrant or refugee - experience of death.

Keywords: Segall; Bosch; death; purification; exclusion.


Palavras-chave


Segall; Bosch; death; purification; exclusion.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Carlos Drummond. Segall e o navio. In: MILLER, Álvaro et alii (Org.). Lasar Segall: antologia de textos nacionais sobre a obra e o artista. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

BASTIDE, Roger. O oval e a linha reta – a propósito de algumas pinturas de Lasar Segall. In: MILLER, Álvaro et alii (Org.). Lasar Segall: antologia de textos nacionais sobre a obra e o artista. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

FOUCAULT, Michel. Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

GOMBRICH, E. H. A história da arte. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

HARTAU, Johannes. Bosch and the Jews. Anales del Instituto de Investigaciones Estéticas, n. 86, 2005.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 2000.

MERUJE, Márcio; ROSA, J. M. Silva. Sacrifício, rivalidade mimética e “bode expiatório” em R. Girard. Griot - Revista de Filosofia, Amargosa, Bahia, v. 8, n. 2, p. 151-174, dez. 2013.

PEREIRA, Kenia M. de. A temática do holocausto no ensino de literatura brasileira: um poema de Vinícius de Moraes e uma tela de Lasar Segall. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n.22, p.233 -251, 2013.

REMBERT, Virginia Pitts. Hieronymus Bosch. Canada: Ed. Parkstone Internatio, 2012.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Para uma filosofia do exílio: A. Rosenfeld e V. Flusser sobre as vantagens de não se ter uma pátria. Revista Eletrônica do NIEJ/UFRJ, Rio de Janeiro, Ano I, n. 3, 2010.

VOLOBUEF, Karin. Introdução. In: BRANT, Sebastian. A nau dos insensatos. São Paulo: Octavo, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.25.1.183-194

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 João Paulo Ayub



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.