Hermetismo e provocação: sobre “A tarefa do tradutor”, de Walter Benjamin / Hermetism and Provocation: on Walter Benjamin’s “The Task of the Translator”

Georg Otte

Resumo


Resumo: O hermetismo da escrita de Walter Benjamin representa ao mesmo tempo um atrativo e um desafio para seus leitores. Justapondo afirmações apodíticas, ele mesmo dá um exemplo dessa ambivalência pela provocativa ideia de que nem a obra literária nem sua tradução estariam dirigidas ao seu leitor. Considerando o uso comunicativo da linguagem como um abuso, Benjamin não apenas defende a autonomia da obra, mas também reivindica a autonomia da tradução como “forma”. Não sendo um canal de comunicação para o original nem sua derivação, a tarefa da tradução consiste em despertar a “pura língua” no original. Assim, correspondências escondidas têm de substituir a comunicação linear.

Palavras-chave: Tradução; hermetismo; justaposição.

Abstract: The hermetism of Walter Benjamin’s writing represents at the same time an attraction and a challenge for his readers. Juxtaposing apodictic assertions, he gives by himself an example for this ambivalence by his – provocative – idea that the literary work, nor the translation of this work would not be directed to its reader. Considering the communicative use of language as an abuse, Benjamin defends not only the autonomy of the work, but also of the translation as a “form”. Not being a communication channel to the original, nor its derivation, the task of the translation consists in waking up the “pure language” in the original. Thus, hidden correspondences have to replace the linear communication.

Keywords: translation; hermetism; juxtaposition.


Palavras-chave


translation; hermetism; juxtaposition.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Der Essay als Form. In: ______. Noten zur Literatur. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1981. p. 9-33.

ADORNO, Theodor W. O ensaio como forma. In: ______. Notas de literatura. Tradução de Jorge de Almeida. São Paulo: Editora 34, 2003. v. 1. p. 15-46.

ADORNO, Theodor W. Parataxis. In: ______. Noten zur Literatur. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1981. p. 447-491.

AGAMBEN, Giorgio. O príncipe e o sapo. In: ______. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. p. 129-150.

BAUDELAIRE, Charles. Œuvres complètes. Paris : Gallimard, 1961.

BAUDELAIRE, Charles. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. In: ______. Escritos sobre mito e linguagem. Organização, apresentação e notas de Jeanne Marie Gagnebin. Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34, 2011. p. 101-120.

BENJAMIN, Walter. A tarefa-renúncia do tradutor. Tradução de Susana Kampff Lages. In: HEIDERMANN, Werner (Org.). Clássicos da teoria da tradução. Florianópolis: NUT-UFSC, 2001. p. 188-215. v. 1: português-alemão. Antologia bilíngue.

BENJAMIN, Walter. Briefe. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1966.

BENJAMIN, Walter. L’Abandon du traducteur: prolégomènes à la traduction des Tableaux parisiens de Charles Baudelaire. Traduction et notes de Laurent Lamy et Alexis Nouss. TTR – Traduction, Terminologie, Rédaction: Études sur le Texte et ses Transformations, v. 10, n. 2, p. 13-69, 1997.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. Revisão técnica de Márcio Seligmann-Silva. Prefácio de Jeanne Marie Gagnebin. 8. ed. rev. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 213-240. (Obras Escolhidas, 1).

BENJAMIN, Walter. Sobre a linguagem em geral e sobre a linguagem do homem. In: ______. Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921). Organização, apresentação e notas de Jeanne Marie Gagnebin. Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2011. p. 49-73.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: ______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. Revisão técnica de Márcio Seligmann-Silva. Prefácio de Jeanne Marie Gagnebin. 8. ed. rev. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 241-252. (Obras Escolhidas, 1).

ISER, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Tradução de Johannes Kreschmer. São Paulo: Editora 34, 1996.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à história literária. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Ática, 1994.

JAUSS, Hans Robert. Literaturgeschichte als Provokation. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1970.

LEIBNIZ, Gottfried Wilhelm. Monadologie. Stuttgart: Reclam, 1954.

LEIBNIZ, Gottfried Wilhelm. Princípios da filosofia ou A monadologia. Disponível em: goo.gl/bW7xnI. Acesso em: 25 jul. 2015.

NÄGELE, Rainer. Echolalie. In: NIBBRIG, Christiaan L. Hart (Hrsg.). Übersetzen: Walter Benjamin. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2001. p. 17-37.

OTTE, Georg. A letra morta como garantia de sobrevivência. In: SOUZA, Eneida Maria de; LYSARDO-DIAS, Dylia; BRAGANÇA, Gustavo Moura (Org.). Sobrevivência e devir da leitura. Belo Horizonte: Autêntica, 2014. p. 34-42.

WEBER, Samuel. Benjamin’s –abilities. Cambridge, MA; Londres: Harvard University Press, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.25.2.209-224

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Georg Otte



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.