Quase nada, amor? - Quando Ana C. traduz Emily D. / Nearly Nothing, Love? – When Ana C. Translates Emily D.

Telma Franco Diniz

Resumo


Resumo: Comento e analiso neste artigo as opções de tradução de Ana Cristina Cesar para o poema “The Dying need but little, Dear”, de Emily Dickinson, ao mesmo tempo em que traço um paralelo com as soluções adotadas pelos tradutores José Lira e Isa Mara Lando em suas versões para a mesma obra. Para tanto, pondero sobre o esquema métrico e rímico do poema, sua prosódica e imagética, além de fazer menção a modulações como omissões e acréscimos nos poemas traduzidos. Uso como base os ensaios “Cinco e meio”, em que a própria Ana Cristina Cesar comenta sua experiência na tradução do poema em questão, e “Traduzindo o poema curto”, em que ela tenta estruturar suas ideias sobre tradução de poesia, ambos publicados no livro Crítica e tradução.

Palavras-chave: Tradução; retextualização; comentários; Emily Dickinson; Ana Cristina Cesar.

Abstract: In this article, I examine and comment on Ana Cristina Cesar’s translation options to the poem “The Dying need but little, Dear”, by Emily Dickinson, while drawing, at the same time, a parallel between hers and Jose Lira’s and Isa Mara Lando’s choices when they translated the same poem. In order to do so, I consider the poem’s meter and rhyme schemes, as well as its prosody and imagery. I also ponder on some modulation such as omission and addition introduced by the translators in the target-poem. Two of Ana Cristina Cesar’s essays, from the book Crítica e tradução, ground my standing point: “Cinco e meio” [Five and a half], where Ana herself elaborates on her experience in translating the poem in question, and “Traduzindo o poema curto” [Translating short poems], where she attempts to structure her own thoughts on the translation of poetry.

Keywords: translation; rewriting; comments; Emily Dickinson; Ana Cristina Cesar.


Palavras-chave


translation; rewriting; comments; Emily Dickinson; Ana Cristina Cesar.

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BRITTO, Paulo Henriques. A tradução para o português do metro de balada inglês. Fragmentos, Florianópolis, n. 34, p. 025/033, jan.-jun. 2008.

CESAR, Ana C. Cinco e meio. In: ______. Crítica e tradução. São Paulo: Editora Ática, 1999. p. 383-398.

DICKINSON, Emily. Fifty poems – cinquenta poemas. Seleção e tradução de Isa Mara Lando. Rio de Janeiro: Imago; São Paulo: Associação Alumni, 1999.

DICKINSON, Emily. Alguns poemas. Tradução de José Lira. São Paulo: Iluminuras, 2006.

FALEIROS, Álvaro. Traduzir o poema. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2012.

HENDERSON, Desirée. Grief and Genre in American Literature, 1790-1870. Surrey: Ashgate Publishing Limited, 2011.

LIRA, José. Emily Dickinson: a críptica beleza. São Paulo: Iluminuras, 2006.

MACLEISH, Archibald. The private world. In: MACLEISH, Archibald (Org.). Emily Dickinson: three views. Amherst: Amherst College Press, 1960. p. 13-25.

MESCHONNIC, Henri. Linguagem: ritmo e vida. Tradução de Cristiano Florentino. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2006.

MESCHONNIC, Henri. Poética do traduzir. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Perspectiva, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.25.2.139-159

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Telma Franco Diniz



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.